Home - Convergência Digital
RSS Assine gratuitamente as nossas newsletters Quem faz o Convergência Digital Fale conosco Anuncie aqui
Cloud Computing CD TV Carreira Blog Capital Digital



Home - Telecom

Teles pressionam pela criação da “taxa Google”

:: Luís Osvaldo Grossmann*
:: Convergência Digital :: 29/02/2012

“Pessoas do mesmo ofício raramente se encontram, mesmo que em alegria ou diversão, mas se tiver lugar, a conversa acaba em conspiração contra o público, ou em qualquer artifício para fazer subir os preços”, afirmava Adam Smith.

E no setor de Telecom isso não seria diferente. Reunidos em Barcelona para mais uma edição do Mobile World Congress, a principal reunião das operadoras de telecomunicações, os executivos da área voltaram a defender que os grandes provedores de conteúdo na Internet participem do financiamento das redes. É a abertura da temporada anual pela criação do que poderia ser chamado de “taxa Google”.

“Quando alguém assiste YouTube em um celular e termina com uma conta enorme, ele xinga as operadoras de telecom. Mas o YouTube consome uma grande quantidade dos recursos de nossas redes. Alguém tem que pagar por isso”, resumiu o presidente da Airtel, da Índia, Sunil Bharti Mittal.

Quem pagaria? Para Mittal, um recurso seria o pagamento de uma espécie de tarifa de interconexão, semelhante ao que existe nas chamdas entre clientes de diferentes operadoras. “Se vamos construir as rodovias, deve existir uma taxa pelo uso delas”, completou o executivo.

O tema é recorrente por conta da sempre crescente demanda dos consumidores por maiores volumes de dados e velocidades nas conexões. O objetivo assumido é garantir “uma fatia maior daquilo que agora vai para companhias como Apple e Google”.

A premissa é discutível – não seria o uso dos serviços dessas empresas o que levaria consumidores a pagarem por uma assinatura de conexão? – e a conta final deve mesmo sobrar para os clientes. Tanto que outra linha defendida é a cobrança proporcional ao uso das redes.

“Nós mimamos os clientes. Damos as coisas muito facilmente”, disse o presidente da operadora russa VimpelCom, Jo Lunder, ao defender que os usuários de equipamentos móveis paguem mais. O presidente da Telefónica, Santiago Fernandez Valbuena, fez coro ao sustentar que as empresas são muito generosas.

“O desafio é fazer os consumidores entenderem que se querem alta qualidade, altas velocidades, devem pagar mais. Temos que focar em quanto volume está sendo usado, educar [os clientes] para que eles não usem demais. Veremos planos de tarifas relacionados a velocidades e volumes”, afirmou Lunder.

E se o Google é o grande alvo, Eric Schmidt, presidente da empresa, também foi um astro no palco do Mobile World Congress. Na sua apresentação - como keynote - o executivo garantiu que todas as tentativas para controlar a rede com regulações, em alusão aos textos como a lei SOPA, "vão fracassar" porque "a internet e a tecnologia vão encontrar seus caminhos".

Sobre a explosão de dados, Schmidt também foi taxativo. "Se hoje já há um grande consumo, imagina quando os 5 bilhões de pessoas que estão fora da rede entrarem". E numa estocada nas teles, o presidente do Google, apesar de prometer smartphones com custo abaixo de US$ 100, ressaltou que "os celulares inteligentes são parte da solução, mas não resolvem todo problema. Ainda faltam infraestruturas para tornar a conexão mais viável", referindo-se claramente aos chamados países emergentes, entre eles, o Brasil.

*Com informações da Cnet

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 


:: Leia também:

:: 31/03/2015 09:45
Mais da metade das empresas brasileiras não exige troca de senha dos funcionários

:: 30/03/2015 15:45
Ataques DDoS multiplicam e incidentes superam a casa de 1 milhão no Brasil

:: 30/03/2015 14:22
PROTESTE: Internautas ficam sem a velocidade contratada na banda larga fixa

:: 30/03/2015 11:50
BB Tecnologia vai contratar até 590 terceirizados por cinco anos

:: 30/03/2015 10:40
Empresa nacional busca lugar na prevenção aos ataques cibernéticos

:: 27/03/2015 17:30
GVT ultrapassa a marca de 3 milhões de clientes banda larga

:: 27/03/2015 13:00
Consolidação: "É melhor fazer do que falar", diz presidente da Oi

:: 26/03/2015 18:10
Brasil precisa produzir hardware e software em Telecom

:: 26/03/2015 16:40
Governo quer 100 milhões de novos acessos banda larga até 2018

:: 26/03/2015 14:11
STJ decide que Google só fornece IP se ofendido apresentar URLs




Outras matérias desta seção:

ANTERIOR
Nokia Siemens encerra contrato com a Oi e corta 3.500 empregos

PRÓXIMA
TV Paga: Sky convoca assinantes a pressionarem STF contra nova lei



Cobertura Especial Futurecom 2014
5G: tudo é uma questão de dinheiro e poder

Fornecedores venderam durante o Mobile World Congress a chegada do 5G em 2020, mesmo sem uma discussão efetiva de padronização. E a razão é simples: é preciso rever o modelo do ecossistema de infraestrutura de rede. Vender mais e com qualidade para sobreviver à mudança. Para as teles, o momento é de repensar estratégias. As OTTs incomodam e impõem mudanças.

Cobertura Especial World Mobile Congress 2015Veja mais da cobertura do World Mobile Congress 2015


Consolidação: "É melhor fazer do que falar", diz presidente da Oi

Bens reversíveis e a definição do Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com a Anatel são considerados temas relevantes na estratégia de crescimento da Oi. Investimentos para 2015 só serão conhecidos após a assembleia geral de acionistas, que deverá acontecer no final de abril.


Brasil precisa produzir hardware e software em Telecom

"Somos o 5º mercado consumidor do mundo de serviços de telecom, mas precisamos ir muito além", sustentou o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini. Ele criticou o sistema tributário. "Precisamos de um pacto para superar esse malfadado sistema de cobrança de ICMS, essencial para os Estados, mas desagregador na economia".


Lei das Antenas passa e prevê licenciamento automático após 60 dias

Aprovado pelo Senado, o projeto também resolve a adequação de milhares de torres e abre espaço para uma regulamentação específica para o que chama de “infraestrutura de telecomunicações de pequeno porte”, que não precisarão de licenças para serem instaladas.


Amos Genish, da GVT, vai assumir o comando da Vivo/Telefônica no Brasil

Antonio Carlos Valente vai para a presidência do Conselhor de Administração. O CEO, Paulo Cesar Teixeira, sai da empresa.

» Com condicionantes, CADE aprova compra da GVT pela Telefônica



Sob pressão, empresas admitem descuido com os seus apps

Usuário exige rapidez na entrega e testes são relegados a um segundo plano.

» Investimentos em 4G vão superar os US$ 193 bilhões na América Latina


Automação inteligente - reduzindo a complexidade e os custos da rede
:: Por Nelson Wang*

Cobertura em vídeo do Convergência Digital

Veja as coberturas especiais do Convergência Digital



Veja edição 11 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 11

Na discussão sobre o que vai prevalecer — fibra óptica ou rádio — na construção das infraestruturas, vence quem souber explorar o que cada tecnologia tem de melhor a oferecer.

Veja também: Cidades Digitais: Governo convoca provedores; A transição da IANA foi destaque no ICANN#51; Billing das coisas: quando cobrar certo será o diferencial; e muito mais.

Clique aqui para ver outras edições

VII Seminário TelComp 2014 - Cobertura especial do Convergência Digital
Banco Mundial: Empresas brasileiras estão atrasadas no uso das TICs

Instituição está fazendo um estudo global para avaliar o impacto da economia digital, que será conhecido no 2º semestre de 2015. Mas já dados coletados. Entre eles, um significativo: As mulheres são as grandes beneficiadas pelo maior uso das TICs
CDTV Banda larga: Teles erram e Anatel fala em controle de danos
CDTV TelComp: Precisamos criar uma nova GVT no Brasil
Clique aqui e veja a cobertura completa do evento




Convergência Digital no Facebook Convergência Digital no Twitter RSS do Convergência Digital Newsletters do Convergência Digital
Copyright © 2005-2015 Convergência Digital
Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Este Sítio Web é acessível via IPv6!