Cloud ComputingConvergência Digital
Padronização da nuvem é 'arma' no combate à guerra cibernética

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
:: Convergência Digital :: 16/01/2012

Especialistas de TI e provedores de serviços em nuvem estão esperançosos sobre a evolução do novo programa federal do governo dos Estados Unidos que estabelece padrões de segurança para cloud computing. Ao mesmo tempo, apontam potenciais problemas. Para um especialista em segurança, o programa representa a última chance para o fortalecimento da segurança cibernética.

Há um mês, o governo Obama lançou o FedRAMP (Federal Risk and Authorization Management Program), que estabelece padrões de segurança para a oferta de serviços e produtos em nuvem, além de uma base de controle. O objetivo é reduzir o custo e o tempo gasto com ações redundantes de segurança e autorizações.

“O padrão dará às agências governamentais e organizações um modo fácil de adquirir autorizações para nuvens públicas e provadas, o que significa que elas podem começar a usar a nuvem mais rapidamente do que pelos processos anteriores”, explica Dan Philpott, especialista em segurança da informação e membro do Cloud Security Alliance.

Com o FedRAMP, um provedor de serviços em nuvem poderá obter a autorização com apenas uma agência, e esta será aceita pelas outras. Se uma agência tiver requisitos adicionais, o provedor precisará demonstrar capacidade para atender apenas estes requisitos, o que representa um modelo mais ágil.

A abordagem “faça uma vez, use várias” prometida pelo FedRAMP deve economizar muito dinheiro, público e privado, pela redução do número de certificações exigidas. Esta é a expectativa de Jennifer Kerber, vice-presidente de políticas de segurança da TechAmerica, em Washington.

O problema, lembra ela, será se um grande número de agências federais exigir requisitos adicionais. “Se o certificado não for aceito por nenhuma delas, então as empresas terão que pagar extras para obter a certificação. Aí não tenho certeza se vale a pena”, diz.

Alan Paller, diretor de pesquisa do SANS Institute, é bastante crítico em relação ao FedRAMP, que ele vê como uma última oportunidade. “O padrão poderá ser o ponto de partida para permitir que o governo lidere pelo exemplo na área de segurança cibernética, mostrando como fazer as coisas do modo certo. O FedRAMP criaria esta oportunidade porque ele será exigido na contratação”, diz.

Mas Paller afirma que as autoridades perderam esta oportunidade, ao criar um guia que não exige as seis medidas básicas para oferecer segurança efetiva, incluindo o uso de configurações comuns de segurança e a implementação de monitoramento e mitigação diários. “Ao invés disso, o guia pede às pessoas para escrever relatórios que podem simplesmente ser ignorados”, diz.

Elementos
As autoridades da Casa Branca esperam que o padrão esteja operacional em junho, depois de completar uma série de passos, incluindo a publicação de controles de segurança e do conceito de operações. O esforço do governo segue em prática. Tanto que foi anunciado os requisitos de controles de segurança, que são baseados na publicação especial NIST 800-53 Revisão 3 e incluem controles que atendem riscos únicos associados à computação em nuvem, como o compartilhamento de máquinas e recursos.

Um dos componentes chave do FedRAMP são as organizações de avaliação de terceiros (3PAOs), que vão avaliar os requisitos de segurança nas implementações dos provedores de nuvem. O escritório de planejamento do programa planeja publicar uma lista inicial de 3PAOs certificados no segundo trimestre.

Em resposta aos críticos do programa, uma autoridade envolvida disse que o FedRAMP vai avaliar e autorizar soluções em nuvem com base na implementação de controles de segurança NIST SP 800-53 e na validação independente de um 3PAO certificado. “Uma vez que estas soluções estejam avaliadas e autorizadas, o FedRAMP vai coordenar o monitoramento contínuo com as agências federais com o objetivo de dar a elas a habilidade de enxergar posturas de risco em uma solução em nuvem, em tempo real”, disse.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

 Matérias relacionadas com o assunto Cloud Computing  

:: 20/03/2015 09:55
Nordeste vai certificar profissionais para computação em nuvem

:: 18/03/2015 14:37
Ford e Microsoft unem nuvem e carro conectado

:: 17/03/2015 16:20
Dropbox: alerta para vulnerabilidade no Android

:: 13/03/2015 11:14
Santander Brasil se diz pronto para a nuvem pública

:: 09/03/2015 15:33
Unicamp terá MiniCloud pública com a IBM

:: 09/03/2015 13:24
Nuvem privada reina na cloud brasileira

:: 25/02/2015 16:59
Cloud é foco da Interactive Intelligence na América Latina

:: 23/02/2015 09:33
Nokia usa potencial do rádio em solução de cloud

:: 10/02/2015 16:14
Big data: para não doer no bolso e na alma

:: 06/02/2015 16:36
Santander entra na briga pelo serviço na nuvem

Opinião
Dados pessoais proporcionais ao poder
:: Alberto Esteves Ferreira Filho e Andreia de Andrade Gomes *


VídeosMais vídeos




Destaques

Duas em cada três empresas brasileiras estão indo para a nuvem

Certificações passam a ser diferencial na escolha do provedor.


CIOs: pensem além do dia de hoje

Cloud computing entrou no radar dos gestores de TI, mas muitos pensam nela para resolver problemas imediatos.


Falta maturidade e apenas 10% das empresas brasileiras adotam o big data

Mas 29% dizem que vão investir ainda em 2015.


Big data puxa projeto de Internet das Coisas no Brasil

Mesmo com a preferência dos CIOs pela nuvem privada, a nuvem pública deverá crescer 50% esse ano. A compra de dispositivos móveis representará cerca de 45% dos investimentos de TI.


Interoperabilidade entre nuvens desafia gestores de TI

Pesquisa revela ainda que a nuvem pública não está nas prioridades de investimentos.


Copyright © 2005-2015 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.