Cloud ComputingConvergência Digital
Padronização da nuvem é 'arma' no combate à guerra cibernética

Convergência Digital - Hotsite Cloud Computing
:: Convergência Digital :: 16/01/2012

Especialistas de TI e provedores de serviços em nuvem estão esperançosos sobre a evolução do novo programa federal do governo dos Estados Unidos que estabelece padrões de segurança para cloud computing. Ao mesmo tempo, apontam potenciais problemas. Para um especialista em segurança, o programa representa a última chance para o fortalecimento da segurança cibernética.

Há um mês, o governo Obama lançou o FedRAMP (Federal Risk and Authorization Management Program), que estabelece padrões de segurança para a oferta de serviços e produtos em nuvem, além de uma base de controle. O objetivo é reduzir o custo e o tempo gasto com ações redundantes de segurança e autorizações.

“O padrão dará às agências governamentais e organizações um modo fácil de adquirir autorizações para nuvens públicas e provadas, o que significa que elas podem começar a usar a nuvem mais rapidamente do que pelos processos anteriores”, explica Dan Philpott, especialista em segurança da informação e membro do Cloud Security Alliance.

Com o FedRAMP, um provedor de serviços em nuvem poderá obter a autorização com apenas uma agência, e esta será aceita pelas outras. Se uma agência tiver requisitos adicionais, o provedor precisará demonstrar capacidade para atender apenas estes requisitos, o que representa um modelo mais ágil.

A abordagem “faça uma vez, use várias” prometida pelo FedRAMP deve economizar muito dinheiro, público e privado, pela redução do número de certificações exigidas. Esta é a expectativa de Jennifer Kerber, vice-presidente de políticas de segurança da TechAmerica, em Washington.

O problema, lembra ela, será se um grande número de agências federais exigir requisitos adicionais. “Se o certificado não for aceito por nenhuma delas, então as empresas terão que pagar extras para obter a certificação. Aí não tenho certeza se vale a pena”, diz.

Alan Paller, diretor de pesquisa do SANS Institute, é bastante crítico em relação ao FedRAMP, que ele vê como uma última oportunidade. “O padrão poderá ser o ponto de partida para permitir que o governo lidere pelo exemplo na área de segurança cibernética, mostrando como fazer as coisas do modo certo. O FedRAMP criaria esta oportunidade porque ele será exigido na contratação”, diz.

Mas Paller afirma que as autoridades perderam esta oportunidade, ao criar um guia que não exige as seis medidas básicas para oferecer segurança efetiva, incluindo o uso de configurações comuns de segurança e a implementação de monitoramento e mitigação diários. “Ao invés disso, o guia pede às pessoas para escrever relatórios que podem simplesmente ser ignorados”, diz.

Elementos
As autoridades da Casa Branca esperam que o padrão esteja operacional em junho, depois de completar uma série de passos, incluindo a publicação de controles de segurança e do conceito de operações. O esforço do governo segue em prática. Tanto que foi anunciado os requisitos de controles de segurança, que são baseados na publicação especial NIST 800-53 Revisão 3 e incluem controles que atendem riscos únicos associados à computação em nuvem, como o compartilhamento de máquinas e recursos.

Um dos componentes chave do FedRAMP são as organizações de avaliação de terceiros (3PAOs), que vão avaliar os requisitos de segurança nas implementações dos provedores de nuvem. O escritório de planejamento do programa planeja publicar uma lista inicial de 3PAOs certificados no segundo trimestre.

Em resposta aos críticos do programa, uma autoridade envolvida disse que o FedRAMP vai avaliar e autorizar soluções em nuvem com base na implementação de controles de segurança NIST SP 800-53 e na validação independente de um 3PAO certificado. “Uma vez que estas soluções estejam avaliadas e autorizadas, o FedRAMP vai coordenar o monitoramento contínuo com as agências federais com o objetivo de dar a elas a habilidade de enxergar posturas de risco em uma solução em nuvem, em tempo real”, disse.

Enviar por e-mail   ...   Imprimir texto
 

 Matérias relacionadas com o assunto Cloud Computing  

:: 19/11/2014 17:03
Startups Open Source na mira da Microsoft

:: 17/11/2014 16:22
Brasil: PMEs querem a nuvem

:: 13/11/2014 15:45
Futebol + nuvem: Microsoft e Real Madrid se unem no Brasil

:: 12/11/2014 17:10
Nuvens múltiplas: realidade em 2015?

:: 06/11/2014 11:03
Nuvem pública resiste à pressão com o suporte do consumidor final

:: 05/11/2014 17:26
Explosão de dados: tráfego de data center chegará a 553 exabytes na AL

:: 05/11/2014 16:15
Integração: maior desafio para o uso da nuvem

:: 04/11/2014 10:02
Desenvolvedores serão o carro-chefe da nuvem pública

:: 30/10/2014 16:21
CFO abre o bolso para as compras digitais

:: 28/10/2014 17:40
Microsoft e Open Stack são novas frentes da EMC

Soluções de TI Simples
Profissional descuidado põe em risco o BYOD

2015 é classificado como um ano 'perigoso' para os gestores da Segurança da Informação.

» Brasil tem escola para o cibercrime
» Wi-Fi público: Você está consciente dos riscos?
» Brasil segue sem política de segurança para BYOD

Opinião
Sobrecarga de dados – um problema, muitas soluções
:: Por Nelson Wang*


VídeosMais vídeos




Destaques

Cientista de dados não é um analista de negócio

Especialista ganha corpo e destaque na estratégia das corporações.


Nuvem ainda está fora dos planos de muitas empresas no Brasil

Pesquisa, feita com 400 companhias, mostra que boa parte delas não quer usar cloud.


Big data: Uso dos 'dados vivos' vira obra de arte

Artista inglesa diz que interesse pelos dados veio pós-denúncias de Edward Snowden.


Para gestores de TI, nuvem corporativa é muito cara no Brasil

Executivos dizem ainda que já sofreram violação de dados por culpa parcial do provedor de nuvem.


Big data vai crescer seis vezes mais que TI até 2018

Expectativa é que o mercado movimente US$ 41,5 bilhões nos próximos quatro anos.


Copyright © 2014 Convergência Digital            Todos os direitos reservados.            É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.