Clicky

Anatel rejeita pedido das móveis e encerra consulta sobre 6 GHz para WiFi

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/01/2021 ... Convergência Digital

A Anatel encerrou à meia-noite do domingo 24/1 a consulta pública 82, na qual foi discutida a proposta que destina toda a faixa de 6 GHz para o uso não licenciado. Tal medida favorece o uso de equipamentos como os roteadores WiFi e foi aplaudida por pequenos provedores, empresas de internet e fabricantes de componentes. 

Já as operadoras móveis e fornecedores de equipamentos de redes de telecomunicações insistiram na defesa de que a agência reserve a maior parte dessa fatia do espectro e aguarde o potencial uso futuro desse recurso em aplicações móveis, como talvez o 5G. 

A proposta consiste na destinação dos 1200 MHz entre de 5,925 GHz e 7,125 GHz para, como mencionado, o uso não licenciado. E é a resposta regulatória à nova geração WiFi, o WiFi 6E, que promete conexões de 10 Gbps. E com ela o Brasil alinha-se à opção feita, por exemplo, pelos Estados Unidos. 

A proposta é apoiada por entidades como Abranet e Abrint, que representam pequenos provedores de serviços de telecom, por empresas como a Oi, que centram a estratégia na internet fixa, e também por grandes empresas da web, como Facebook, Google, Microsoft, Apple, e fabricantes de componentes, como Intel, Qualcomm, Cisco. Radiodifusores e empresas de satélite também preferem a destinação a sistemas não licenciados. 

De modo geral, esse grupo aponta para os ganhos de inclusão digital com redes WiFi de nova geração. “É um passo crucial para a eliminar a brecha digital no Brasil. Facilita a disponibilização do acesso à banda larga a um baixo custo, assegurando que os cidadãos e as empresas brasileiras possam se beneficiar ao máximo da mais recente e mais avançada tecnologia não licenciada disponível”, aponta a Dynamic Spectrum Alliance, que reúne o campo pró-WiFi.

O ecossistema da telefonia celular – GSMA, Vivo, Claro, TIM, além de fabricantes como Huawei – prefere que dos 1200 MHz em debate, apenas 500 MHz fiquem para os sistemas não licenciados, de forma que os demais 700 MHz seja guardados para o futuro uso pelos celulares, como fez a União Europeia. 

Na verdade, esse campo até preferiria contar com a faixa toda para a telefonia móvel, como sugere a contribuição da Associação GSM (GSMA), ao apontar que “São Paulo não precisaria apenas de 700 MHz de espectro de 6 GHz para 5G, mas, em certos cenários, a cidade precisaria de toda a faixa – 1,2 GHz de espectro”.

Apesar de pedidos da GSMA, Vivo, Claro e TIM, além da Petrobras - preocupada com a recepção de VSATs em áreas de exploração - a Anatel entendeu que os 45 dias da consulta pública já foram suficientes. A partir das contribuições, o tema retorna para análise final do Conselho Diretor da agência. 


Internet Móvel 3G 4G
Leilão 5G: Teles aguardam por 'eventuais ajustes' no edital e pelo TCU

Em nota oficial da Conexis Brasil Digital, as teles sustentam que precisam de 'regras estáveis, claras e transparentes que garantam a livre iniciativa, segurança jurídica e regulatória do certame'.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Brasil é primeiro País a liberar uso em baixa potência para toda faixa do WiFi 6E

Anatel estuda permitir potências maiores para uso outdoor na faixa de 6 GHz, mas antes vai avaliar resultados do sistema automatizado de coordenação nos EUA. País foi o primeiro a regulamentar uso VLP e LPI. 

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

Minicom: “Queremos o 5G standalone, que é o 5G de verdade, não um 4G plus”

Ao concluir viagem à Europa e Ásia para falar com fabricantes de equipamentos, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, avisou que o governo também defende a exigência do release 16 do 3GPP no leilão da quinta geração. 

Claro e Vivo se isolam contra a exigência do 5G pleno

TIM, provedores regionais, pequenos prestadores e operadoras competitivas reforçaram aos parlamentares que 5G pleno não custa mais nem atrasa implementação no Brasil.

Anatel publica regras para fim das concessões de telefonia

Regulamento de Adaptação do STFC traz prazos e procedimentos para Oi, Telefônica, Claro, Algar e Sercomtel decidirem sobre a migração do regime público para privado. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G