21/01/2021 às 15:50
Internet


Depois de Brasil e Alemanha, Google vai remunerar notícias na França
Convergência Digital

A Google vai pagar às editoras francesas por conteúdo de notícias, anunciou a empresa nesta quinta, 21/1. Esse é um acordo firmado após vários meses de negociações entre a gigante das buscas e grupos de mídia, que são representados pelo lobby francês Alliance de la Presse d'Information Generale. 

A Google disse que negociaria licenças individuais com membros da aliança que cobrem direitos relacionados e acesso aberto a um novo serviço móvel da empresa, chamado de “News Showcase”. Os jornais seriam remunerados com base em contribuições para informações políticas e gerais, volume diário de publicações e audiência mensal na internet. 

“Após longos meses de negociações, este acordo é um passo importante, que marca o reconhecimento efetivo do vizinho direito das editoras de imprensa e o início de sua remuneração por plataformas digitais pelo uso de suas publicações online,” Pierre Louette, CEO da Jornal Les Echos, disse em um comunicado também nesta quinta-feira.

Sebastien Missoffe, CEO da Google França, disse que o acordo “confirma o compromisso da Google de compensar os editores de acordo com a lei francesa e abre novas oportunidades para nossos editores parceiros”. “Estamos felizes em contribuir para o desenvolvimento de editores de notícias na era digital, para apoiar ainda mais o jornalismo”, acrescentou. 

A Google disse no ano passado que pagaria aos editores de notícias pela primeira vez, uma mudança de rumo da gigante da internet que durante anos se recusou a fazê-lo. A empresa concordou com uma série de negócios iniciais na Alemanha, Austrália e Brasil, e agora estende para a França. 

A França foi o primeiro país a adotar novas leis de direitos autorais da União Europeia, que tornaram as plataformas digitais responsáveis por infrações. O regulador da concorrência do país decidiu no ano passado que a Google deve pagar editoras e agências de notícias para reutilizar seu conteúdo. Separadamente, a autoridade antitruste da Austrália, a Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores, também introduziu novas regras para forçar empresas como o Google e o Facebook a pagar seus editores de notícias para distribuir seu conteúdo.


Powered by Publique!