Clicky

Anatel estabelece regras de segurança cibernética para redes de telecom

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/12/2020 ... Convergência Digital

A Anatel aprovou nesta quinta, 17/12, um novíssimo ‘Regulamento de Segurança Cibernética Aplicada ao Setor de Telecomunicações’, em movimento que sinaliza competência do regulador para preservar a integridade das redes, ainda que faça menção a eventuais medidas adicionais “na esfera governamental”. 

Com ele, além de uma série de procedimentos a serem observados pelas operadoras – mas que poderão ser estendidos aos próprios fornecedores de equipamentos – a agência cria um ‘Grupo Técnico de Segurança Cibernética e Gestão de Riscos de Infraestrutura Crítica’, ou simplesmente GT-Ciber, com status de superintendência, para operacionalizar as novas regras e servir de interface com as empresa. 

“A Anatel utilizará uma abordagem prévia, geral e universal que, com cautela, procurará afastar das redes e infraestruturas de suporte os elementos que, por não estarem de acordo com as normas e protocolos, representem potenciais riscos à segurança e integridade delas”, apontou o presidente da agência, Leonardo de Morais, ao apresentar o voto-vista que complementou a proposta inicial de Moisés Moreira. 

Em grandes linhas, o regulamento de segurança cibernética determina que as empresas devem: 

1) elaborar, implementar e manter política de Segurança Cibernética; 

2) utilizar, em suas redes, produtos e equipamentos provenientes de fornecedores que adotem políticas de segurança cibernética compatíveis com os princípios e diretrizes dispostos no Regulamento e que realizem processos de auditoria independente periódicos; 

3) alterar a configuração padrão de autenticação dos equipamentos fornecidos em regime de comodato aos seus usuários, tais como modems e pontos de acesso; 

4) informar sobre os incidentes relevantes à Anatel e aos usuários e compartilhar informações com outras operadoras; 

5) realizar ciclos de avaliação de vulnerabilidades; 

6) enviar à Anatel informações sobre suas Infraestruturas Críticas de Telecomunicações. 

Formalmente, trata-se de uma proposta que busca estimular não apenas equipamentos seguros, mas a adoção de padrões, processos e mesmo arquiteturas de redes que tenham a segurança cibernética como pilar de seu próprio desenvolvimento e implantação. Tecnicamente o instrumento basilar de atuação do regulador se dá na certificação e homologação de equipamentos. Mas um olhar sobre as novas redes definidas por software, como o 5G, também incorporou a necessidade de reavaliações periódicas. 

Há, porém, dois aspectos que não transparecem necessariamente na minuta de Regulamento mas são evidenciados no voto condutor da decisão. De um lado, o cuidado em separar a competência técnica da agência para enfrentar os riscos cibernéticos nas redes de telecom de eventuais decisões “na esfera governamental” por motivos diversos. 

“Independentemente de serem ou não estabelecidas restrições em matéria de cibersegurança por outras esferas governamentais – qualquer que seja sua origem, natureza e fundamento –, a atuação do Regulador de Telecomunicações e os seus instrumentos regulatórios são expressão de suas competências técnicas”, diz o voto. 

Mas também há um recado importante na análise que subsidia o regulamento. Ela mostra a gradativa concentração no mercado fornecedor de infraestrutura. Se no 2G havia 14 fornecedores, o número caiu para 11 no 3G, para 8 no 4G e contempla no máximo 7 no 5G: Ericsson, Fujitsu, Huawei, NEC, Nokia, Samsung e ZTE. Desses sete, apenas três detém mais de 75% das redes brasileiras. 

“Não se trata de apontar qual seria uma ‘quantidade ótima’ de competidores nesse mercado, mas é certo que a condição oligopolista impõe pressão adicional sobre sua estabilidade, com efeitos sobre a capacidade e a velocidade de disponibilização de novas tecnologias e, por fim, sobre o preço final do serviço ao consumidor”, diz o voto. É praticamente um desenho. 

O GT-Ciber, a ser comandado por um superintendente a ser indicado, terá participação das prestadoras com poder de mercado significativo. Mas entre suas primeiras missões está a avaliação, em 150 dias após ser criado, se a abrangência das regras de cibersegurança devem ser ampliadas para “as prestadoras ainda não abrangidas pelo Regulamento, independentemente do porte, operadoras de capacidade satelital e demais empresas do ecossistema de telecomunicações envolvidos direta ou indiretamente na gestão ou no desenvolvimento das redes e serviços de telecomunicações”. 


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Oi: fibra ótica é o chassi de suporte para Wi-Fi 6, Wi-Fi 6E e 5G

Para o VP da Oi, Carlos Eduardo Monteiro, o Brasil tem desafios a vencer para a expansão do Wi-Fi 6, como ofertar mais segurança jurídica e regulatória para os investimentos. O câmbio – já que todos os aportes e equipamentos são atrelados ao dólar – desponta como um gargalo a ser enfrentado.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

GSMA: há risco no uso do Wi-Fi 6E em ambiente outdoor

Entidade insiste na necessidade de destinar uma parte dos 1200 MHz do espectro de 6 GHz para a oferta de serviços licenciados. "Essa faixa é mais viável para atender a demanda de espectro de banda média", afirma o diretor para a América Latina na GSMA, Lucas Gallitto.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema
Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Veja mais matérias deste especial

Claro tem melhores notas no celular e TV paga, Oi concentra as piores avaliações

Pesquisa de satisfação da Anatel também mostra que Vivo vai bem no pós e mal no pré-pago, enquanto a TIM teve evolução em mais quesitos. 

Integração da Oi Móvel pela TIM começa pelas frequências e tem prazo de 12 meses

Estratégica para os planos da tele no Brasil nos próximos anos, a integração dos ativos da Oi Móvel começará 'nos dias subsequentes' à aprovação do negócio, afirmou o CEO Pietro Labriola.

Anatel estima que 5G vai custar R$ 35 bilhões no Brasil

Compromissos de cobertura previstos superam os R$ 23 bilhões. Cálculos anda precisam passar pelo crivo do Tribunal de Contas da União.  Anatel também prevê investimentos de mais de R$ 80 bilhões nos próximos 20 anos.

Governo retira exclusividade da Telebras da gestão da rede privada

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, revelou que vai alterar Decreto Presidencial para dar às teles a opção de gerenciar à rede tirarando a exclusividade até então concedida à Telebras.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G