16/12/2020 às 15:00
Telecom


TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia
Ana Paula Lobo

Mesmo mantendo o discurso de chamar o 5G DSS como 5G é um marketing, e considerado, até um risco à tecnologia, a TIM terá a tecnologia em 12 capitais, além das três cidades escolhidas para o piloto - Bento Gonçalves, no RS, Três Lagoas e Itajubá até o final deste ano. Mas o presidente da TIM, Pietro Labriola, em coletiva de imprensa, nesta quarta-feira, 16/12, reiterou a sua posição: o 5G DSS é marketing do 5G e é preciso deixar claro para o consumidor, que são tecnologias diferentes.

"O meu maior medo é queimar a tecnologia que será muito importante para as operadoras e para o futuro do Brasil. O 5G DSS não é a mesma coisa do 5G. A latência do 5G DSS é a mesma do 4G. O consumidor não pode ser enganado. Se ele se frustra com a experiência, teremos dificuldades mais à frente", advertiu Pietro Labriola. A iniciativa da TIM de ter o 5G DSS em 12 capitais será voltada 100% para a mobilidade e não para a banda larga fixa, como foram os três pilotos em Bento Gonçalves, Três Lagoas e Itajubá.

"Nós escolhemos ter a banda larga fixa nessas três cidades iniciais e distribuímos a CPE (modem) para fazer os testes. Expandindo para as grandes cidades, vamos direcionar para a mobilidade, mas deixando claro onde tem cobertura e em que partes. A TIM foi a única operadora com antena 5G homologada na Anatel até agora. Mas não vamos forçar o cliente a comprar um aparelho de R$ 10 mil. Quem tiver esse aparelho e quiser usar o 5G DSS, o fará. Não teremos a banda larga fixa porque são áreas mais densas e não vemos mercado nesse momento. Mas como disse o Pietro, vamos ser transparentes e deixar claro que o 5G DSS não é 5G", reforçou o CTIO, Leonardo Capdeville.

O calendário para o 5G DSS da TIM foi assim definido:  a partir deste mês, clientes da operadora em São Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Curitiba poderão ter acesso, sem custos adicionais, à tecnologia. Até março, a expansão englobará ainda pontos em Brasília, Salvador, Fortaleza, Recife, Belém, Campinas, Santos e Florianópolis.

Em cada uma das cidades, as áreas de cobertura englobam alguns dos mais relevantes marcos, como o Esplanada dos Ministérios (Brasília), o Circuito Barra Ondina em Salvador, o Parque do Ibirapuera e a Avenida Paulista, em São Paulo e o Parque dos Patins, no Rio de Janeiro. Ao todo, serão dezenas de pontos distribuídos pelos municípios.




Powered by Publique!