Clicky

Convergência Digital - Home

Amazon acusa corrupção ao pedir anulação de contrato do Pentágono com Microsoft

Convergência Digital
Convergência Digital* - 16/12/2020

A Amazon, dona da AWS, formalizou o pedido judicial para que seja anulado o contrato de computação em nuvem de US$ 10 bilhões firmado pelo Pentágono com a Microsoft. Na ação, a empresa acusa que a escolha da rival foi uma “decisão falha e politicamente corrompida”. 

Ao longo dessa disputa, a empresa já alegara que houve influência do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no que chamou de “pressão imprópria” sobre o Departamento de Defesa (DoD) dos EUA para conceder à Microsoft o contrato da Joint Enterprise Defense Infrastructure Cloud (JEDI). 

Na ação, a Amazon alega que o contrato deve “ser invalidado porque é produto de parcialidade sistemática, má-fé e influência indevida exercida pelo presidente Trump”, segundo reportagem publicada nesta quarta, 16/12. 

Em comunicado, a Microsoft rebateu as alegações da concorrente e afirmou que “os funcionários de compras de carreira do DoD decidiram que, dadas as vantagens técnicas superiores e o valor geral, continuamos a oferecer a melhor solução”.

Também em comunicado, a Amazon Web Services disse que, como resultado da revisão feita pelo Pentágono em setembro, “o diferencial de preços oscilou substancialmente, com a AWS agora sendo a oferta de menor preço em dezenas de milhões de dólares".  

Vale lembrar que um pedido liminar da Amazon foi concedido ainda em fevereiro deste ano para suspender temporariamente o negócio. Agora o tribunal está considerando moções para rejeitar a reclamação emendada da Amazon que foi apresentada pelo governo e pela Microsoft. As moções não foram tornadas públicas e não está claro quando o juiz poderá decidir.  

A briga judicial começou ainda em novembro de 2019, quando a Amazon decidiu questionar o contrato entre o Pentágono e a Microsoft. É uma disputa que envolve a política uma vez que Donald Trump faz críticas rotineiras ao dono da Amazon, e portanto da AWS, Jeff Bezos, uma vez que ele também é proprietário do jornal Washington Post, historicamente mais inclinado aos Democratas que aos Republicanos. 

No novo processo, a Amazon alega que Trump e sua administração "intensificaram uma campanha de interferência e retribuição contra aqueles no DoD considerados desleais ao presidente ou capazes de chegar a conclusões contrárias a seus interesses pessoais".  A empresa argumentou que a última revisão do Pentágono foi "crivada de erros ainda mais flagrantes do que aqueles que afetaram a premiação inicial" e que o Pentágono "manipulou suas avaliações a um grau que desmente qualquer fachada de racionalidade."  


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Destaques
Destaques

Justiça do DF diz que dados em nuvem não têm proteção contra quebra de sigilo

Para o relator do caso, "dados armazenados em nuvem não evidenciam uma comunicação de dados" e, por isso, não estariam protegidos pela legislação. 

"Chegamos para brigar com AWS, Google e Azure na nuvem pública", diz José Nilo, da Huawei

Empresa monta o seu segundo data center no Brasil, em local não revelado por segurança, e diz que vai também aumentar presença na oferta de Kubernetes e contêineres, hoje dominada pela Red Hat, da IBM.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A Covid-19 e o governo digital

Por Marcos Boaglio*

A digitalização impõe adotar uma cultura de inovação na qual se fomente a experimentação, derrubar barreiras a partir de novos veículos de aquisição e implementar uma classificação de dados moderna, assim como desenvolver capacidades para empoderar os trabalhadores para finalmente aproveitarem as novas tecnologias.

Dados, quem sabe usar, sobrevive. Quem não sabe, fica fora da corrida!

Por Douglas Scheibler*

Se tem algo que não falta para 2021, são perguntas. Quando teremos a vacina eficaz para a Covid-19? Poderemos encerrar o isolamento social? Retomaremos nossas rotinas normais? Tudo isso ainda não tem resposta. Mas o que norteará a tomada de todas estas decisões, além de muitas outras nos ambientes social, empresarial e pessoal, serão dados. E em relação aos dados, já há tendências bem evidentes.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site