Clicky

Home - Convergência Digital

Ceitec, no RS, tem estrutura para produzir chips 5G

Luís Osvaldo Grossmann - 15/12/2020

Em que pese o movimento do governo Bolsonaro em fechar as portas do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada, na estatal do chip há uma certa animação com um recente movimento da indústria mundial de semicondutores, que envolve a substituição do tradicional silício pelo nitreto de gálio, por conta da cada vez mais crescente demanda por dispositivos 5G. 

Isso porque o Ceitec, instalado em Porto Alegre-RS, é das poucas fábricas no planeta consideradas viáveis para a produção de chips com o nitreto de gálio. É que o processo atual dessa tecnologia específica exige lâminas menores que o padrão moderno de 300 milímetros. Por questões ligadas ao material, esses wafers precisam ficar entre 100 e 200 milímetros no máximo. 

O Ceitec utiliza lâminas de 150 mm, coincidentemente o mesmo tamanho da recém inaugurada fábrica que a holandesa NXP Semiconductors instalou nos Estados Unidos para, exatamente, atender a demanda por chips de 5G. Além disso, os chips com nitreto de gálio têm entre 100 e 2 mil nanômetros. E o Ceitec produz chips de 600 nanômetros. 

O uso do nitreto de gálio está em evidência por ser capaz de suportar 10 vezes mais voltagem do que o silício e se tornar, assim, particularmente relevante para a nova geração de tecnologia de telecomunicações por melhor atender a necessidade de dispositivos de alta potencia ou alta frequência. Nesse estágio, porém, ainda é fornecido por pouquíssimos fabricantes globais. 

Mas o potencial é animador. Projeções da consultoria francesa de tecnologia avançada Yole Développement indicam que esse mercado que envolve o uso de chips de nitreto de gálio deve superar os US$ 2,5 bilhões (R$ 12 bilhões) até 2025. 

Não quer dizer que basta girar uma chave e o Ceitec sai produzindo chips de nitreto de gálio. Seriam necessárias adequações na planta. O detalhe é que é uma fábrica em que essa mudança é possível, ao contrário das unidades que lidam com wafers maiores. Mais do que isso, chama a atenção no momento em que o plano de fechar o Ceitec pode custar mais caro que manter a empresa funcionando e com chances reais de se adaptar a uma nova onda tecnológica que está apenas começando. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

09/04/2021
Bolsonaro faz primeira vídeo chamada com 5G

07/04/2021
Brasil está fora dos países liberados pela Espanha para o Mobile World Congress

06/04/2021
Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

06/04/2021
TCU discute 5G no Brasil, em evento fechado, nos dias 08 e 09 de abril

01/04/2021
Verizon fecha primeiro contrato de 5G privado no Reino Unido

29/03/2021
Telefônica escolhe IBM para RAN aberto na Argentina

26/03/2021
Chip único surge como estratégico para o 5G

25/03/2021
5G vai exigir investimentos de 300 bilhões de euros na Europa

24/03/2021
Ericsson fez megaestoque de componentes para produzir 5G no Brasil

24/03/2021
5G é a política pública para acabar com o gap digital no Brasil

Destaques
Destaques

Highline se propõe a comprar licença 5G e oferecer espectro como serviço para ISPs

A proposta da empresa, explicou Luis Minoru, diretor de estratégia e novos negócios, é o de oferecer toda a infraestrutura na modalidade de serviço. Já há testes em andamento, não revelados, para o funcionamento da modalidade que inclui a operação de telefonia móvel.

Cobertura 4G chegou a 85% da população mundial, mas metade dela seguiu sem acesso à Internet em 2020

Levantamento da União Internacional de Telecomunicações mostra que a principal razão da exclusão digital é o alto preço do serviço diante da receita do consumidor. "Houve uma queda nos preços, mas precisa cair muito mais para termos um futuro melhor", pontuou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Com rede sujeita a apagões, qual impacto do 5G na energia no Brasil?

Por Pedro Al Shara*

Segundo pesquisa da Vertiv, fornecedora de equipamentos e serviços para infraestrutura crítica, um aumento da ordem de 150% a 170% no consumo energético é projetado no setor de Telecom até 2026. Com toda a inovação que o 5G representa, mais dispositivos poderão acessar a internet móvel ao mesmo tempo, utilizando o mesmo sinal.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site