Clicky

Home - Convergência Digital

Huawei: 5G e nuvem são estratégicos para o mercado financeiro

Da redação do 5x5 TecSummit - 10/12/2020

O 5G e a nuvem são temas que devem ser considerados como prioridades entre as companhias do mercado financeiro. Durante sua participação no evento online 5×5 TecSummit, Airton Melo, diretor de vendas e negócios da Huawei, explicou que atualmente há casos de uso com aplicações para os negócios na quinta geração de redes móveis.

“O 5G é um assunto quente no mundo. Temos casos interessantes para o usuário final e para os negócios. Recentemente, fizemos um lançamento do 5G em Goiás no agronegócio. O 5G entrou em uma rede privada em uma parceria com uma grande operadora (Claro)”, disse o executivo nesta quinta-feira, 10. “O 5G ajuda a aumentar a velocidade e a eficiência operacional. Com latência baixa, recursos de banda, e computer edge, abre a possibilidade de mercado de pagamento e permite o uso da inteligência artificial (nos negócios). Pode trazer vantagens ao setor de seguros, com geolocalização melhorada”, exemplificou.

Citando casos de uso da Huawei com clientes na China, Melo lembrou que há “uma agência bancária do futuro com 5G” em protótipo. Voltada ao público jovem, esta unidade em teste usa realidade aumentada para oferecer crédito de carro ou casa.

Cloud

Novamente apresentando o exemplo do mercado bancário chinês, o diretor da fornecedora afirmou que o momento é de troca de sistemas e aplicações legadas para soluções mais atualizadas, em nuvem híbrida. Segundo Melo, 70% das ferramentas de Mainframe no País estão mudando para a nuvem.

“Se pensar em agilidade, flexibilidade e custo baixo, nuvem é algo inevitável hoje (para o mercado financeiro)”, disse. “Existe uma grande tendência na China de usar cada vez mais uma nuvem híbrida. E os bancos estão movendo de uma forma ágil. A adoção leva um tempo, pois em alguns casos, as aplicações (legado) precisam ser reescritas. Como Cobol e Mainframe”, concluiu.

5×5 TecSummit

O evento 5×5 TecSummit é organizado pelos portais Convergência Digital, Mobile Time, Tele.Síntese, Teletime e TI Inside, com a proposta de debater a modernização de cinco setores essenciais para a economia brasileira. Nesta sexta-feira, 11, o evento termina com uma discussão sobre o impacto da tecnologia na indústria de entretenimento. Inscreva-se gratuitamente. As apresentações passadas, sobre os setores de governo, saúde, energia e finanças já estão disponíveis.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/12/2020
Claro: Hábitos da quarentena transformaram as redes móveis

11/12/2020
Ericsson: É hora de transformar casos de uso do 5G em modelos de negócio

11/12/2020
Connectoway: Empresas de Internet precisam de mais CDNs

11/12/2020
Furukawa: redução de latência passa por uma boa infraestrutura de fibra e nuvem

11/12/2020
Dynatrace: sistemas na nuvem são dinâmicos e de complexa monitoração

11/12/2020
SAS: pandemia obrigou sistema financeiro a recalibrar seus algoritmos

11/12/2020
Diebold Nixdorf: Dinheiro em espécie não vai morrer tão cedo

11/12/2020
Itaú moderniza 1 petabytes de Banco de Dados com a Oracle

10/12/2020
Claro: serviços financeiros serão personalizados e vendidos em marketplaces

10/12/2020
Huawei: 5G e nuvem são estratégicos para o mercado financeiro

Destaques
Destaques

WEG testa planta piloto com 5G privado standalone da Nokia

Iniciativa conta com a parceria da ABDI e da Anatel, uma vez que duas radiofrequências serão avaliadas:uma, abaixo de 6 gigahertz (GHz), e, outra, mais alta, entre 27,5 GHz e 27,9 GHz.

5G será muito mais B2B e vai injetar R$ 13,5 bilhões no mercado nos próximos dois anos

Finalmente o 5G entrou na lista das dez previsões para os mercados de Tecnologia e Informação e Telecomunicações da IDC para 2021/2022. Consultoria prevê que a receita virá de novos negócios com IA, IoT, cloud, segurança, robótica e realidade aumentada e virtual.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site