Clicky

INTERNET

NIC.br completa 15 anos com mais de 4,5 milhões de domínios registrados

Convergência Digital ... 07/12/2020 ... Convergência Digital

Você pode até não saber o que significa a sigla NIC.br, mas toda vez que digita na barra de endereços do navegador algum site terminado em ".br", é o NIC que faz você atingir aquele sítio. E essa é apenas uma pequena parte de uma história repleta de conquistas e marcada por ações que buscam aprimorar a qualidade da infraestrutura e do uso Internet no país.

A sigla NIC é tradicional na Internet e significa Network Information Center. Na forma aportuguesada tornou-se o Núcleo de Informação e Coordenação do .br (NIC.br), responsável por administrar os nomes de domínios terminados em .br e pela alocação dos números ASN ("autonomous system numbers") e endereços IP (Internet Protocol, versões 4 e 6) no território nacional.

Há 15 anos, em 5 de dezembro de 2005, o CGI.br formalizou a transição integral do controle dessas operações ao NIC.br "Recentemente, batemos 4,5 milhões de domínios '.br'. Somos um dos maiores registros do mundo e seguimos numa operação muito sólida", comemora Demi Getschko, diretor-presidente do NIC.br e um dos pioneiros da Internet no Brasil.

Grande parte do reconhecimento do NIC.br, uma instituição privada e sem fins luvrativos, é explicado pelo modelo de operação da entidade, onde os recursos advindos do registro de domínios são empregados, não apenas no aperfeiçoamento da infraestrutura do DNS, visando sempre manter liderança tecnológica e em segurança, mas também nas mais diversas atividades que contribuem com o fortalecimento e desenvolvimento dessa rede no país. "Esse modelo é muito elogiado no exterior, dado que nossas ações na Internet têm crescido, e busca-se imitá-lo. Outros registros no mundo procuram seguir a mesma linha precursora" destaca.

Hartmut Richard Glaser, secretário executivo do CGI.br, que também esteve envolvido com a fase inicial da Internet aqui no Brasil, em especial quando os registros de domínios .br que eram feitos à época na Fapesp, passaram por automatização, reforça a atuação do NIC.br: "O Brasil tem uma governança da Internet reconhecida internacionalmente. Com os recursos arrecadados, além de realizar o registro de domínios .br e a alocação dos endereços IP, desenvolve muitas outras atividades, apoiando projetos de melhoria da qualidade da Internet no Brasil".

E é com essa verba que são mantidos o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil ( CERT.br ); o Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação ( Cetic.br ); o Centro de Estudos e Pesquisas em Tecnologia de Redes e Operações ( Ceptro.br ); o Centro de Estudos sobre Tecnologias Web ( Ceweb.br ) e o IX.br . Todos eles compõem o NIC.br, que fornece ainda suporte técnico e operacional ao Registro de Endereços da Internet para a América Latina e Caribe (LACNIC) e hospeda o W3C Chapter São Paulo , principal organização de padronização da World Wide Web.

Com entusiasmo, Getschko fala da evolução da entidade e elenca algumas das vitórias acumuladas ao longo dos anos. "Há muito o que destacar! Nosso conjunto de Pontos de Troca de Tráfego, por exemplo, figura entre os principais do mundo. O de São Paulo é o maior Internet Exchange do planeta. Neste ano, batemos dez terabits por segundo. O Cetic.br produz estatísticas comparáveis internacionalmente e é reconhecido mundo afora como um centro de excelência na produção de indicadores TIC relacionados ao contexto brasileiro; o CERT.br também tem reconhecimento global pelo trabalho de aumentar a capacidade de tratamento de incidentes no Brasil; o Ceweb.br desempenha um papel fundamental para disseminar e promover o uso de tecnologias abertas na Web; e por meio do Ceptro.br promovemos a adoção do IPv6 tão importante para o futuro da Internet, e disponibilizamos gratuitamente o SIMET, medidor de banda larga gratuito, entre outras dezenas de ações".

O começo

A raíz da trajetória do NIC.br encontra-se em abril de 1989, quando o domínio ".br" foi delegado por Jon Postel (IANA) aos que operavam, na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), redes acadêmicas brasileiras. O ".br" era usado para identificar o crescente número de máquinas, à época basicamente do ambiente acadêmico. A Internet começaria a operar por aqui em 7 de fevereiro de 1991.

Em 1995, foi criado o CGI.br, um comitê multissetorial responsável por estabelecer diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da Internet no Brasil. Com o tempo, ficou clara a necessidade de se ter um braço institucional separado do que havia na Fapesp, para implementar com autonomia as ações e projetos do Comitê Gestor. Cinco anos depois, iniciou-se o processo de desvinculação do .br da Fundação e, em 2003 o NIC.br ganhava um CNPJ.

A última virada de chave aconteceu em dezembro de 2005, quando o NIC.br assumiu formalmente também a recepção dos recursos oriundos do registro sob o .br e da distribuição de números IP. Com isso, a entidade passou a ter funcionários próprios, fortalecer seus centros, e pode desenvolver e implementar a estrutura que tem hoje.


Revista Abranet 33 . jan-mar 2021
Veja a Revista Abranet nº 33
A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais impõe a contratação de um DPO (Data Protection Officer), profissional que tende a ficar cada vez mais requisitado e valorizado... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

E-mails falsos representam 91% das ameaças cibernéticas detectadas em 2020

Estudo mostra que foram detectadas 119 mil ameaças cibernéticas por minuto ao longo do ano passado. Também revela que os ataques aos dispositivos domésticos cresceram 210%.

TJSP multa app de transporte em R$ 3 mil por cobrança indevida de R$ 500

A 20ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve condenação da 99 Táxis, após cobrança pelo motorista em maquiná de cartão de R$ 532 por corrida. 

Ceará está proibido de impedir teles de bloquearem acesso à Internet ao fim da franquia de dados

Lei cearense foi considerada inconstitucional por decisão majoritária dos ministros do Supremo Tribunal Federal. O STF diz que confere à União, a competência privativa de dispor sobre telecomunicações.

STF decide que direito ao esquecimento não se aplica no Brasil

Em caso com repercussão geral, Supremo também fixou tese de que o conceito é incompatível com a Constituição Federal. 

Justiça manda Facebook remover críticas ao uso de máscaras contra a Covid-19

Rede social deve tirar do ar vídeo que questiona a validade de um decreto municipal, em Santa Catarina, que obriga o uso de máscaras pela população para evitar a propagação do novo coronavírus. 



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G