Clicky

NEGÓCIOS

Stefanini compra unidades de detecção de fraude online e de software da Diebold Nixdorf no Brasil

Convergência Digital* ... 03/12/2020 ... Convergência Digital

A Stefanini anunciou nesta quinta-feira, 03/12, a aquisição das unidades de negócio de detecção de fraude on-line e de software local da Diebold Nixdorf Brasil, com foco na prevenção de fraude de comércio eletrônico e automação de canal. A aquisição foi aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). As empresas não divulgam os termos financeiros do acordo. Vale destacar que a Diebold Nixdorf continuará oferecendo suas soluções bancárias e de varejo líderes no mercado brasileiro, mantendo abrangentes canais de serviços em todo o País.

Com experiência de 18 anos no sistema financeiro e instalado em milhões de dispositivos, a suíte OFD (Online Fraud Detection) viabiliza o e-commerce, oferecendo a melhor solução para usuários e consumidores de transações eletrônicas baseadas na web via Desktop, Celular e ATM. Ou seja, o software pode ser instalado em qualquer canal da estrutura bancária, incluindo dispositivo móvel, desktop ou caixa eletrônico, por exemplo, para detectar eventos associados a possíveis fraudes - desde clonagem de cartão de crédito até movimentações financeiras não usuais via dispositivo móvel.

“A suíte OFD complementa nossa torre financeira, que hoje é liderada pela Topaz, empresa do Grupo Stefanini que possui um núcleo bancário completo, com grande benefício de segurança e eficiência em relação a seus concorrentes, pois inclui modelos de pagamento, combate à lavagem de dinheiro, e flexibilidade para criar produtos que atendam às demandas específicas dos clientes”, afirma Marco Stefanini, fundador e CEO Global do Grupo Stefanini. Além da unidade de prevenção de fraudes, a Stefanini adquiriu alguns ativos relacionados à automação de canais de atendimento, que incluem soluções de agência/caixa, autoatendimento, mobile banking, internet banking, abertura de contas em plataforma móvel, compensação de cheques, solução biométrica e troca de chaves.

De acordo com Elias Rogério da Silva, presidente da Diebold Nixdorf no Brasil, a empresa decidiu vender o OFD e a unidade de software local relacionada para aumentar o foco em seus centros de desenvolvimento mundial - incluindo suas ofertas globais do software Vynamic, que já atendem e continuarão a atender clientes brasileiros. “A Diebold Nixdorf continuará sua forte presença no Brasil, e seu trabalho como líder absoluto do mercado de soluções bancárias, incluindo hardware, software e serviços de ATM”, destaca o presidente. Após a venda, a Diebold Nixdorf também planeja trabalhar em colaboração com o Grupo Stefanini como um fornecedor de soluções digitais para continuar atendendo às necessidades gerais dos clientes bancários no Brasil.


Cloud Computing
Microsoft investe R$ 111 bilhões para comprar empresa de IA

A companhia anunciou a aquisição da Nuance Communications, especializada em uso de inteligência artificial com reconhecimento de voz. Compra só perde para a do LinkedIn feita em 2016 por US$ 26,2 bilhões.

Intelsat contrata e abre centro de suporte a clientes no Brasil

Para o centro brasileiro, localizado no Rio de Janeiro, a empresa de satélite contratou 10 funcionários, que serão responsáveis pelo atendimento a clientes no país e em toda a América Latina.

Competitividade: o mantra do Brasil no jogo da economia digital

Em entrevista à CDTV, o executivo falou sobre os três objetivos estratégicos para 2021: reforma tributária digna para desonerar o emprego; formação de talento e medidas para garantir o uso intensivo de dados.

Produção setorial de TIC foi de R$ 506,5 bilhões em 2020

Apesar da crise econômica agravada pela Covid-19, o setor de TI e Comunicação cresceu 2.4% no ano passado, de acordo com dados da Brasscom. O segmento de software e serviços gerou R$ 216,1 bilhões, com crescimento de 5,1% e o de telecom, R$ 240,5 bilhões, mas com uma queda de 0,4%. Setor respondeu por 6,8% do PIB nacional.

Software brasileiro tem futuro ameaçado por falta de pessoas qualificadas

"O Brasil não tem de ser um celeiro de mão de obra, um BPO. Temos de fazer tecnologia. Mas falta política pública. Em 20 anos, nada aconteceu", lamenta o CEO da Plusoft, Solemar Andrade.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G