Clicky

INTERNET

Senado volta a pedir penas mais duras aos crimes cometidos pela Internet

Luís Osvaldo Grossmann* ... 26/11/2020 ... Convergência Digital

Em tempos de política movida a tuítes e postagens em redes sociais, agravada pela pandemia de Covid-19 e sessões de votação inteiramente remotas, o Senado Federal voltou a avançar sobre os crimes cometidos com uso da internet para considerá-los mais graves do que se realizados no mundo físico. 

Na noite de quarta, 25/11, aprovaram o Projeto de Lei 4554/20, que tem como mote agravar penas de crimes já previstos no Código Penal, no caso, invasão de dispositivo, furto e estelionato, empurrados por palavras de ordem do tipo “está na hora de conter essa criminalidade”, bravejadas pelo senador Lasier Martins (Podemos-RS). 

Nessa onda, os senadores aprovaram que a invasão de um dispositivo informático, que por enquanto prevê pena de três meses a um ano, passa a ser punida com reclusão de um a quatro anos. Ou seja, para os senadores, o crime merece condenação muito mais severa que a invasão de domicílio, que tem pena de detenção de um a três meses. 

Com essa mesma lógica, o crime de furto, que no Código Penal tem pena de reclusão de um a quatro anos, ganha como agravante ter sido cometido “por meio de dispositivo eletrônico ou informático” – nesse caso, a pena prevista vai para reclusão de quatro a oito anos. 

Igualmente, no crime de estelionato, a pena que é de reclusão de um a cinco anos vai para de quatro a oito anos se for cometido com informações obtidas “por meio de redes sociais, contatos telefônicos, ou envio de correio eletrônico fraudulento”. 

Até houve quem tentasse alertar para a evidente distorção. “A banalização do Direito Penal como solução para todos os males que o Brasil enfrenta precisa ser rebatida. O crime de furto é de médio potencial ofensivo, com pena de um a quatro anos. O projeto estabelece qualificadora com pena de quatro a oito anos de reclusão e multa, o que me parece desproporcional em relação a outros crimes, como corrupção e sonegação fiscal, cuja pena mínima é de dois a três anos. Não podemos criar distorções e desbalanceamento em relação a outros tipos penais”, destacou o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). 

Alvaro Dias (Podemos-PR), também tentou chamar a atenção dos colegas. “O projeto tem dois meses no Senado. O relator teve tempo exíguo para o relatório, não poderia aprofundar o conhecimento da matéria e submeter ao Plenário um produto pronto e acabado. O correto seria uma discussão mais aprofundada, apesar da urgência do momento da pandemia, em que se verifica aumento de fraudes com uso dos meios eletrônicos.” 

Não adiantou. Aprovado, o PL 4554/20 segue para a Câmara dos Deputados. 

* Com informações da Agência Senado


Revista Abranet 32 . set-nov 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
O ano de 2020 marca os 25 anos da internet comercial no Brasil e confirma que ela é fundamental para a economia e a vida cotidiana. PIX, Wi-Fi 6, LGPD, white spaces, numeração para SCM... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

LGPD: Passou da hora de as empresas contratarem seus DPOs

A adverência é feita pela advogada especializada em direito digital, Patrícia Peck. "Não basta arrumar a casa para estar protegido. A falta de uma liderença para cuidar da LGPD é um erro grave", pontuou.

ISPs vão massificar o Wi-Fi 6 no Brasil

Diretor da Associação Brasileira de Internet, Evair Galhardo, sustenta que 5G e Wi-Fi 6 são complementares, mas admite que por ser usada em faixa não licenciada, o Wi-Fi 6 vai se multiplicar muito mais rápido no País.

Para PGR, TV paga pela internet não exige cotas nem canais obrigatórios

Em ação de produtores independentes, Augusto Aras sustenta que STF não pode modificar interpretação técnica da Anatel de que a Lei do Seac não se estende à internet. 

NIC.br completa 15 anos com mais de 4,5 milhões de domínios registrados

"Somos um dos maiores registros do mundo e seguimos numa operação muito sólida", comemora Demi Getschko, diretor-presidente do NIC.br e um dos pioneiros da Internet no Brasil.

STJ: É possível responsabilizar Google por postagem no Orkut anterior ao Marco Civil

Em caso ocorrido antes da vigência da Lei 12.965/14, o Superior Tribunal de Justiça considera ser válida notificação extrajudicial para remoção de conteúdo, em caso que pede indenização por dano moral. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G