Clicky

Sem saber onde vão chegar, teles focam em redes neutras para dividir investimentos

Luís Osvaldo Grossmann ... 24/11/2020 ... Convergência Digital

Ao discutirem a crescente adesão à ideia de “redes neutras”, operadoras de telecomunicações admitem que ainda não há muita clareza de onde esse movimento vai chegar. Há quem defenda que essa suposta neutralidade pare no poste em frente às residências, ou quem aposte que vale a pena entregar essa possibilidade até dentro das casas. Também tem quem veja espaço de diferentes níveis de serviço, ou quem entenda que o serviço precisa ser igual para todos. 

Assim apontaram empresas como Oi, TIM e American Tower ao discutir as redes neutras em debate online promovido nesta terça, 24/11, pelo portal Teletime. Em comum mesmo, a identificação de um novo veículo para dividir o peso dos investimentos em fibra óptica, atraindo fundos para compartilhar o financiamento de infraestruturas que se tornaram fundamentais para serviços fixos de banda larga, mas também em preparação ao 5G. 

“Quando se pensa em redes abertas, é compartilhamento de infraestrutura. A questão é que agora se tem a possibilidade de monetizar esse compartilhamento. Em dois terços do backbone nacional da TIM, a propriedade primária é de outra operadora. Por que construir fibra em trecho se outra operadora já possui fibra lançada? O mercado de ‘escambo’ foi o início dessa maturidade, de observar que existe ineficiência em um país que ainda tem muita necessidade de infraestrutura. E que também é possível monetizar esse veículos de infraestrutura. O que começou como redução de custo passou a ser opção de rentabilização”, apontou o diretor de tecnologia da TIM, Leonardo Capdeville. 

Como admitiu o diretor de Estratégia e Transformação da Oi, Rogério Takayanagi, o caso da tele é ainda mais evidente de solução de partilha financeira. “No caso da Oi, que está em processo de recuperação judicial, força a transformação da companhia. A empresa precisa fazer escolhas. A posse da infraestrutura era um diferencial competitivo, era uma grande alavanca. Mas assim como aconteceu com as torres, passou a ser um centro de custo que disputava recurso nas empresas. O que era vantagem, ser monolítica e multisserviços, no novo modelo passa por uma focalização muito grande. Especialmente se você tem um balanço estressado, não consegue fazer tudo. E percebemos que geraríamos mais valor com separação estrutural do que manter integrado no fixo.”

Nessa mesma linha, o diretor de estratégia e desenvolvimento de negócios da American Tower, Abel Camargo, reforça a rede neutra como uma resposta financeira. Mas com uma visão um pouco distinta por entender que o modelo exige de fato neutralidade completa, talvez mais complexa de se materializar quando ao lado das várias ‘infracos’ que vão sendo construídas permanece o desejo de ser operador de varejo. 

“Tem uma pressão sobre o balanço das empresas, a necessidade de investimento para ampliar rede de acessos a outras cidades, fora dos grandes centros, que ainda exige muito ‘capex’. Surge aí uma oportunidade para que investidores de infraestrutura olhem para esse modelo de rede aberta. Mas é muito difícil olhar investimento sobre onde se tem dúvida de como se dará o compartilhamento. O importante para o investidor de infraestrutura é a neutralidade da rede. Ela não pode depender de um cliente só, mas de dois, três, quatro, quanto mais clientes compartilhando, maior a chance de sucesso.”

Talvez por isso as grandes teles reconheçam que o destino desse movimento ainda não seja claro. Ou, como resumiu Takayanagi, “ainda não se sabe qual será o modelo vencedor. Estamos desenvolvendo diferentes modelos de negocio até para testar e ver qual será o vencedor”. 


Internet Móvel 3G 4G
5G privado para o B2B faz Telefônica fazer teste com rede open source TIP

Apetite das teles pelo 5G empresarial fez operadora, dona da Vivo, aderir a um grupo de trabalho para desenvolver uma arquitetura mais flexível em relação às operações tradicionais. Nova infraestrutura vai incorporar o OpenRAN. Testes em laboratórios serão em Madrid. Os de campo vão acontecer em Málaga, mas a operadora não revela cronograma de datas.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Oi: fibra ótica é o chassi de suporte para Wi-Fi 6, Wi-Fi 6E e 5G

Para o VP da Oi, Carlos Eduardo Monteiro, o Brasil tem desafios a vencer para a expansão do Wi-Fi 6, como ofertar mais segurança jurídica e regulatória para os investimentos. O câmbio – já que todos os aportes e equipamentos são atrelados ao dólar – desponta como um gargalo a ser enfrentado.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

GSMA: há risco no uso do Wi-Fi 6E em ambiente outdoor

Entidade insiste na necessidade de destinar uma parte dos 1200 MHz do espectro de 6 GHz para a oferta de serviços licenciados. "Essa faixa é mais viável para atender a demanda de espectro de banda média", afirma o diretor para a América Latina na GSMA, Lucas Gallitto.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema
Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Veja mais matérias deste especial

Integração da Oi Móvel pela TIM começa pelas frequências e tem prazo de 12 meses

Estratégica para os planos da tele no Brasil nos próximos anos, a integração dos ativos da Oi Móvel começará 'nos dias subsequentes' à aprovação do negócio, afirmou o CEO Pietro Labriola.

Anatel estima que 5G vai custar R$ 35 bilhões no Brasil

Compromissos de cobertura previstos superam os R$ 23 bilhões. Cálculos anda precisam passar pelo crivo do Tribunal de Contas da União.  Anatel também prevê investimentos de mais de R$ 80 bilhões nos próximos 20 anos.

Governo retira exclusividade da Telebras da gestão da rede privada

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, revelou que vai alterar Decreto Presidencial para dar às teles a opção de gerenciar à rede tirarando a exclusividade até então concedida à Telebras.

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G