Clicky

Home - Convergência Digital

Oi avalia 5G para usar 3,5 GHz em banda larga fixa

Luís Osvaldo Grossmann - 13/11/2020

Mesmo com a continuidade do plano de vender tudo o que for possível até o fim de 2021, a Oi indicou nesta sexta, 13/11, que ainda avalia participar do leilão do 5G, previsto para o próximo ano no Brasil, mas como reforço ao foco no serviço fixo: usar a faixa de 3,5 GHz para conexões wireless na ‘última milha’. 

“Estamos analisando. Enquanto a gente não fechar a transação de móvel, nossa operação móvel vai ser independente, e dessa forma vamos considerar a participação no 5G e já temos plano com relação ao que fazer caso a transação seja fechada. É importante lembrar que se a faixa de 3,5 GHz vai ser importante no negócio móvel, também será importante para oferecer serviço wireless em áreas que a densidade para oferecer fibra em varejo ainda não existe”, apontou o presidente da Oi, Rodrigo Abreu. 

Ao apresentar os resultados trimestrais da operadora nesta sexta, 13/11, Abreu reconheceu que a alternativa não é a de melhor retorno, mas pode ser importante como estratégia complementar. “Será menos eficiente, ou com retorno um pouco menos positivos em relação a levar fibra. Então 5G pode ser uma opção para esse tipo de acesso. Podemos considerar a decisão de participar ou não do leilão.”

No mais, mesmo que não dispute as novas fatias de espectro, a Oi espera que a implantação do 5G proporcione ganhos ao que chama de ‘InfraCo’, a operação focada em redes de fibra resultante da alienação das demais unidades de negócio. 

“No 5G, existe um segundo componente, que seria positivo ter um resultado do leilão para trazer o uso da fibra para essa discussão. Acelerar o 5G também vai acelerar os serviços de fibra da InfraCo”, concluiu Rodrigo Abreu. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/06/2021
Sem móvel, Oi quer ser provedor de Open RAN na infraestrutura

16/06/2021
É hora de cumprir a promessa do 5G

15/06/2021
Ministro das Comunicações ataca teles por causa do 5G DSS

15/06/2021
Itaú Unibanco e Vivo Empresas testam agência bancária com 5G

14/06/2021
5G e Inteligência Artificial são estratégicos para suportar investimentos no Brasil

14/06/2021
Anatel abre consulta sobre convivência entre 5G e satélites

11/06/2021
Oi Soluções amplia oferta de serviço de segurança na nuvem

09/06/2021
IBM: Com 5G e Edge, redes das teles serão plataformas definidas por software

07/06/2021
Inmarsat vai à justiça contra 3,5GHz exclusivo para 5G na Holanda

02/06/2021
Minicom leva TCU aos EUA para aparar arestas com relação ao leilão 5G

Destaques
Destaques

IBM: Com 5G e Edge, redes das teles serão plataformas definidas por software

Só assim as operadoras de telecomunicações vão ser capazes de suportar as novas aplicações e terão como monetizar volumes crescentes de dados habilitados para o 5G e edge aponta estudo global da IBM, conta a líder de serviços de consultoria para a indústria de mídia e Telecomunicações da IBM América Latina, Marisol Penante.

GSMA faz ofensiva para reverter decisões a favor do Wi-Fi na faixa de 6GHz

Associação da indústria móvel admite, porém, que os países, na sua maioria, estão decidindo por dar a faixa de 6GHz, com 1200 Mhz, para os serviços não-licenciados, mas adverte: o 5G vai precisar de 2GHz de espectro na próxima década para oferecer todo o seu potencial.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços de Valor Agregado são a aposta das teles para lucrar com 5G

Por Luiz Pereira*

Em tempos nos quais o serviço de conexão já virou commodity, companhias do setor precisam diversificar ofertas para aproveitarem nova tecnologia.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site