Clicky

Claro: análise de rede permite ir além da oferta de conectividade

Por Roberta Prescott* ... 11/11/2020 ... Convergência Digital

A Claro trabalha com networks analytics desde o início de sua rede, principalmente no caso da móvel, que nasceu com plataformas de contadores de uso e de consumo de recursos, explica André Sarcinelli, diretor de Engenharia da empresa. "Desde a nossa origem, analisar os dados das redes sempre foi fundamental para a nossa evolução", afirma.

O entendimento dos dados da rede direciona a companhia desde a alocação de investimentos à compreensão dos desejos e necessidades do cliente. "Por isso, a network analytics é importante em várias etapas do negócio, como a definição de onde expandir ou aumentar a capacidade de rede ou a correta interpretação do comportamento de uso dos nossos serviços", assinala Sarcinelli.

Na área de engenharia, network analytics já migrou de prover insights de rede (infraestrutura) para insights de serviços. O próximo passo, diz ele, é gerar informação para self healing, ou seja, a própria rede tomando decisões de autoconfiguração, correção e resiliência à medida que o tráfego consome seus recursos ou na reconfiguração automática de seus elementos no caso de um rompimento de fibra ou falha em uma plataforma.

"Com a evolução da tecnologia e a transformação digital, aceleramos ainda mais a adoção de soluções como big data e machine learning. A variedade e o alto volume de informações tornam necessária uma infraestrutura robusta para otimizar os resultados, combinando soluções com o objetivo de capturar, armazenar, analisar e disponibilizar esses dados", aponta.

O foco da Claro ao adotar soluções para análise das redes tem sido garantir uma elevada experiência para os clientes com os serviços, otimizando, assim, seus investimentos. "A combinação de dados e soluções nos abre inúmeras possibilidades. Além do desenvolvimento de aplicações com foco em novos produtos e serviços e da evolução da eficiência operacional da rede, passamos a transformar esse conhecimento em inovação e desenvolvimento de novos negócios", acrescenta Sarcinelli. Ele avalia que a Claro, apesar de já ter evoluído no uso de dados e analytics em rede, ainda está no início da jornada. "Há bastante espaço para progredir."

Big data e analytics

Há cerca de três anos, a Claro investiu na criação do que chamou de Centro de Big Data e Analytics (CBDA) e estruturou o conceito, abolindo silos e gerando valor por meio da correlação dos dados de rede com outras informações de negócio. "Estamos continuamente inovando em soluções e aplicações baseadas em dados, mas vale ressaltar que também estamos transformando nosso jeito de trabalhar, tornando-nos cada vez mais ágeis e integrados", enfatiza. "Gostamos sempre de destacar que, por trás dos dados e algoritmos, existem seres humanos, elementos essenciais para garantir o desenvolvimento e a implementação dessas soluções", acrescenta. O desafio atual é gerar cada vez mais escala e consolidar a cultura de dados na organização.

Os projetos baseados em analytics são desenvolvidos a partir de um caso de uso, alguma solução que se deve desenvolver para resolver algum problema ou capturar uma nova oportunidade. A partir daí, são montados grupos multidisciplinares, integrando profissionais de negócios, tecnologia, processos e dados. "A união de pessoas com conhecimentos e experiências distintas, em busca de um objetivo único, é o principal segredo do sucesso, antes mesmo da utilização das tecnologias", aponta.

Os dados de utilização e tráfego de rede podem ser utilizados com diversos objetivos, como desenvolver e adequar as ofertas de produtos e serviços e criar projetos de eficiência operacional. "Temos desenvolvido diversas soluções em todas essas frentes, como projetos de expansão de rede fixa e móvel, adequação de planos de banda larga e telefonia móvel. Também estamos investindo em soluções com foco em eficiência de manutenção e capex [sigla em inglês para despesas de capital ou investimento em bens de capital] da rede", diz Sarcinelli.

Para ele, network analytics é vital para as telcos, uma vez que permite entregar soluções inovadoras que vão além da conectividade, bem como criar alternativas que podem apoiar diversas outras empresas na expansão de seus negócios. "Estamos abertos para compartilhar com nossos parceiros todo esse novo leque de oportunidades", adianta.


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Oi: fibra ótica é o chassi de suporte para Wi-Fi 6, Wi-Fi 6E e 5G

Para o VP da Oi, Carlos Eduardo Monteiro, o Brasil tem desafios a vencer para a expansão do Wi-Fi 6, como ofertar mais segurança jurídica e regulatória para os investimentos. O câmbio – já que todos os aportes e equipamentos são atrelados ao dólar – desponta como um gargalo a ser enfrentado.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

GSMA: há risco no uso do Wi-Fi 6E em ambiente outdoor

Entidade insiste na necessidade de destinar uma parte dos 1200 MHz do espectro de 6 GHz para a oferta de serviços licenciados. "Essa faixa é mais viável para atender a demanda de espectro de banda média", afirma o diretor para a América Latina na GSMA, Lucas Gallitto.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema
Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Veja mais matérias deste especial

Claro tem melhores notas no celular e TV paga, Oi concentra as piores avaliações

Pesquisa de satisfação da Anatel também mostra que Vivo vai bem no pós e mal no pré-pago, enquanto a TIM teve evolução em mais quesitos. 

Integração da Oi Móvel pela TIM começa pelas frequências e tem prazo de 12 meses

Estratégica para os planos da tele no Brasil nos próximos anos, a integração dos ativos da Oi Móvel começará 'nos dias subsequentes' à aprovação do negócio, afirmou o CEO Pietro Labriola.

Anatel estima que 5G vai custar R$ 35 bilhões no Brasil

Compromissos de cobertura previstos superam os R$ 23 bilhões. Cálculos anda precisam passar pelo crivo do Tribunal de Contas da União.  Anatel também prevê investimentos de mais de R$ 80 bilhões nos próximos 20 anos.

Governo retira exclusividade da Telebras da gestão da rede privada

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, revelou que vai alterar Decreto Presidencial para dar às teles a opção de gerenciar à rede tirarando a exclusividade até então concedida à Telebras.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G