Clicky

Home - Convergência Digital

Huawei: OpenRAN é complexo e pode atrasar o 5G no Brasil

Ana Paula Lobo - 06/11/2020

O OpenRAN - tecnologia de redes abertas - está sendo testado pelas operadoras nacionais como uma alternativa efetiva para o 5G, mas a Huawei, que vive um momento delicado por conta da disputa com os Estados Unidos, de Donald Trump - insiste que o OpenRAN é um risco e pode atrasar o 5G no Brasil. Em entrevista ao Convergência Digital, o gerente de soluções wireless da Huawei Brasil, Bruno Ribeiro, lembra que o OpenRAN trabalha com diferentes fornecedores, diferentes sistemas e traz uma complexidade à manutenção das redes 5G.

"Ainda tem a questão da interoperabilidade com o 4G, além de já estar comprovado que o consumo de energia elétrica é de quatro a cinco vezes maior, além de exigir muito mais equipamentos", adiciona. A Huawei defende o SingleRAN, que é o acesso tradicional para a rede de acesso móvel, como a melhor opção para o 5G por uma série de motivos, entre eles, observa Bruno Ribeiro, o fato de os equipamentos serem compactos.

"É bom lembrar que aqui no Brasil não é fácil instalar uma torre, uma antena. Muita burocracia. O OpenRAN exigirá adequações às torres existentes. E cada município tem a sua regra, apesar da Lei Geral das Antenas", afirmou o executivo.  Questionado se a Huawei não está ficando para trás pelo fato de não trabalhar com o OpenRAN, Bruno Ribeiro, garantiu que a fabricante chinesa sempre estará à frente da tecnologia.

"Se o OpenRAN mostrar vantagens, a Huawei vai reavaliar, mas temos convicção que o SingleRAN é o melhor caminho para o 5G", sinalizou. O gerente de soluções wireless da Huawei Brasil observa que o SingleRAN é agnóstico e é compatível com todas as tecnologias existentes no mercado. "E funciona integrado com a cloud computing e com a inteligência artificial", reforça.

O maior risco do OpenRAN, insiste Bruno Ribeiro, é atrasar a implantação do 5G no Brasil pela complexidade de implementação. Segundo ele, as operadoras que estão apostando em edge computing, com os dados descentralizados, têm um diferencial competitivo para ter um 5G comercial mais rápido na faixa de 3,5GHz, quando o leilão acontecer.

A maior surpresa com relação ao 5G, acredita, poderá vir da implementação de spots 5G fora dos ditos grandes centros para atender projetos de B2B como as fábricas inteligentes e à agricultura inteligente nas áreas rurais. "O 5G será B2C, mas terá um mar de oportunidades no B2B e todas as operadoras se preparam para essa demanda", completa Bruno Ribeiro.





Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/01/2021
De saída, Trump amplia bloqueio à Huawei e revoga licenças para componentes

15/01/2021
Teles querem deixar migração das parabólicas para depois do leilão 5G

11/01/2021
Consumidor abre mão de acesso 5G por bateria com mais duração

05/01/2021
Brasileiro será CEO global da Qualcomm a partir de junho

18/12/2020
Abinee: Diferença de custo entre migração e mitigação no 5G é menor do que apontam teles

16/12/2020
Capdeville, CTIO da TIM: "Usamos equipamentos chineses há vinte anos e não há nada que desabone a rede brasileira"

16/12/2020
TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

15/12/2020
Ceitec, no RS, tem estrutura para produzir chips 5G

11/12/2020
Algar Telecom testa OpenRAN em centro de 5G criado pela IBM, Flex e FIT

09/12/2020
Ericsson: Governos estão limitando e colocando o 5G em risco

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Edição de genes: como o 'reparo' do DNA pelo CRISPR impulsionará a Agricultura

Por Eduardo Prado*

Técnica permite o 'reparo' do DNA com altíssima precisão, o que permite, por exemplo, consertar 'mutações defeituosas' do DNA. A aparecimento da técnica deu um grande alento para o tratamento de doenças genéticas complexas. Estima-se que 6.000 doenças genéticas são causadas por mutações defeituosas, e apenas 5% delas pode ser tratada atualmente (sic!) ..


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site