Clicky

PGR ignora modelos de software como serviço ao defender incidência de ICMS no STF

Luís Osvaldo Grossmann ... 30/10/2020 ... Convergência Digital

O Supremo Tribunal Federal começou a julgar duas ações diretas de inconstitucionalidade (1945 e 5659) que discutem a legalidade da cobrança de ICMS sobre software, tendo em vista que programas de computador já recolhem ISS. Enquanto o mercado alega que medidas estaduais nesse sentido constituem bitributação, a Procuradoria Geral da República sustentou que o imposto deve ser cobrado. 

O curioso é o argumento. O procurador-geral da República em exercício, Humberto Jacques de Medeiros, defendeu que softwares devem ser considerados mercadoria e não serviço. Segundo ele, o próprio STF “firmou jurisprudência” no sentido de que incide ICMS em operações com o que chamou de ‘software de prateleira’, como tratou “programas vendidos em série”. Já o ISS incidiria sobre “softwares desenvolvidos por encomenda direta do adquirente”. 

“A jurisprudência esclarece um parâmetro inteligente no divisor da fronteira sobre mercadorias e serviços no plano de tributação. Esta Corte constitucional estabeleceu uma baliza, e o passar dos anos não produziu de concreto nenhum elemento efetivo a autorizar uma subversão daquilo que já foi julgado”, argumentou o procurador-geral em exercício. 

A afirmação de que o passar dos anos não produziu nenhuma mudança é surpreendente. Afinal, a jurisprudência mencionada pelo PGR substituto envolve uma ação julgada em 1998. Ao indicar que “o passar dos anos não produziu nenhum elemento” novo, o argumento parece ignorar que nesses mais de 20 anos houve um desenvolvimento bastante razoável do que se conhece por internet. Deve ser por isso que ainda usa o já arcaico termo “software de prateleira”. 

A lógica da PGR é de que programas de computador são vendidos de duas maneiras: ou se adquire um software já pronto para ser instalado, ou se contrata um programa que será desenvolvido sob medida. Tal proposição sugere não apenas o desconhecimento dos novos modelos de negócios criados a partir de sistemas de computação em nuvem, como indica que a PGR sequer consultou seu próprio departamento de TI sobre o assunto. 

Afinal, não é preciso ir longe. A mais recente contratação de software pela própria Procuradoria Geral da República se deu em pregão eletrônico realizado em 23 de setembro deste 2020 – um mês antes, portanto, da sustentação no STF. Nesse pregão (69/2020), segundo informações do Comprasnet, a PGR comprou 71 licenças de uso da suíte Adobe Creative Cloud, pelas quais vai pagar R$ 1,21 milhão para poder usar o programa por 36 meses. Trata-se do que o representante da PGR chamaria de “software de prateleira”, uma vez que não foi desenvolvido especificamente para a Procuradoria. Pela lógica da sustentação no STF, a PGR acredita que comprou um produto do qual agora é dona. Vale um memorando da TI explicando que daqui a três anos esse "produto" não poderá mais ser usado legalmente. 


Cloud Computing
Vicunha Têxtil migra quase 3 mil usuários para a nuvem

Indústria têxtil escolheu a nuvem da Microsoft, a M365, e contratou a Brasoftware para fazer a implantação do projeto. Iniciativa serviu para a integração dos times na América Latina.

5x5 Tec Summit terá segunda edição de 6 a 10 de dezembro

A primeira edição do evento – que reúne os principais veículos de TIC do país – Convergência Digital, Mobile Time, Tele.Síntese, TI Inside e Teletime – registrou mais de 7 mil visitantes únicos em cinco dias de debates sobre os principais temas ligados ao governo, energia, entretenimento, saúde e finanças.

Quase um quarto dos PCs no mundo ainda usa o finado Windows 7

O sistema operacional foi descontinuado pela Microsoft em janeiro de 2020 e não recebe mais atualização e suporte às vulnerabilidades. PMEs são as maiores usuárias do sistema operacional antigo.

Netbr se une à Gluu e à openitio para ter Open Banking de código aberto

Empresas dos EUA e da Inglaterra se unem à Netbr para competir no mercado local de Open Banking.

Cade prorroga prazo para análise da aquisição da Linx pela Stone

Conselho terá até julho para julgar o ato de concentração. Stone derrotou a Totvs e pagou R$ 6,8 bilhões pela Linx.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G