Clicky

Ganho de US$ 163 bilhões no Brasil enfraquece lobby das teles para reduzir Wi-Fi 6 em 6GHz

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/10/2020 ... Convergência Digital

Enquanto operadoras móveis e fabricantes de equipamentos de rede seguem firme no lobby para reduzir a fatia disponível de espectro para o W-iFi 6 na faixa de 6GHz - há o interesse de ficar com uma 'reserva' de 500 MHz para uso futuro no 5G - estudos apresentados nesta terça, 27/10, em debate promovido pela Anatel reforçam que a ideia carece de fundamento econômico, sem falar no uso prático. 

“Se o Brasil mantiver a posição que está sendo considerada pela Anatel e alocar [como não licenciada] toda a faixa de 6 GHz, todos os 1200 MHz, isso cria um valor econômico total capaz de gerar US$ 163,36 bilhões entre 2020 a 2030”, afirmou o economista e consultor, presidente da Telecom Advisory Services, Raul Katz. 

O valor equivale a R$ 925 bilhões, sendo a maior parte dele, US$ 112,14 bilhões (R$ 635 bilhões) em potencial aumento do PIB no período, como consequência da ampliação da cobertura, preços mais acessíveis, maiores velocidades, desenvolvimento mais acelerado da internet das coisas, e no suporte aos mercados de realidade aumentada e realidade virtual.

Além disso, outros US$ 30,3 bilhões (R$ 170 bilhões) poderão ser gerados em economia no custo do tráfego para empreendimentos, além de US$ 21,19 bilhões (R$ 120 bilhões) na propensão dos consumidores a pagarem mais por velocidades ainda maiores. 

Sem surpresas, nada disso reduziu o ímpeto com que a operadora móvel presente ao debate, a TIM, insistiu em que o Wi-Fi 6 deve ficar somente com 500 MHz da faixa de 6 GHz, com o restante reservado para um futuro que, quem sabe, mostrará que esse naco tem grande utilidade para as próprias operadoras móveis. 

“A banda de 6 GHz tem 1200 MHz. Defendemos uma posição de alocar uma parte para WiFi 6, 500 MHz na parte baixa dos 1200 MHz como não licenciada. E o restante fica para ser destinado após a conferência mundial WRC de 2023, em prol de uma alocação global de espectro. Se a WRC vier a decidir que parte dessa banda é para 5G, quem sabe até 6G, a decis!ao do Brasil agora poderá ser irreversível”, defendeu o diretor de desenvolvimento de redes da TIM,  Marco Di Constanzo. A Huawei, que não estava no debate mas mandou contribuição, foi na mesma linha de que “uma vez que se a banda ficar toda destinada a uso não-licenciado o Brasil poderá ficar fora do novo core para 5G e até 6G no futuro”. 

Mas o peso dos argumentos pendeu para a destinação dos 1200 MHz em 6GHz para o Wi-Fi. E não apenas por conta dos mensurados efeitos econômicos, mas especialmente porque se trata de um uso que pode ser imediato – e que atende uma necessidade já existente.  “Temos necessidade enorme de mais espectro para WiFi do que tem hoje, as faixas de 2,4 e 5Gh já se encontram congestionadas, e isso não apenas nos grandes centros. E se percebe que os roteadores WiFi já encontram limitações para transmitir banda larga hoje. Se põe 150 Mbps tem limitações nessa entrega”, destacou o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

Como emendou a diretora de Políticas de Conectividade e Acesso do Facebook, Ana Luiza Valadares, “o WiFi 6 pode ser usufruído imediatamente, já existe em outros mercados, está nos smartphones e, enfim, permite que no mesmo local sejam conectados um número enorme de dispositivos. O mundo caminha para isso, até porque os leilões de 5G estão acontecendo com muito sucesso. Já o WiFi está parado há muito tempo no que concerne a novas disponibilidades de espectro”. 

A demanda imediata versus um futuro ainda potencial foi ressaltado pelo também economista e pesquisador do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), William Lehr. “A proposta de investimento em cobertura universal para o 5G móvel não é forte no momento. Porque no momento o que se sabe é do uso para entretenimento, filmes em smartphones, etc. Se não chegar ao ‘Smart-tal’, ou seja, rodovias inteligentes, sistemas de energia inteligentes, fábricas inteligentes, todas essas coisas, vamos acabar nos perguntando para que fazer. Porque o ‘case’ de negócios, as aplicações matadoras, que realmente requerem isso [5G] ainda não são coisas provadas. Sou otimista, mas se fosse para colocar meu dinheiro, eu não iria atrás de colocar 5G em toda parte. Melhor esse sistema que é muito mais flexível.”


Internet Móvel 3G 4G
Deutsche Telekom investe em roaming para ser global com NB-IoT

Operadora trabalha com parcerias com outras teles como Vodafone, Orange e Telecom Italia, o que abriria, por exemplo, espaço para uma parceria no Brasil com a TIM, qu tem uma forte estratégia de Internet das Coisas.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço

Definindo-se como uma empresa de software que precisa de hardware e frequência para atuar, a Mambo Wi-Fi diz que os hotspots públicos vão crescer até nove vezes até 2022 com a liberação da faixa de 6 GHz para serviços não licenciados.

Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6

“O número de aparelhos vai crescer de forma exponencial nos próximos três anos e é interessante começar a colher benefícios o mais cedo possível”, diz o vice-presidente de Gestão de Produtos da empresa, Scott Imhoff. 

Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Amazon: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E têm um casamento perfeito com o 5G
Chile vai usar Wi-Fi 6E para a universalização do acesso à internet
Wi-Fi Alliance: é possível harmonizar serviços na faixa de 6 GHz
"Se já geramos trilhões de dólares com pouca frequência, imagina com três vezes mais espectro", diz o Wireless CTO da Intel
Cisco: demanda para Wi-Fi em toda a faixa de 6 GHz já chegou
Veja mais matérias deste especial

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.

Baigorri: Esperar demanda para exigir 5G pleno é o oposto de política pública

“O desconto no valor da frequência é uma decisão de Estado para financiar o investimento. É usar recurso público para garantir que Macapá, Boa Vista e Rio Branco tenham as mesmas funcionalidades de São Paulo”, afirma o relator do 5G na Anatel, Carlos Baigorri. 

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

STF descarta ação da PGR e mantém gratuidade do direito de passagem

Maioria do Plenário acompanhou o entendimento do relator, Gilmar Mendes, de que um ordenamento unificado nacional faz parte das competências da legislação federal. Para Conexis, "STF reconheceu papel vital da conectividade".




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G