Clicky

INOVAÇÃO

Conversas gravadas, creches no trabalho e arquivo por DNA são tendências do futuro próximo, aponta Gartner

Convergência Digital ... 23/10/2020 ... Convergência Digital

O crescimento da automação, a valorização do desempenho digital, gravação de empregados, DNA como plataforma, creches no local de trabalho e uma importância cada vez maior da moderação de conteúdo são tendências que começarão a aparecer no futuro muito próximo. 

As apostas são da consultoria Gartner, que apontou suas principais previsões estratégicas para os próximos cinco anos, nas quais explora o papel da tecnologia em redefinir, reiniciar e responder a um mundo de incertezas. Em especial, destaca as seguintes: 

Em 2024, 25% dos CIOs tradicionais de grandes empresas serão responsabilizados pelos resultados operacionais de negócios digitais, tornando-se efetivamente “COO por proxy”. 

Após anos de declínio, a função de diretor operacional (COO) está ganhando destaque entre as empresas digitais nascidas. Um COO é um componente essencial para o sucesso digital, pois entende tanto o negócio quanto o ecossistema em que opera. O CIO, com um conhecimento profundo da tecnologia que facilita o impacto nos negócios, pode aumentar a eficácia da empresa ao assumir componentes da função de COO para fundir tecnologia e objetivos de negócios.  

Até 2025, 75% das conversas no trabalho serão gravadas e analisadas, permitindo a descoberta de valor ou risco organizacional agregado. 

As conversas no trabalho estão mudando das comunicações tradicionais, em tempo real e face a face, para ocorrer em soluções de reunião em nuvem, plataformas de mensagens e assistentes virtuais. Na maioria dos casos, essas ferramentas mantêm um registro digital dessas conversas. A análise das conversas que acontecem no local de trabalho será usada não apenas para ajudar as empresas a cumprir as leis e regulamentações existentes, mas também para ajudá-las a prever o desempenho e o comportamento futuros. À medida que o uso dessas tecnologias de vigilância digital aumenta, as considerações éticas e as ações que colocam os direitos à privacidade em primeiro lugar serão críticas.  

Em 2025, as tecnologias de computação tradicionais atingirão uma parede digital, forçando a mudança para novos paradigmas, como a computação neuromórfica. 

CIOs e executivos de TI não serão capazes de entregar iniciativas digitais críticas com as técnicas de computação atuais. Tecnologias como inteligência artificial (IA), visão computacional e reconhecimento de fala, que exigem um poder de computação substancial, se tornarão difundidas e os processadores de uso geral serão cada vez mais inadequados para essas inovações digitais.

Em 2024, 30% das empresas digitais exigirão testes de armazenamento de DNA, abordando o crescimento exponencial de dados prestes a superar a tecnologia de armazenamento existente. 

À medida que as necessidades de computação da humanidade evoluem, sistemas mais avançados serão necessários, capazes de adaptação radical e resiliência em ambientes complexos e hostis. O DNA é inerentemente resiliente, capaz de verificação de erros e auto-reparo, o que o torna uma plataforma de computação e armazenamento de dados ideal para uma variedade de aplicações.  

Em 2025, 40% das empresas baseadas na experiência física melhorarão os resultados financeiros e superarão os concorrentes, estendendo-se para experiências virtuais pagas. 

A capacidade cada vez maior da internet das coisas, gêmeos digitais e realidade virtual e aumentada (VR/AR) está tornando a oferta de experiências imersivas mais atraente e acessível para uma gama mais ampla de consumidores. Essa tendência foi acelerada, pois os efeitos sociais da pandemia alteraram positivamente as atitudes das pessoas em relação ao envolvimento remoto e virtual. As empresas de experiência física devem começar a construir e adquirir habilidades em disciplinas relacionadas à criação, entrega e suporte de experiências virtuais imersivas.  

Em 2025, os clientes serão os primeiros humanos a tocar em mais de 20% dos produtos e a produzir no mundo. 

As novas tecnologias estão automatizando um número crescente de tarefas humanas, uma tendência que foi hiperacelerada pela pandemia. Isso leva a novas oportunidades de repensar o design do produto, o uso de materiais, a localização das fábricas e o uso de recursos. Conforme a automação se torna o novo imperativo, os clientes se tornarão cada vez mais os primeiros humanos a tocar em produtos manufaturados e produtos agrícolas.  

Em 2025, os clientes pagarão um especialista autônomo em atendimento ao cliente para resolver 75% das necessidades de atendimento ao cliente. 

Os métodos tradicionais de atendimento ao cliente criam gargalos e pontos problemáticos para os clientes. Resolver problemas de serviço fora dos canais oficiais da empresa geralmente é mais eficaz e cria uma melhor experiência para o cliente. Em vez de entrar em contato diretamente com a empresa, os clientes recorrerão cada vez mais a profissionais autônomos de atendimento ao cliente, especialistas na tecnologia para a qual procuram assistência. Os CIOs devem buscar parceria com esses freelancers desde o início para reduzir a experiência do cliente, a marca e os riscos de monetização criados por fornecedores terceirizados de atendimento ao cliente.

Em 2024, 30% das principais organizações usarão uma nova métrica de “voz da sociedade” para atuar em questões sociais e avaliar os impactos em seu desempenho empresarial. 

A “voz da sociedade” é a perspectiva compartilhada das pessoas em uma comunidade que impulsiona o desejo de representar e mudar os valores éticos em direção a um resultado comumente aceitável. As táticas de medição de negócios estão se expandindo para incluir um foco em métricas baseadas na opinião, como a voz da sociedade, igual às métricas mais tangíveis, como taxas de cliques. Essa medição se tornará um imperativo do C-Suite para que a composição da empresa possa reagir rapidamente às mudanças sociais.  

Até 2023, as grandes organizações aumentarão a retenção de funcionários em mais de 20% por meio do reaproveitamento do espaço do escritório como creche e instalações educacionais no local. 

A demanda global de trabalhadores por assistência infantil ainda não foi atendida. Isso se tornará ainda mais desafiador na esteira do COVID-19, já que o Gartner prevê que, no início do próximo ano, uma em cada cinco creches privadas terá suas portas fechadas permanentemente. Para atender ao aumento da demanda, as grandes empresas começarão a reaproveitar os espaços vazios das instalações para ofertas com valor agregado à sociedade, como creches ou serviços educacionais. Isso aumentará significativamente a satisfação, a produtividade e a retenção dos funcionários, principalmente entre as mulheres na força de trabalho.  

Em 2024, os serviços de moderação de conteúdo para conteúdo gerado pelo usuário serão avaliados como a principal prioridade do CEO em 30% das grandes organizações. 

Com a agitação social do ano passado, a volatilidade do conteúdo nas redes sociais aumentou. Para os profissionais de marketing e anunciantes, isso cria preocupações com a segurança da marca e outros desafios relacionados. Investir em moderação de conteúdo, aplicação e serviços de relatórios será fundamental para que as empresas entendam a providência do conteúdo em seus sites.


Cloud Computing
Hospital Santa Paula faz recuperação de desastre na nuvem com Oracle

Com uma média de 120 mil pacientes no pronto atendimento, a instituição paulista modernizou sua infraestrutura de TI ao adquirir dois Oracle Exadata Machine X8-2, para produção e contingência.

Petrobras aciona o novo maior supercomputador do Brasil

Supercomputador Dragão está ligado à rede de 100 Gbps e tem capacidade de processamento equivalente a 4 milhões de smartphones.

STF e STJ vão usar inteligência artificial para compartilhar dados

Acordo prevê uso de ferramenta já disponível no STJ para identificar precedentes judiciais e indicar novos temas de repercussão geral.

TCS troca identidade digital por soluções de Blockchain

Fornecedora de serviços de TI vai projetar soluções para Saúde, Energia, Educação e Serviços Financeiros na América Latina em parceria com a LACCHain, iniciativa do BIT Lab.

IA vai além do diferencial competitivo: ela ditará a sobrevivência das empresas

Ayesha Khanna, cofunddora e CEO da ADDO AI, diz que Inteligência Artificial faz diferença ao ser centrada no cliente; para a redução de riscos e combate à fraude; para a melhoria dos processos e para fomentar a inovação.

Serpro vai ao mercado para buscar parceiros para Internet das Coisas

Estatal procura soluções de gerenciamento de dispositivos, de serviços para dispositivos embarcados e de comunicação de redes.  Serpro pede interoperabilidade e padronização.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G