Clicky

CGU aplica multa de R$ 45,7 milhões à Vivo por distribuição de ingressos da Copa de 2014

Convergência Digital ... 16/10/2020 ... Convergência Digital

A Controladoria-Geral da União (CGU) multou a Vivo em R$ 45,747 milhões por conta de distribuição de ingressos para jogos da Copa do Mundo de 2014 para "agentes públicos". Segundo fato relevante da Telefônica enviado à CVM nesta sexta-feira, 16/10, a CGU considerou que tais "ações de marketing e promoção institucional" da empresa realizada na época vão contra os termos do art. 5º, inciso I, da Lei nº 12.846/2013, "em razão de responsabilidade legal objetiva".

A Lei em questão dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira. No caso específico, o artigo fala que entre os atos lesivos à administração pública está "prometer, oferecer ou dar, direta ou indiretamente, vantagem indevida a agente público, ou a terceira pessoa a ele relacionada".

No fato relevante, a Vivo diz que a CGU analisou que o processo administrativo tinha "ausência de dano à administração pública" e "não identificação de vantagens auferidas ou pretendidas" pela companhia por conta dos ingressos. Além disso, a operadora diz que houve "grau de cooperação e alto grau de maturidade de seu próprio programa de compliance".

Por isso, destaca que a sanção estabelecida se trata do patamar legal mínimo previsto no Art. 6º da mesma legislação. Assim, a multa foi de 0,1% ao faturamento bruto da Vivo no exercício anterior ao da instauração do processo, o que resultou no valor de R$ 45,747 milhões.

Ainda segundo a Vivo, a companhia "desenvolve e implementa iniciativas para assegurar a melhoria contínua de seu programa de compliance, por meio de uma estrutura organizacional e de governança que garante uma atuação pautada na ética, transparência e respeito às leis e regulamentos aplicáveis".



Internet Móvel 3G 4G
Operadoras abraçam Open RAN aberto, mas cobram financiamento da União Europeia

Telefónica, Deutsche Telekom, Orange e Vodafone assinaram um acordo para promoção de redes de acesso abertas e interoperáveis (Open RAN), mas pedem recursos para ter implantação massiva a partir de 2022.

Minicom cede Artur Coimbra para ser corregedor da ANPD

O secretário de radiodifusão, Max Martinhão, acumula interinamente a Secretaria de Telecomunicações. Segundo a pasta, ainda não há novo nome para substituir Artur Coimbra.

Abinee: Diferença de custo entre migração e mitigação no 5G é menor do que apontam teles

Estudo indica valores semelhantes aos projetados pela Anatel, de R$ 1,1 bilhão para o uso de filtros e R$ 1,8 bilhão para mudança da recepção de antenas para a banda Ku.

Anatel apreende 15 mil carregadores de celulares na 25 de Março, em São Paulo

Equipamentos não homologados foram avaliados em R$ 180 mil e foram recolhidos em um único distribuidor. Outros 11 mil carregadores foram apreendidos em três operações durante o mês de novembro.

TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

Operadora informa que vai ter o 5G DSS em 12 capitais para testes em bairros, mas sustenta que a transparência é crucial. "O 5G DSS tem latência do 4G", afirma o CTIO, Leonardo Capdeville. Nas capitais, o 5G DSS será exclusivo para mobilidade. O acesso banda larga fixa - FWA - continuará em piloto.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G