Clicky

5G: Teles insistem em filtro nas parabólicas e rejeitam migração da TV

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/10/2020 ... Convergência Digital

Confiantes de que a Anatel vai aprovar o único modelo de filtro que, a princípio, atenderia as especificações para evitar interferências do 5G nas antenas parabólicas, as operadoras de telecomunicações reforçaram a preferência com um novo estudo econômico. Nas contas apresentadas pelo setor nesta terça, 15/10, e que serão levadas à Anatel e ao governo, a solução pela mitigação com filtros custaria R$ 224,1 milhões, enquanto a migração da recepção das TVROs para a Banda Ku exigiria R$ 1,8 bilhão. 

“Queremos o melhor modelo que valorize os investimentos e tenha o menor custo social. E de fato existe essa solução, de maneira concreta e objetiva, com os novos filtros, que atendem com folga as especificações da Anatel. Faremos um roadshow para apresentar o resultado a todas as autoridades competentes. E vamos encaminhar esse estudo formalmente aos ministérios e à agência”, afirmou o presidente do sindicato nacional das teles, a Conexis, Marcos Ferrari. 

O estudo, elaborado pela LCA Consultores, adotou aproximações uma vez que nem Anatel, nem governo, apresentaram exatamente qual é o universo de domicílios com antenas parabólicas a ser efetivamente contemplado por uma ou outra solução de convivência. A partir de cruzamentos de pesquisas do IBGE, a projeção do estudo é de que existem 1.375.703 residências onde vive pelo menos um beneficiário do Cadastro Únicos dos programas sociais e que só tem a parabólica como recurso para acessar a TV aberta. 

Com o custo médio da mitigação com filtro estimado em R$ 162,92, conclui que essa solução custaria R$ 224,1 milhões. Já a migração, ou seja, levar a recepção das TVROs para a faixa acima de 10 GHz de forma a abrir espaço para um naco maior do 5G na banda média de 3,4 a 3,7 GHz – e portanto ocupando a recepção na chamada Banda C estendida – custaria aqueles R$ 1,8 bilhão. O valor implica em trocar kits de recepção em 4.838.405 domicílios, pelo custo médio de R$ 362. 

“A migração deve ser descartada porque não fica restrita a quem sofre interferência. E o que sair como solução de interferência vai tirar recursos do 5G, na contramão do que a economia precisa hoje”, defendeu a diretora de regulação econômica da LCA, Cláudia Viegas. 

Naturalmente, a premissa básica, não mencionada no estudo, é que desta vez os filtros realmente vão funcionar – algo que não aconteceu nos testes anteriores, mas que teria obtido sucesso nos mais recentes. O relatório final da Anatel sobre eles ainda não foi divulgado, mas as operadoras garantem que agora deu tudo certo. “Os testes foram acompanhados por todos os setores envolvidos. Apesar de não haver ainda o relatório formal da Anatel, já se sabe o desempenho dos LNBFs [filtros] testados e que um modelo excedeu a especificação mínima solicitada pela Anatel”, reforçou o consultor de engenharia de telecom da diretoria de evolução tecnológica de redes da Claro, Carlos Camardella.

Nesse caso, a decisão final envolve outras considerações. “Há segurança técnica para dizer que a mitigação é possível. A questão agora não é mais técnica, indo para ordem econômica e mesmo estratégica”, emendou o pesquisador do CPqD, Marcus Manhães.


Oi é única a crescer na TV paga, mercado que encolhe há seis anos sem reagir

No acumulado de janeiro a outubro de 2020, já se foram mais 660 mil acessos perdidos no segmento – e quase 5 milhões desde o pico, em 2014. 

Anatel encerra ciclo de TACs em acordo fraco com Algar

Depois de fracassar na troca de multas por investimentos com Oi, Vivo e Claro, agência contabilizou sucesso somente com a TIM e permitiu à Algar cortar mais da metade do acerto inicialmente firmado. 

Anatel renova faixa de 850 MHz para Vivo, mas nega pedido de redução de preço

Empresa renovou apelo ao regulador para que fosse aplicada a regra do preço público ou ônus de 2%, ambos abaixo do valor de mercado.

STF julga inconstitucionais leis de BA e RJ sobre créditos pré pagos e cobrança de serviços

Mais uma vez, Supremo ressaltou que, ainda que importantes ações em defesa dos consumidores, normas estaduais não podem invadir a competência privativa da União de legislar sobre telecomunicações. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G