Clicky

GESTÃO

Truly: Compras públicas têm de abrir espaço à inovação e às startups

Ana Paula Lobo e Pedro Costa ... 09/10/2020 ... Convergência Digital

Com 50% da receita vindo do Nordeste e 30% de Brasília e Centro-Oeste, a Truly, provedora de serviços de TI, se denomina um agente da transformação digital, conta o CEO, Lincoln dos Santos Pinto. Em entrevista à CDTV, do Convergência Digital, o executivo lembra que um dos diferenciais das regiões Norte e Nordeste é ter capital humano para trabalhar com TI.

"Piauí, Maranhão e o Ceará têm profissionais capacitados e estarmos nesses locais permite que esses especialistas não deixem suas regiões", afirmou. Sobre a aceleração da transformação digital no Brasil, Santos admite que boa parte veio do impacto da Covid-19, mas assume que a digitalização foi desafiadora e enfrentou e enfrenta barreiras a serem superadas.

"Nós colocamos a gestão por multicanal como prioridade, mas não adianta o bot ou mesmo o humano atender bem se o desdobramento, que é o sistema interno do órgão público, estar despreparado para a demanda. Fazer a máquina pública girar foi um esforço porque o modelo de contratação, hoje, trava a inovação", reforça o CEO da Truly, adicionando que um processo de contratação no governo leva em média seis meses, apesar dos esforços feitos para a melhoria.

"O servidor público tem que cuidar da gestão, da fiscalização e, agora, da inovação. Defendo que aconteça uma parceria entre o público e o privado para viabilizar startups no processo de compras públicas”, insiste. Lincoln dos Santos Pinto defende o cloud first do governo, mas observa: nem sempre a tecnologia é o bem a ser adquirido, mas, sim, a modernização da aplicação.

"Não é apenas pegar uma máquina e jogar na nuvem. A aplicação precisa ser bem escrita para dar o retorno esperado", pontua. Com a defesa da parceria pública privada, o CEO da Truly não se furtou a falar sobre a intenção do governo de vender Serpro e Dataprev.  Segundo ele, a privatização trouxe e traz benefícios, mas não pode ser entendida como remédio para tudo.

"Por que não pensar em um modelo híbrido unindo o público e o privado? Cada negócio tem uma particularidade. E se pensarmos na LGPD, como é que o dado do cidadão brasileiro vai ficar exposto a um ente privado. Isso exige avaliação. No caso dos dados pessoais, entendo que o Estado tem a missão de ser o tutor", sinalizou. Assistam a entrevista com o CEO da Truly, Lincoln dos Santos Pinto.


TST: Grupo de WhatsApp ou Facebook não implica em suspeição de testemunha

Tribunal Superior do Trabalho decidiu que fazer parte do mesmo grupo em redes sociais não configura amizade íntima que impeça testemunho em ação trabalhista.

Com ajuda da IA, Vivo quer recondicionar 1,5 milhão de modems e decodificadores até dezembro

A Vivo recolhe e recupera mais de 100 mil destes equipamentos por mês, que passam por atualização de software, reparos técnicos e estéticos.

Governo indica que vai pagar aluguel para quem comprar sala limpa do Ceitec

MCTI também sugere corte nos recursos para a Organização Social que vai ficar com a propriedade intelectual da estatal liquidada, R$ 30 milhões por ano estimados inicialmente já caíram para R$ 20 milhões.

Governo projeta substituir 53 mil servidores por robôs em 2030

Em 2040, mais de 68 mil servidores aptos a se aposentar poderão ser substituídos pela automação. Em 2050, poderão ser mais de 90 mil, segundo pesquisa feita pela Enap.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G