Clicky

Home - Convergência Digital

Oi segrega frequência do 3G para entrar na disputa do 5G

Ana Paula Lobo - 07/10/2020

Em um movimento distinto das rivais, a Oi anuncia a primeira oferta do 5G em Brasília a partir da segregação da frequência do 3G em detrimento da tecnologia DSS.  Em entrevista ao Convergência Digital, o diretor de Marketing de Varejo e Empresarial da Oi, Roberto Guenzburger, diz que o investimento no 5G é a afirmação ao mercado que, enquanto a UPI Móvel estiver sob o controle da Oi, haverá investimentos.

"Fizemos a segregação da faixa do 3G, 2,1GHz, com 10Mhz +10MHz, até porque o 3G está realmente deixando de existir no Brasil. Hoje temos 4G e 2G. Não há compartilhamento do 3G com o 5G. Nós fizemos a segregação para ter uma faixa exclusiva para o 5G e oferecer os benefícios da tecnologia", explica Guenzburger. No caso de Brasília, o fornecedor é a Huawei, mas há pilotos em outras cidades com outros fornecedores. O executivo admite que o 5G no Brasil será, num primeiro momento, para consumidores de alta renda em função do alto custo do equipamento. E explica o porquê de a Oi, nesse momento, não ter ainda a banda larga fixa wireless residencial, a FWA, em Brasília.

"Não há CPE 5G homologada no Brasil pela Anatel e as que estão no mercado externo são ainda equipamentos caros. Assim como o celular 5G é caro, com custo em torno de R$ 5.000,00. Por isso, até escolhemos Brasília, que é a cidade com a maior renda per capita do Brasil", observou o executivo da Oi. Do ponto de vista de estratégia de venda, a Oi quer consolidar a sua marca e aposta na manutenção dos planos do 4G para incentivar a migração para o 5G.

"O nosso cliente só vai ter de comprar o aparelho celular e estamos dando desconto. O chip e os planos 4G são válidos para o 5G. O que recomendamos é que o cliente aumente a sua franquia para usufruir do benefício do 5G. O nosso plano de 100 Giga está por R$ 129,00", adiciona Guenzburger. Dentro da estratégia da Oi de valorizar a fibra, a cobertura em Brasília é considerada muito acima até das rivais com DSS. "Estamos em 80% da cidade e a fibra fará toda a diferença para escoar o tráfego", adiciona o diretor da Oi.

O 5G da Oi está disponível no Plano Piloto (Asa Sul, Asa Norte, Lago Sul, Lago Norte, incluindo a praça dos Três Poderes e Esplanada dos Ministérios), além de outras regiões como os Setores Administrativos (Cruzeiro, Sudoeste, Gama, Planaltina, Guará, Núcleo Bandeirante, Taguatinga, Recanto das Emas, Samambaia, Ceilândia, Sobradinho, São Sebastião, Riacho Fundo e Santa Maria). Sobre novas cidades, Guenzburger é cauteloso, mas diz, que, sim, o plano é levar o 5G para as com maior renda per capita.




Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

30/11/2020
Reino Unido endossa NEC no OpenRAN para tirar Huawei e provocar Ericsson e Nokia

30/11/2020
Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026, prevê Ericsson

27/11/2020
Oi acerta corte de 50% em multas da Anatel, para R$ 7 bilhões, mas conta pode cair para R$ 4 bilhões

27/11/2020
Teles: restrição a fornecedores é um risco ao 5G e aos consumidores

26/11/2020
Sem disputa, Oi vende datacenters e torres por R$ 1,4 bilhão

26/11/2020
Palo Alto: É um erro enorme repetir o passado e não tornar a nuvem aberta de verdade

24/11/2020
Leilão 5G: Embaixada da China reage forte contra filho do presidente Jair Bolsonaro

24/11/2020
Minicom se diz cobrado por Bolsonaro para fazer o leilão 5G

24/11/2020
Highline compra Phoenix Tower e passa a deter 3,2 mil torres no Brasil

19/11/2020
Qualcomm e Nokia: Ondas milimétricas são a mudança do modelo de negócio no 5G

Destaques
Destaques

Qualcomm e Nokia: Ondas milimétricas são a mudança do modelo de negócio no 5G

Ondas milimétricas não apenas uma banda a mais para o 5G, mas são a base das novas aplicações com baixíssima latência, diz Francisco Soares, da Qualcomm. Wilson Cardoso, da Nokia, adverte que, até 2025, serão instaladas 200 mil ERBs para atender verticais específicas como a indústria 4.0.

Anatel: Cibersegurança em Telecom une teles e os mais de 10 mil prestadores de serviços SCM

"Não há como fazer obrigação em cibersegurança. O ambiente tem de ser cooperativo e não é apenas com as teles. São mais de 10 mil pequenos prestadores de serviços e eles têm de estar ativos. Temos de ter uma coordenação entre todos os atores", disse o superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, Nilo Pasquali.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

IoT e os novos negócios e aplicações para o mercado de energia

Por Pedro Al Shara*

Analistas de mercado estimam que o impacto da Internet das Coisas na economia alcance de 4% a 11% do Produto Interno Bruto do planeta em 2025.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site