Clicky

OPINIÃO

Incertezas predatórias

Por Benito Paret*
05/10/2020 ... Convergência Digital

Nas últimas semanas temos vivido uma novela em torno do veto da desoneração da folha de pagamento.  A contribuição previdenciária tem um histórico conturbado. Ao final do período 1996 - 2000 a alíquota em vigor, de 15%, foi majorada para 20%. Para diminuir o elevado custo das contribuições e taxas sobre as folhas de pagamento que ameaçavam de desemprego os setores intensivos em mão de obra, em 2011, foi instituída a denominada DESONERAÇÃO, que permitia substituir os 20% da parcela patronal da contribuição previdenciária por uma alíquota de 1 a 4,5% sobre o faturamento bruto.

Diversas categorias foram incluídas e excluídas, mas a TI permaneceu, junto com outras 17, com uma alíquota de 4,5%. que vigora até 31 de dezembro próximo. O Congresso face à crise econômica agravada pela pandemia, em junho, ampliou a incidência da desoneração até dezembro de 2021. O governo considerou que para manter esta substituição tributária, deveria ter algumas contrapartidas e veto a extensão do prazo. Inúmeros parlamentares, incentivados pelos setores econômicos que seriam prejudicados, se organizaram para revogar o veto e manter o prazo até 2021.

A novela teve início. As sucessivas propostas alternavam desde a ressurreição da CPMF, até outras formas mais ou menos criativas. Para coroar a trama, as autoridades econômicas entenderam que o tema deveria ser tratado no âmbito da Reforma Tributária, com a eliminação dos custos que oneravam as folhas de pagamento. Depois de inúmeros debates, a maioria das forças políticas atuantes no Congresso, concluiu que uma reforma mais ampla somente teria espaço em 2021. E a revogação do veto, como ficaria? 

A novela ganhou ares de folhetim de baixa qualidade. Semanalmente são marcadas sessões no Congresso para discutir o veto e são sistematicamente adiadas. E as empresas como podem planejar seus orçamentos para o próximo ano com esta incerteza? O período eleitoral, que canaliza as articulações políticas para os candidatos municipais, aumenta a angústia de que os 20% voltem. O que farão as empresas?

Os setores de TI, intensivos em geração de empregos qualificados, serão duramente atingidos, afetando diretamente o desenvolvimento tecnológico do País, prejudicando nosso desenvolvimento econômico. A única solução é, num esforço das lideranças políticas, revogar o veto e manter pelo próximo ano a desoneração da folha, aguardando uma solução mais duradoura. Dependemos de nosso Congresso e principalmente de suas lideranças.

Benito Paret é Presidente do Sindicato das Empresas de Informática- TI RIO


Carreira
Startup Zé Delivery usa LinkedIn para contratar em tecnologia

Empresa especializada em entrega de bebidas na América Latina, com atuação em mais de 200 cidades no Brasil, vai manter o home office para seus funcionários. Entre vagas está a busca por analistas de dados.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G