INTERNET

Covid-19: maioria teme o uso dos dados pessoais nos serviços públicos online

Luís Osvaldo Grossmann ... 01/10/2020 ... Convergência Digital

Em nova abordagem da pesquisa que mede como a pandemia de Covid-19 impactou no uso da internet no Brasil, o Cetic.br, braço de estudos do CGI.br, apontou saltos significativos na disponibilidade de serviços públicos totalmente remotos, embora mais da metade dos entrevistados acredite que fornecer dados pessoais para tais serviços traga mais riscos que benefícios. 

Segundo o Painel TIC Covid-19, 57% dos usuários de internet no país realizaram algum serviço público online nos três meses anteriores às entrevistas, incluindo atividades como emitir documentos, preencher e enviar formulários ou pagar taxas e impostos, o que significa um  crescimento de 20 pontos percentuais em relação à pesquisa TIC Domicílios de 2019, que fez perguntas semelhantes. 

As principais mudanças ocorreram nos serviços públicos ligados aos direitos dos trabalhadores ou Previdência Social, que já eram os mais procurados em 2019. Desde o início da pandemia, 72% dos usuários procuraram esses serviços, proporção que era de 40% no ano passado – e que foi influenciada pelo aplicativo do Auxílio Emergencial. Em Saúde, o salto de utilização foi de 26% para 45% na mesma comparação, enquanto para emissão de documentos, como RG, CPF, passaporte ou carteira de trabalho, a proporção foi de 6% para 21%. 

Sem surpresas, as diferenças regionais e socioeconômicas fazem que esse acesso não seja homogêneo entre os internautas brasileiros. Na região Norte, apenas 31% buscaram informações ou utilizaram serviços públicos online, assim como somente 38% dos usuários com 60 anos ou mais. Brasileiros das classes AB também indicaram maior uso desses serviços (53%) do que nas classes C (44%) e DE (35%).

Em que pese os resultados de maior uso, a mesma pesquisa revelou que é grande a preocupação com o uso de dados pessoais. Mais da metade dos usuários de internet (54%) afirmou que os riscos em compartilhar informações, seja com governos ou com empresas, superam os benefícios – enquanto para 16% não há benefícios nem riscos e 13% afirmaram que há mais benefícios que riscos. 

As principais preocupações em relação ao uso de dados pessoais foram prejuízo financeiro por fraudes bancárias (32%), roubo de identidade (23%), invasão de privacidade (21%) e venda de dados para terceiros (13%). 

Também foram mencionados os motivos diretamente relacionados a preocupações com privacidade: 42% afirmaram se preocupar com vigilância por parte do governo após a pandemia, 39% responderam não acreditar que o aplicativo impeça a identificação e 39% não querem que o governo acesse seus dados de geolocalização. 


Revista Abranet 31 . maio-julho 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
A pandemia da Covid-19 fez a rotina mudar num piscar de olhos. E coube à internet mostrar a sua força. O aumento significativo do tráfego de dados por conta do teletrabalho e do isolamento social foi uma realidade assustadora. Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Reclamações contra vendas pela internet disparam 208%

Procon de São Paulo já recebeu mais de 241 mil queixas contra comércio eletrônico até meados de outubro, o triplo de todo o ano de 2019, com 78 mil. E cenário preocupa com a aproximação da Black Friday.

Em campanha, governo Trump abre ação antitruste contra Google

Departamento de Justiça dos EUA, secundado por 11 estados com procuradores Republicanos, acusa empresa de usar poder de mercado para prejudicar concorrentes. 

Rádio pela internet e streaming de áudio crescem durante pandemia

Segundo a pesquisa Inside Radio 2020, realizada pela Kantar Ibope Media, 9% dos entrevistados ouvem rádio online e 16% acessam o meio quando estão navegando na internet. 

CNJ aprova norma que prevê digitalização total dos atos processuais

Ainda facultativo, o chamado “Juízo 100% Digital” prevê que todos os atos processuais serão realizados exclusivamente por meio eletrônico e remoto.

Para quem vive de dados, LGPD é lei a ser cumprida sem discussão

iFood, SulAmerica Seguros e Agência Knewin têm os dados como estratégia de negócios e se dizem prontos para cumprir as regras da legislação. "Quem lida e vende dados tem de estar preparado", afirmou Bruno Henriques, do iFood.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G