Clicky

Para TIM, 5G não comporta neutralidade de rede

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/09/2020 ... Convergência Digital

Sete anos e duas gerações tecnológicas depois, o setor de telecomunicações volta a reunir argumentos contra a neutralidade de rede como fazia antes da votação do Marco Civil da Internet, a Lei 12.965/14. Nesta terça, 22/9, ao discutir os desafios à implantação do 5G no Brasil, no Painel Telebrasil 2020, o vice presidente de assuntos regulatórios da TIM, Mario Girasole, voltou à carga. 

“Na medida que o 5G terá como grande capacidade dedicar os recursos necessários aos serviços apontados, o network slicing [fatiamento de rede], a neutralidade de rede como descrita hoje nas normas brasileiras é incompatível com o 5G”, afirmou o executivo. Como insistiu o vice presidente da TIM no debate sobre o Modelo do Leilão do 5G no Brasil, “as normas envelhecem e temos que encontrar uma forma de garantir a competição e a não-discriminação, mas que não seja entrave para o adequado uso e desenvolvimento da tecnologia”. 

É uma cantilena conhecida, usada na época para sugerir que os investimentos seriam prejudicados pelo conceito de que todos os pacotes são iguais perante à rede. O 4G chegou e as próprias operadoras foram as primeiras a anunciar que nunca investiram tanto. Como o próprio Marco Civil prevê discriminação de tráfego a partir de “requisitos técnicos indispensáveis à prestação adequada dos serviços e aplicações”, não há registro de investimentos que deixaram de existir. 

Justiça seja feita, foi o próprio Mario Girasole que, lá nos idos de 2013, durante a Futurecom daquele ano, tratou de esclarecer a todos exatamente o que significa falar de neutralidade de rede: “Não estamos falando de liberdade, mas sim do velho e bom dinheiro, de modelo de negócios.”


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Por casa conectada, Vivo negocia opção de ser acionista minoritária na CDF

A CDF é um marketplace de solulções de assistência residencial e tecnológica e que já é parceira na oferta do Vivo Guru. Os novos serviços serão lançados em breve, mas um deles será voltado para a instalação e  configuração de dispositivos inteligentes.

Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

“Existe uma portaria, mas os requisitos ainda não estão completamente claros”, afirma o diretor de cibersegurança da fabricante chinesa, Marcelo Motta.

Oi entra na briga pela fibra ótica em São Paulo

Companhia diz que os pilotos comercial e de rede estão acontecendo e o lançamento ao mercado será no segundo trimestre (abril a junho) para os mercados B2C e B2B. A Oi vai usar 5,2 mil Km de rede própria oriundas da compra da MetroRed e da Pegasus no passado.

Brasileiro retorna ao pré-pago e sonha com superaplicativo

O brasileiro diz que o pré-pago oferece maior flexibilidade de uso, de acordo com pesquisa global feita pela Ding. O estudo também mostra que os brasileiros querem um superaplicativo que combine mensagens instantâneas com mídia social, varejo e serviços.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G