Clicky

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/09/2020 ... Convergência Digital

Maior concessionárias de telefonia fixa do Brasil, ainda às voltas com dificuldades financeiras que a levaram a uma recuperação judicial, a Oi lamenta a demora no processo de transformação dos contratos em autorizações e a consequente redução nos custos regulatórios. A medida seria o caminho para o reequilíbrio, visto que, como aponta o presidente da empresa, Rodrigo Abreu, pela via da receita parece inviável. 

“Na concessão de telefonia fixa em cobre existe uma ineficiência econômica muito grande. É uma distorção econômica onde existe inviabilidade do serviço. O valor da tarifa para alcançar o ‘break even’ na telefonia fixa, no nosso caso, seria um valor superior a R$ 100, maior que um pacote básico de fibra”, afirmou Abreu nesta terça, 22/9, ao participar do Painel Telebrasil 2020. 

“A sustentabilidade ainda tem desafio de equilíbrio econômico financeiro bastante grande. Desde 2012, o custo do capital é maior que o retorno do capital investido. Ou seja, o investimento não está retornando. Passamos por um período muito complicado, que começou a melhorar, mas as curvas ainda não são muito positivas. A visão de retorno ainda está abaixo do custo de capital. O setor precisa ser sustentável para investir mais”, insistiu. 

E como ressaltou, o ano não está sendo dos melhores. “Engana-se quem pensa que a pandemia foi positiva para setor. Telecom teve sua importância ressaltada, mas ela causou impactos graves em vendas, aumento de custos, aumento de inadimplência e diminuição de utilização, em particular no móvel, apesar do aumento na banda larga fixa. O setor foi impactado e precisamos buscar equilíbrio.”

Do lado positivo, ele lista que “a população passou a não só consumir mais dados na redes, mas valorizar mais o papel das telecomunicações. No nosso caso, houve mais de 50% de aumento médio no tráfego dos backbones nacionais, com picos de 70 a 80%. E aumentos de 100% de tráfego no streaming de serviços de vídeo”. Mas números do Ministério das Comunicações indicam que a inadimplência cresceu 10% e os cancelamentos, 16%. 

Daí que além da redução das obrigações, Abreu reforçou a necessidade de uso dos fundos setoriais como forma de auxiliar o desejado equilíbrio financeiro. “Passa pela revisão das políticas publicas e pelas medidas de estímulo com fundos setoriais. Só no FUST foram mais de R$ 20 bilhões arrecadados, que a gente sabe que não vão voltar, mas que poderiam ser usados daqui para frente, como no modelo ‘Lifeline’, dos EUA”, apontou, referindo-se ao programa que subsidia a contratação de serviços com US$ 9,25 por mês para famílias de baixa renda, o equivalente a cerca de R$ 50. 

“Todos esses impactos também trouxeram oportunidade de discutirmos temas recorrentes do setor. O estímulo à demanda e os fundos setoriais, que acabaram sendo muito discutidos no inicio da pandemia, até pela queda de renda e a necessidade de manter a conectividade da população; a regulação e toda sua consequência, como a migração das concessões; o destravamento dos investimentos e as legislações restritivas; o 5G; a tributação e a própria sustentabilidade do setor. Telecom é instrumento de inclusão, pode ser um dos motores da recuperação, mas para isso precisamos da atenção adequada aos principais temas.”


Oi é única a crescer na TV paga, mercado que encolhe há seis anos sem reagir

No acumulado de janeiro a outubro de 2020, já se foram mais 660 mil acessos perdidos no segmento – e quase 5 milhões desde o pico, em 2014. 

Anatel encerra ciclo de TACs em acordo fraco com Algar

Depois de fracassar na troca de multas por investimentos com Oi, Vivo e Claro, agência contabilizou sucesso somente com a TIM e permitiu à Algar cortar mais da metade do acerto inicialmente firmado. 

Anatel renova faixa de 850 MHz para Vivo, mas nega pedido de redução de preço

Empresa renovou apelo ao regulador para que fosse aplicada a regra do preço público ou ônus de 2%, ambos abaixo do valor de mercado.

STF julga inconstitucionais leis de BA e RJ sobre créditos pré pagos e cobrança de serviços

Mais uma vez, Supremo ressaltou que, ainda que importantes ações em defesa dos consumidores, normas estaduais não podem invadir a competência privativa da União de legislar sobre telecomunicações. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G