INOVAÇÃO

Bradesco lança carteira digital Bitz, sem acordo com teles para dados móveis

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/09/2020 ... Convergência Digital

Por meio de uma empresa à parte, constituída como fintech, o Bradesco lançou nesta segunda, 14/9, sua carteira digital, batizada Bitz. Trata-se de um aplicativo para celular que funciona no modelo pré-pago, com o qual é possível fazer transferências e pagamentos em geral, receber, ou fazer compras, online inclusive, com uma função que emula um cartão de crédito. 

Curiosamente, no entanto, o Bitz nasce sem acordo com as operadoras móveis para navegação patrocinada – embora já seja possível fazere recargas de celular por meio do aplicativo. “Neste início, o cliente tem que usar seu próprio acesso. Mas estamos estudando, porque faz diferença para o público que a gente imagina, para os desbancarizados. Está na pipeline, mas não conseguimos ainda”, afirmou o presidente da Bitz Serviços Financeiros, Curt Zimmermann. Ele jura que não é por falta de vontade das teles. “Quando se fala nisso, todas têm interesse”, emendou. 

Segundo Zimmermann, embora o aplicativo Bitz seja “um dos pilares da transformação digital do Bradesco”, a operação é separada do banco, com um aporte de R$ 100 milhões no primeiro ano. “Temos visto que a flexibilidade é grande numa empresa apartada e a gente quer viver a experiência de fintech de forma plena”, disse. 

Mais ou menos. Instalada no hub de inovação do Bradesco em São Paulo, a empresa conta com apoio do banco mãe, acesso a estrutura dos caixas 24 Horas para saques com o app e a todas as maquininhas de pagamento que já aceitam bandeira Elo, inclusive 1,5 milhão deles que aceitam QR Code. O próprio aplicativo Bitz roda sobre a plataforma Cielo Pay – todos parte do ecossistema Bradesco. 

Não por menos, Zimmermann aposta que esse é um diferencial que vai permitir ao Bitz um naco grande desse mercado. “Temos um plano de negócios agressivo para conquistarmos de 20% a 25% do mercado de carteiras digitais em três anos. Além da rede do Bradesco, inclusive representantes bancários, o Bitz nasce com duas aquisições em mira: uma empresa de tecnologia de pagamentos digitais e uma carteira digital já existente no mercado, mas “com uma base ainda não muito grande”, segundo o presidente. 

Como ele mesmo ressaltou, a chegada do Bitz às vésperas do PIX, o novo sistema de pagamentos digitais brasileiro, não é coincidência. “O PIX é uma oportunidade. Hoje as carteiras digitais costumam ser de transações internas. Como o PIX abre isso, nossa expectativa é que nossa plataforma seja interoperável com todo o mercado rapidamente.”

Pelas próprias características do segmento das ‘instituições de pagamento’, Zimmermann disse que o foco do Bitz é o microempreendedor individual (MEI) e as empresas de pequeno porte, ou muito pequeno, como as empresas individuais. “É um mercado ainda no início do potencial. Boa parcela da população adulta, 30%, ainda é desbancarizada, e uma parcela enorme tem acesso à rede móvel e crescente no uso do smartphones.”


Cloud Computing
AWS: Nuvem responde às exigências da LGPD

“A LPGD foi criada até pela expansão do uso dos dados, porque temos que nos preocupar muito quem acessa, como ele está armazenado, como está criptografado”, afirma Jorge Ruas, da AWS. 


Fiemg lab e Fiat Chrysler automóveis (FCA) buscam startups de Supply Chain e Manufatura

Competição está com inscrições abertas até o dia 28 de outubro. Oito projetos serão selecionados e terão testes industriais em 2021.

Waze: força das comunidades e dos 50 mil voluntários fazem a diferença

A colaboração é o segredo do sucesso do Waze e estabelecer canal ativo com os clientes é missão, contou a Global Group Manager, Hila Roth.

Inovar é deixar de olhar para o próprio umbigo

Marcelo Salim, da IBM, Percival Jatobá, da Visa e Ana Leão, da Isobar, assumem que o consumidor é quem está selando o destino das marcas e com voz mais ativa.

TOTVS Techfin: Na crise, sobrevivem os mais adaptáveis às mudanças

O momento exige resiliência e perseverança, mas a crise acelerou uma jornada e colocou, de vez, o consumidor como o centro dos negócios, afirmou Eduardo Neubern, diretor-executivo da Totvs Techfin.

Empresas estão comprando tecnologia, mas não fazem a transformação digital

Sem entender o consumidor, a transformação digital simplesmente não vai acontecer, atestaram Sílvio Meira, cientista-chefe na The Digital Strategy Company; Luiz Sergio Vieira, CEO da EY Brasil, e Agenor Leão, vice-presidente de plataformas de negócios da Natura para América Latina.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G