Convergência Digital - Home

Fleury cria empresa baseada em ciência de dados e inteligência artificial

Convergência Digital
Da redação - 04/09/2020

O grupo de diagnósticos médicos Fleury lançou de uma empresa, batizada Saúde ID, baseada na ciência de dados e inteligência artificial. A estimativa é que a nova unidade, em três anos, 5% a 10% da receita total da companhia. “Investimos 50 milhões de reais para criar o maior ecossistema de saúde do país e mudar radicalmente o modo como a saúde é hoje consumida”, disse Eduardo Oliveira, presidente da Saúde iD.

O Saúde ID funcionará como um “marketplace” de serviços ligados à saúde e permitirá que, pacientes possam agendar e realizar teleconsultas, consultas presenciais, marcar e acessar resultados de exames diagnósticos, consultar prontuário eletrônico, e gerenciar seus problemas de saúde por meio de um aplicativo.

O paciente terá todas suas informações de saúde integradas em uma única plataforma, que poderá oferecer às empresas e operadoras um serviço com algoritítimos preditivos. Para o Fleury, o modelo permitirá que operadoras e empresas façam um uso mais racional dos recursos, reduzindo os efeitos da inflação médica, que tem sido superior à inflação oficial.

O crescimento da Plataforma se dará em três fases e começa com a gestão de 7 milhões de vidas (4 milhões vindas da SantéCorp e 3 milhões do Grupo Fleury). Inicialmente, a Saúde iD vai oferecer todos os serviços prestados já pela SantéCorp, incluindo a atenção primária (porta de entrada no modelo de saúde), e vários do Grupo Fleury, como, Cuidado Integrado para Empresas, Centro de Infusões, Day Clinic e coleta domiciliar, por exemplo.

Estarão disponíveis ainda os serviços de telemedicina prestados por SantéCorp e Grupo Fleury, lançados há apenas quatro meses e que juntos já realizaram quase 50 mil consultas. Essa primeira fase vai incluir também na plataforma duas empresas parceiras não controladas pelo Grupo Fleury. Uma delas é a Prontmed, uma das maiores provedoras de prontuários eletrônicos do Brasil. A outra é a startup israelense Sweetch, healthtech especializada em prevenção e gerenciamento de doenças crônicas.

A segunda e terceira fases de crescimento terão como objetivo trazer para a Saúde iD mais parceiros (drogarias, hospitais, profissionais de saúde, etc), novas ofertas para indivíduos e médicos e estimular a multiplicação de transações entre esses diferentes participantes, de modo a gerar um efeito positivo de rede.



Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

CSU avança de empresa de BPO para uma companhia de tecnologia

Com diferentes atividades, entre elas, processamento de transações eletrônicas de meios de pagamento e serviços de relacionamento com clientes, a CSU contratou o NICE Nexidia para melhorar os resultados dos negócios com uma abordagem consultiva e analítica.

Desafio nacional: identificar os dados efetivamente valiosos ao negócio

Pesquisa da IDC mostra que quase a metade companhias pesquisadas no Brasil admitiu ter dificuldade para encontrar talentos e recursos responsáveis pelas análises das informações.

Destaques
Destaques

Quase metade das empresas vai investir em edge computing na América Latina

Pesquisa da IDC Brasil, realizada para a Oi Soluções, revela ainda que 66% das empresas deverão ativar digitalmente seus modelos operacionais e terão o trabalho remoto incluído de forma permanente em suas políticas de recursos humanos.

Eletrobras contrata Analytics para acelerar jornada digital

Estatal, responsável por 1/3 da capacidade elétrica do Brasil, quer usar os dados para manter as melhores práticas de governança e investir em IoT, chatbots e robôs.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site