Clicky

INTERNET

PGR é contra suspensão do bloqueio de perfis bolsonaristas nas redes sociais

Convergência Digital* ... 20/08/2020 ... Convergência Digital

O procurador-geral da República, Augusto Aras, opinou contra a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.494/DF, que pretende, em caráter liminar, suspender todas as decisões judiciais que tenham determinado bloqueio, interdição ou suspensão de perfis em redes sociais.

Proposta pelo presidente da República, a ADI pede que o Supremo Tribunal Federal declare esse tipo de medida inconstitucional e, enquanto não analisa o mérito da questão, suspenda a eficácia de todas as decisões de bloqueio de perfis proferidas pelo Judiciário. Para Augusto Aras, o pedido de medida cautelar deve ser negado, pois não preenche o requisito de urgência. Segundo ele, o tema deve ser analisado pelo Plenário do STF em rito abreviado, tendo em vista sua importância para a ordem social e segurança jurídica.

A ADI foi proposta pela Presidência da República. O objetivo é que o Supremo interprete dispositivos do Código de Processo Penal e do Marco Civil da Internet de modo a impedir futuras decisões judiciais que decretem bloqueio de perfis em caráter cautelar. Os dispositivos questionados são os artigos 282, I e II; e 319, II e III, do Código de Processo Penal CPP; e os artigos. 15, 19 e 22 da Lei 12.965/2014.

Segundo a Presidência, essas normas “não conferem respaldo jurídico” para imposição de medidas processuais penais de bloqueio, interdição ou suspensão prévios de perfis em redes sociais. A interdição prévia de perfis seria limitação inconstitucional das liberdades de manifestação do pensamento, de expressão, de profissão, e também da imunidade parlamentar. A ADI argumenta, ainda, que o Supremo Tribunal Federal (STF) possui jurisprudência no sentido de que “abusos cometidos no exercício da liberdade de expressão e de manifestação do pensamento são aferidos posteriormente, sendo vedada a censura prévia”.

Ao refutar o pedido de liminar na ação, Augusto Aras pontuou que não estão presentes os requisitos necessários para o deferimento. Ele lembra que as normas questionadas estão em vigor há pelo menos nove anos e, portanto, não está caraterizada a urgência (periculum in mora). O PGR também afirma que o requerente não demonstrou quadro de insegurança jurídica suficiente para autorizar a suspensão nacional de processos judiciais em curso, que seria uma “medida excepcional”.

No parecer, o procurador-geral da República também afirma que o posicionamento do Supremo na ADI 5.526/DF não impede a análise da presente ação. Isso porque o julgamento anterior tratava da aplicação das medidas cautelares diversas da prisão apenas a parlamentares, em razão da imunidade garantida pela Constituição. No caso atual, a discussão é mais ampla. “Considerando que o STF, no julgamento da ADI 5.526/DF, declarou a inconstitucionalidade parcial, sem redução de texto, de apenas uma dentre as várias situações passíveis da incidência do art. 319 do CPP, não há como reputar inviável ação direta que busque afastar aplicação da mesma norma para situação totalmente diversa”.

Para o PGR, a liminar deve ser indeferida e a matéria deve ser analisada pelo Plenário, mediante adoção do rito abreviado previsto no art. 12 da Lei 9868/99.


Revista Abranet 32 . set-nov 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
O ano de 2020 marca os 25 anos da internet comercial no Brasil e confirma que ela é fundamental para a economia e a vida cotidiana. PIX, Wi-Fi 6, LGPD, white spaces, numeração para SCM... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Canadá não quer esperar acordo global e vai cobrar imposto da internet em 2022

Em anúncio ao Parlamento, Departamento das Finanças do país indicou que novo tributo entra em vigor em janeiro de 2022 e pode arrecadar o equivalente a R$ 14 bilhões em cinco anos. 

Proliferação de serviços streaming faz crescer o “consumidor bumerangue”

Segundo a Kantar Ibope Media, no lugar de assinar simultaneamente as várias opções, se torna mais comum a troca constante de serviços. 

TSE desmente notícias e descarta cobrança de multa por justificativa no e-Título

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) esclarece que não procede a informação de que o órgão estaria cobrando indevidamente multa dos eleitores que fizeram sua justificativa via aplicativo e-Título, no último dia 15 de novembro, data do primeiro turno.

Facebook exclui 140 mil postagens com desinformação sobre eleições

Publicações desestimulavam voto ou continham informações erradas. Rede social também informa que rejeitou 250 mil anúncios que não deixavam claro se tratarem de propaganda política. 

WhatsApp bane mais de mil contas após denúncias recebidas em canal do TSE

Plataforma conjunta com o TSE recebeu 4759 denúncias de 27 de setembro a 15 de novembro.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G