Oi diz que vai concentrar bens reversíveis em única empresa

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/08/2020 ... Convergência Digital

Em entrevista aos sites especializados para esclarecer o novo aditamento do plano de recuperação judicial, apresentado nesta quinta-feira, 13/08,  a Oi buscou responder a preocupações apontadas pela Anatel sobre o impacto da quebra da operadora em quatro unidades no patrimônio da concessão de telefonia, em especial, com a criação da unidade de rede neutra, a InfraCo.

“Os bens reversíveis ficam todos na Oi S/A, que é a recuperanda, até para evitar essa discussão. Não existe nenhuma transferência de bem reversível nem o que poderia ter discussão se deveria ser considerado reversível. A gente faz no uso de rede um uso de parcelas apenas não reversíveis de bens, sendo que não existe transferência de ativo para a empresa de infraestrutura”, afirmou o presidente da Oi, Rodrigo Abreu, em entrevista nesta sexta, 14/8. 

“Tem, obviamente, uma parte da discussão sobre quais os detalhamentos de regras sobre os ativos mistos, aqueles com parte reversível e parte não reversível. Tanto é que os negócios de atacado que usam bem reversível, que usam rede de cobre, para EILD, etc, não vão para a Infra Co, eles ficam na Oi S/A. Todo o negócio de EILD fica [na Oi S/A] porque usa bem reversível, que é o par de cobre.”

Mas como ressaltou o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, em entrevista ao Convergência Digital, a discricionariedade da operadora na separação dos ativos nas respectivas UPIs que compõem o plano de recuperação traz em si algum risco regulatório para proposta, pois envolve algum critério próprio do que é reversível. 

“Não estão claros ainda os riscos regulatórios que isso possa importar. Está se falando da transformação do negócio a partir da criação de quatro novas empresas, UPIs no jargão da Lei de Recuperação Judicial, e a Oi restante seriam duas, com uma separação estrutural: a Oi S/A, que seria a concessão e a infraestrutura de cobre e fibra que advém da concessionária; e a Infra Co, com um parceiro investidor como foi divulgado. Mas, repito, não estão claros os riscos regulatórios que isso importa”, disse Morais. 

Para ele, “existe um conjunto extenso de dúvidas sobre o plano da Oi anunciado, com as unidades de produção isoladas. A concessão não é orientada a uma separação estrutural, o que gera preocupações em termos da destinação dos bens reversíveis. Essa separação não é trivial. E por isso há riscos regulatórios que não podem ser ignorados.”


Internet Móvel 3G 4G
Ainda sem chancela de Trump à Oracle, EUA banem TikTok e WeChat no domingo

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos disse que emitirá uma ordem nesta sexta-feira, 18/9, que impedirá as pessoas no país de baixarem o aplicativo de mensagens chinês WeChat e o TikTok a partir de 20 de setembro. Ordem pode ser revogada se Donald Trump autorizar parceria com Oracle. 

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Oi diz à CVM que movimento de ações se deve a aprovação de plano e venda da móvel

Comissão de Valores Mobiliários perguntou o motivo das oscilações recentes nos papéis da operadora, com quedas superiores a 7% seguidas de aumentos de 9%. 

Claro tenta resgatar TV paga com planos alternativos a não clientes

Com metade do mercado nacional de TV por assinatura, o presidente da empresa, José Félix, diz que fará lançamentos nos próximos dias. “A TV está sofrendo alterações e vamos lançar de imediato um novo serviço.”

5G com maior carga tributária do mundo é telhado sem alicerce

“A sociedade quer conectividade total, 5G, dispositivos diferentes a qualquer hora, qualquer lugar. Mas estamos assombrados pelo risco de aumentar ainda mais a carga tributária com a reforma atual”, afirma a presidente da Feninfra, Vivien Suruagy, no Painel Telebrasil 2020.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G