Home - Convergência Digital

Apps proibidos acirram confronto entre patrões e empregados no home office

Da redação - 12/08/2020

Clicar em um link suspeito recebido por e-mail, anotar senhas em papéis à vista de todos e conectar o computador da empresa a uma rede pública de Wi-Fi sem utilizar os devidos softwares de segurança: pequenos erros cometidos pelos colaboradores, mas que podem expor as organizações a enormes riscos. Como revela a PwC Workforce Pulse Survey, a maioria das pessoas não entende as consequências de uma eventual violação de dados ou outro tipo de ataque digital a uma empresa, à sociedade ou até mesmo à sua vida pessoal, embora esteja ciente da existência dos roubos cibernéticos e outros crimes digitais.

Realizada em julho, a pesquisa contou com a participação de 1.100 trabalhadores dos Estados Unidos. Os resultados demonstram que a comunicação e o treinamento que as empresas vêm oferecendo sobre segurança cibernética e prevenção de crimes digitais não têm ressoado junto aos profissionais, que em alguns casos chegam a baixar aplicativos não seguros ou, em tempos de home office, compartilhar seu dispositivo de trabalho com familiares, desrespeitando regras básicas de segurança corporativa.

"Orientar os colaboradores a respeito dos riscos cibernéticos e seus impactos é ação essencial nos dias de hoje. Essa orientação deve ter o propósito de mudar comportamentos e atitudes e de diminuir as chances de o profissional ser involuntariamente um agente ou um veículo para a materialização de um ataque cibernético na empresa", explica Edgar D'Andrea, sócio da PwC Brasil e especialista em segurança cibernética.

Com 61% dos diretores de Segurança da Informação (CISOs) e diretores de TI (CIOs) afirmando perceber um aumento nos riscos do uso de dispositivos e software não corporativos por conta da quantidade de pessoas trabalhando em casa, surge a oportunidade para tornar a segurança cibernética parte de uma agenda maior que envolva os profissionais. É necessário redobrar a comunicação e o treinamento direcionados, aplicar políticas e boas práticas de segurança cibernética e incorporar controles eficazes, além de convencer os funcionários de que tais medidas ajudarão não só a empresa, mas também suas vidas no ambiente digital, tanto em casa quanto no trabalho.

Devido à atual pandemia, as medidas preventivas de segurança - que já vinham recebendo investimentos - se intensificaram. Quase 70% dos CISOs e CIOs afirmaram ter aumentado o treinamento de segurança devido à Covid-19. Mas apenas 30% dos profissionais afirmaram ter recebido algum treinamento sobre o que fazer ou não na proteção dos ativos digitais.

Preocupados, mas não o suficiente

A principal porta de entrada para incidentes e violações cibernéticas nos últimos anos tem sido os funcionários e o uso que fazem dos dispositivos - tanto os da empresa quanto os pessoais. A maioria dos entrevistados demonstrou preocupação com os riscos dos ataques virtuais e suas consequências para o trabalho - 59% estão preocupados com as possíveis perdas financeiras para a empresa -, mas pensam antes nos possíveis impactos à sua privacidade.

Cerca de 75% deles, por exemplo, afirmaram confiar mais em seu empregador do que em empresas de tecnologia para manter suas informações pessoais seguras - desconsiderando o fato de que cibercriminosos podem ter como alvo essas mesmas informações. Apenas 22% dizem ter receio da perda financeira pessoal decorrente de um ataque, enquanto 15% estão preocupados com a exposição de seus e-mails. Porém, 59% demonstraram preocupação em relação a uma potencial exposição de dados pessoais a terceiros, seguidos de 57% que pensam nos impactos na carreira.

Pouco menos de um terço dos entrevistados (30%) afirma que seu empregador forneceu dispositivos para que pudessem trabalhar fora do escritório, sem a necessidade de usarem seus dispositivos pessoais (19% afirmaram utilizar os próprios equipamentos para acessar redes e dados corporativos). E apenas 23% dizem que sua empresa apresentou um exemplo que os convencessem a ter bons hábitos de segurança de dados. Apesar de ser fundamental a comunicação imediata de uma situação de risco, apenas 26% dos entrevistados concordam que podem reportar um potencial problema de segurança de dados no equipamento sem medo de sofrer repreensões.

A pesquisa da PwC também descobriu que os grupos formados por trabalhadores das gerações Y e Z podem contribuir para um maior risco de suas empresas - esses profissionais são mais inclinados a permitir que amigos e familiares utilizem seus equipamentos de trabalho para jogos, compras on-line ou outras atividades pessoais. Mais da metade (51%) dos millennials e 45% da geração Z também afirmam usar aplicativos e programas expressamente proibidos pelo empregador em seus dispositivos de trabalho.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

28/10/2020
Trabalho remoto agora é oficial na Algar Telecom

22/10/2020
Teletrabalho: incidentes de segurança crescem mais de 25% no Brasil

09/10/2020
Teletrabalho: sem regulamentação, sem direitos, sem deveres, sem regras

05/10/2020
Ministério Público: Teletrabalho exige direito à desconexão

23/09/2020
Dos 10% em teletrabalho no Brasil, maioria é branca, tem diploma e maior renda

18/09/2020
Oi prorroga home office até janeiro de 2021

09/09/2020
Volta ao escritório pós-Covid-19 chega a 62% até dezembro

03/09/2020
Economia do governo com teletrabalho bate em R$ 691 milhões

20/08/2020
Teletrabalho: Novo PL quer acordo prévio para custos com Internet e PCs

12/08/2020
Apps proibidos acirram confronto entre patrões e empregados no home office

Startup cria time de cientistas de dados para avançar nos negócios

Com sede nos EUA, a Fligoo atua nos segmentos de finanças, educação e saúde, e sabe da relevância de ter profissionais capacitados para lidar com os dados. "Prepare-se o tempo todo. Estude. Não espere a necessidade chegar", aconselha Leandro Ferrado.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro sem aposentadoria – qual a saída?

Por luis Macedo*

O futuro financeiro nunca foi tão incerto. A aposentadoria "oficial", pelo INSS, fica cada vez mais distante para muitas pessoas, especialmente porque o mundo do trabalho mudou. Uma alternativa para uma parcela significativa da população que não tem carteira assinada são os fundos de previdência. O problema, no entanto, é a infinidade de fundos que existem.

Destaques
Destaques

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Ainda que a LGPD não exija qualificação específica, o mercado busca profissionais com conhecimento na área. Formação pode custar até R$ 6 mil, observou Mariana Blanes, advogada e sócia do Martinelli Advogados, ao participar do CD em Pauta.

Teletrabalho: sem regulamentação, sem direitos, sem deveres, sem regras

Depois da nota técnica do MPT alertando para o direito à desconexão, Congresso tenta acelerar a votação dos PLs que tratam do tema, entre eles o PL 3915/20. O tema é complexo. IN 65, do governo federal, repassa os custos com tecnologia para os servidores no home office.

Ministério Público: Teletrabalho exige direito à desconexão

Ministério Público do Trabalho elaborou uma nota técnica direcionada para as “empresas, sindicatos e órgãos da administração pública”.  Na orientação, sugere a adoção de etiqueta digital para orientação de patrões e empregados.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site