Anatel define se faixa de 6GHz será 100% não licenciada ou terá 500 MHz para as teles

Ana Paula Lobo, Roberta Prescott e Pedro Costa ... 30/07/2020 ... Convergência Digital

A Anatel vai bater o martelo se as faixas de frequência de 5,925 GHz a 7,125 GHz  poderá ser integralmente usada pelas empresas de Internet como espectro não licenciado e voltado para a evolução do Wi-Fi para as versões Wi-Fi 6 e Wi-fi 6E e, mais adiante, até para a oferta 5G não licenciada, o 5G NR-U, o ‘new radio unlicensed', ainda dependente de avanço da tecnologia, ou terá 500 MHz 'reservado', até em função do próprio 5G.

Expectativa é que o tema entre em pauta nas próximas reuniões do Conselho Diretor para que se tenha a perspectiva de ter o Wi-Fi 6 em 6GHz liberado ainda em 2020, contou o superintendente de outorgas e recursos à prestação da Anatel, Vinicius Caram, ao participar nesta quinta-feira, 30/07, do eForum Wi-Fi 6, promovido pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

“Fizemos um benchmarking intenso. A área técnica já subiu proposta para o conselho diretor para a faixa ser não licenciada. Mas a decisão é dos conselheiros”, disse. O executivo da Anatel enfatiza que o Wi-Fi 6 já pode ser usado - e está sendo testado- nas faixas de 2,4 GHz e 5GHz, como as teles estão fazendo o 5G com DSS no 4G - mas lembra que a faixa de 6GHZ, com 1,2 GHz de espectro disponível, dará um outro dimensionamento para as redes sem fio e abre para o Wi-Fi 6E.

Caram lembra que se a faixa de 5,925 GHz a 7,125 GHz for destinada à radiação restrita, a Anatel atua apenas quando e se houver interferência. “Estamos restringindo ao uso indoor e conexão de curta distância sem interferir nos outros serviços na faixa — serviços fixos, fixos por satélite e SARC, em 6,4 GHz, 6,5 GHz e 6,7 GHz”, disse.

Sobre a disputa pelo espectro, o superintendente da Anatel apresentou um tom conciliador. “Estamos tentamos conciliar os interesses de garantir espectro para todo o setor, tanto para radiação restrita como para o IMT (o serviço móvel das teles)”,enfatizou. Assistam a participação de Vinicius Caram no eForum Wi-Fi 6.

Veja abaixo a íntegra do evento.


Internet Móvel 3G 4G
OpenRAN aberta: o xeque-mate do xadrez geopolítico do 5G

Fornecedores precisam  se comprometer mais com a compatibilidade com RAN aberta e os EUA precisam correr  para não perder de vez mercado para Ásia e Europa, advertiu o vice-presidente de estratégia de rede da Telus, Bernard Bureau.

Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G