TIM espeta Highline: Transformar Oi em várias MVNOs não ajuda o cliente

Luís Osvaldo Grossmann ... 30/07/2020 ... Convergência Digital

Em disputa bilionária para ficar com a operação móvel da Oi, a TIM aproveitou a apresentação de resultados nesta quintfeira, 30/7, para alfinetar o modelo proposto pela concorrente pelo ativo, a Highline, de manter uma rede móvel neutra. Além de ressaltar que as regras no Brasil não permitem manter espectro sem oferta comercial, a TIM questionou a viabilidade de a Oi ser transformada em diferentes MVNOs. 

“É uma coisa interessante, porque esse é um mercado que exige inovação. Portanto, se mudar o marco regulatório, talvez também possamos fazer uma avaliação. Até agora faz sentido trabalhar de maneira integrada. Houve sucesso quando envolveu uma tele tradicional e, por exemplo, um grande varejista. Mas vemos players que não conseguiram economia de escala. Temos uma situação em que alguns players não conseguem o mesmo nível de qualidade dos outros. Se transformar esse player em diversos MVNOs, não vai aumentar a frequência para o cliente”, apontou o presidente da TIM Brasil, Pietro Labriola. 

Guerra é guerra. O consórcio entre TIM, Vivo e Claro até aumentou a oferta pela Oi Móvel, para R$ 16,5 bilhões, exatamente na tentativa de bater a proposta da Highline, que está de olho nos demais ativos da Oi com planos de ser um operador neutro tanto no mercado fixo como celular. Além de questionar a viabilidade do modelo, a TIM insistiu que, ao menos por enquanto, a proposta também não cabe no modelo regulatório vigente. 

“A regulação do MVNO no Brasil está em vigor desde 2010. É um negocio já implementado e com regulamento próprio. Por outro lado, um atacadista no mobile está fora do escopo da regulamentação, porque todas as autorizações de espectro e serviços móveis implicam necessariamente em atividade com o cliente final. Então não pode ter espectro sem ter uma oferta de varejo e o cumprimento de todas as obrigações relacionadas”, emendou o vice presidente para assuntos regulatórios e institucionais da operadora, Mario Girasole. 

Impacto da Covid-19

Quanto aos números, a TIM sentiu o impacto da pandemia de Covid-19 e anotou queda de 15% no volume de recargas do pré-pago, o que provocou recuo de 10,7% nas receitas do segmento no segundo trimestre – embora aponte que os dados mais recentes já são melhores que o do início do período. As linhas pré-pagas caíram 8,7%, para 30,7 milhões. 

As receitas com pós pago também tiveram queda, de 1,1%, com a base estável em 21,3 milhões de acessos. Segundo a TIM, o fechamento das lojas afetou novas adesões. Houve bons números na operação fixa, com o segmento de banda larga apresentando crescimento de 20%, para 606 mil acessos. A receita líquida do grupo recuou 6,5% e fechou o trimestre em R$ 3,98 bilhões. Como resultado consolidado, a tele fechou o segundo trimestre com queda de 24% no lucro, que ficou em R$ 260 milhões. 


Internet Móvel 3G 4G
OpenRAN aberta: o xeque-mate do xadrez geopolítico do 5G

Fornecedores precisam  se comprometer mais com a compatibilidade com RAN aberta e os EUA precisam correr  para não perder de vez mercado para Ásia e Europa, advertiu o vice-presidente de estratégia de rede da Telus, Bernard Bureau.

Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G