Clicky

INTERNET

WhatsApp quer mudar PL da Fake News e propõe rastreamento seletivo

Luís Osvaldo Grossmann ... 27/07/2020 ... Convergência Digital

O diretor de políticas públicas do Whasapp, Dario Durigan, apresentou nesta segunda, 27/7, durante debate online sobre o projeto de lei 2630, o PL das Fake News, uma proposta de ajuste no texto já aprovado no Senado, agora na Câmara. Ao ressaltar que a captura massiva de informações de todos os usuários é um dos problemas do PL como está, a plataforma indica o caminho para o rastreamento seletivo de mensagens. 

“A proposta do Whatsapp traz a interação de contas suspeitas, concretas, e não colocando como alvo todos os brasileiros. E que dentro de processos de investigação criminal e depois de uma decisão judicial, as interações das contas, portanto preservado o conteúdo, mas as interações que dizem muito e são importantes para as investigações, são fornecidas para a Justiça. O que mostra quem trocou mensagem com quem, mostra quando essas mensagens foram trocadas, e pode mostrar de que lugar essas mensagens foram trocadas”, disse.

Como defendeu no debate promovido pela Câmara, a “massividade” do texto do Senado é um dos principais problemas do projeto e deve dar lugar ao foco na “desinformação profissional e não o uso, ainda que intensivo, de amigos e parentes. 

“Essa abordagem prospectiva permite que as autoridades identifiquem as estruturas de rede e passem a responsabilizar os responsáveis pela desinformação profissional. É uma proposta muito compatível com as práticas de privacidade, não quebra a criptografia, e se restringe aos suspeitos de investigações criminais. Essa proposta já tem sido testada em casos pontuais e graves, tráfego de drogas e organizações criminosas, e ao Whatsap parece que ela pode ser muito efetiva no combate a operações de desinformação.”

Como insistiu, “essa proposta alternativa é adequada, é eficiente para colaborar com a Justiça e assume o desafio de combater a desinformação profissional, a desinformação nociva, preservando o usuário comum. Preservando as pessoas que a gente conhece, as pessoas da família que têm uma vida ativa nas plataformas, mas que nem de longe são responsáveis criminalmente por esse tipo de desinformação”. 

Segundo Durigan, o Whatsapp está comprometido em “desenvolver medidas de combater a viralidade”. “A massividade da proposta aprovada pelo Senado traz, antes de qualquer medida judicial, que as plataformas de mensageria privada já teriam que coletar informação de todos os usuários, o que garantiria que num futuro incerto se conseguisse rastrear essas mensagens. Isso não é efetivo. Porque o ponto de início dessas cadeias de encaminhamento, pensando na instância, na mensagem, e não no conteúdo, é muito falho e via de regra não mostra quem é o responsável pelo conteúdo.”


Revista Abranet 32 . set-nov 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
O ano de 2020 marca os 25 anos da internet comercial no Brasil e confirma que ela é fundamental para a economia e a vida cotidiana. PIX, Wi-Fi 6, LGPD, white spaces, numeração para SCM... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Proliferação de serviços streaming faz crescer o “consumidor bumerangue”

Segundo a Kantar Ibope Media, no lugar de assinar simultaneamente as várias opções, se torna mais comum a troca constante de serviços. 

TSE desmente notícias e descarta cobrança de multa por justificativa no e-Título

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) esclarece que não procede a informação de que o órgão estaria cobrando indevidamente multa dos eleitores que fizeram sua justificativa via aplicativo e-Título, no último dia 15 de novembro, data do primeiro turno.

Facebook exclui 140 mil postagens com desinformação sobre eleições

Publicações desestimulavam voto ou continham informações erradas. Rede social também informa que rejeitou 250 mil anúncios que não deixavam claro se tratarem de propaganda política. 

WhatsApp bane mais de mil contas após denúncias recebidas em canal do TSE

Plataforma conjunta com o TSE recebeu 4759 denúncias de 27 de setembro a 15 de novembro.

Indicado de Bolsonaro suspende julgamento no STF sobre presidente bloquear cidadãos em redes sociais

Para o relator, Marco Aurélio Mello, Bolsonaro não pode impedir comentários uma vez que não se restringe a publicar temas de ordem pessoal. Kassio Nunes pediu destaque e adiou indefinidamente o julgamento. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G