Clicky

Convergência Digital - Home

Oracle vai para a briga na nuvem pública, mas ambiciona nuvem privada do Governo

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 24/07/2020

A Oracle está preparada para disputar o segundo chamamento da nuvem pública do governo federal e tem a sua estratégia definida para brigar com AWS e Embratel, revela o VP de Serviços Públicos da Oracle, Rodrigo Solon Chaves, em entrevista ao Convergência Digital. O executivo adiciona, porém, que a fabricante se estrutura para ser fornecedora de nuvem privada para órgãos que precisam ter a soberania dos seus dados como, por exemplo, a Receita Federal e o TSE. A estratégia é levar para o governo brasileiro a estrutura do recém-lançado datacenter dedicado regional, com gerenciamento remoto por parte da Oracle, mas com os dados sob a responsabilidade do cliente.

"Usar cloud é uma grande conscientização do governo de estruturar uma infraestrutura comum de tecnologia. No passado, foram criadas muitas salas-cofre e data centers isolados. Isso só fez criar silos de informações, que até hoje não se falam. É como um encanamento de água. Cada um tem o seu que não se comunica. A água não flui. Digitalizar o caos, vai fazer prosseguir o caos com os dados. Tem de se estruturar uma política", pontua Solon Chaves.

A Oracle também negocia com o Serpro para fazer parte da multicloud da estatal de TI. "Estamos viabilizando a nossa participação. O Serpro é um cliente e pode vir a ser um concorrente, mas temos de sentar e conversar. É o jogo", reforça Solon Chaves. A nuvem privada dedicada regional é uma grande aposta para o Brasil por reunir as ofertas de infraestrutura, plataforma e software como serviços dentro da casa do cliente, com gestão da Oracle. "Temos clientes no Japão e estamos trazendo para cá", revela, sem adiantar muitos detalhes.

A Oracle sabe do seu papel no setor público: cerca de 80% de toda a base crítica de dados do governo está rodando em cima da sua infraestrutura. "O setor público sempre abriu caminhos para o setor privado na Oracle", relata o VP de serviços públicos. Uma das apostas para 2020 é a oferta de serviços de software como o ERP 100% cloud.

"Sabemos que há um trauma com o uso do pacote de gestão no Governo. No passado, os projetos levavam um tempo enorme e muitos tiveram vida útil muito curta. Mas hoje, o ERP está na nuvem e projetos complexos são entregues de seis a oito meses. Tudo é feito de forma modular e como serviço, o que nos permite garantir SLA desejado e assegurar a eficiência da TI", completa Solon Chaves.







Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Destaques
Destaques

Brasil investe muito pouco em Inteligência Artificial

O aporte previsto no País é de R$ 70 milhões, muito abaixo, por exemplo do que está sendo feito em países como China, Coreia e Espanha, lamentou o consultor de IA, Eduardo Prado, ao participar do 5x5 TecSummit. Ele advertiu que a transformação digital não acontecerá sem que se mexa nas cabeças das pessoas.

AWS: Nuvem reduz custos em 61% e aumenta eficiência da TI em 74%

O diretor geral da AWS Brasil, Cleber Morais, enfatiza que 2020 foi o ano da disparada na transformação digital e destaca que as instituições financeiras da América Latina estão investindo 76% acima do ano passado em IaaS, PaaS e SaaS. 



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O desafio de administrar toda a rede a partir da nuvem

Por Ed Solis*

De acordo com a consultoria Omdia, o mercado de redes gerenciadas em nuvem cresce a uma taxa anual composta de 28,7%, com receitas de equipamentos previstas em US$ 5,5 bilhões

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site