Home - Convergência Digital

Anatel lança aplicativo que compara ofertas das operadoras

Luís Osvaldo Grossmann - 23/07/2020

A Anatel lançou oficialmente nesta quinta, 23/7, um aplicativo que compara ofertas de serviços de telefonia fixa e móvel, TV paga e banda larga, em uma iniciativa que busca dar maior transparência e facilitar a escolha na hora de contratar um plano de celular ou internet. 

“A maior virtude da ferramenta é o incremento da transparência, com informações sobre as ofertas que serão continuamente atualizadas, em compromisso das operadoras”, afirmou o presidente da agência, Leonardo de Morais, ao apresentar o app. 

Obrigatório para as empresas com mais de 5% de mercado, ele traz ofertas da Claro, Oi, Sky, TIM e Vivo. Facultativo às prestadoras de pequeno porte, já tem também a adesão da Algar, Brisanet e Cabo Telecom, onde as ofertas são disponíveis. E outras 50 empresas já indicaram interesse em incluir seus planos no app da agência. As interessadas podem se inscrever pelo email gaac@anatel.gov.br. 

Segundo o superintendente de competição da Anatel, Abraão Silva, o app nasce com 380 ofertas, sendo 114 de telefonia móvel, 123 de fixa, 74 de TV por assinatura e 69 de banda larga fixa. Mas a atualização é constante e varia a depender do município, por enquanto a menor granularidade disponível. Nesta mesma quinta, em Brasília, já eram listadas 140 planos de celular. Em São Paulo, 139, por exemplo. 

Por enquanto, a pesquisa é feita por serviço (telefonia fixa, celular, TV paga e internet) com os planos disponíveis em cada município selecionado. A partir dessa lista geral, é possível filtrar pelo nome da oferta, operadora, modalidade (pré, pós ou controle) e por intervalo de preço, além de exigência ou não de fidelização. A próxima atualização, em 90 dias, vai incluir a possibilidade de comparar ‘combos’.

“São alguns elementos de comparação, além do preço, mas que às vezes ficam no asterisco, na letra miúda do contrato. Então a gente espera que o Anatel Comparador traga clareza a esses elementos. Ele conta com empenho das prestadoras, mas a gente também espera participação da sociedade. É importante que haja comentários, feedbacks para que o aplicativo evolua. A gente espera que os consumidores façam uso e tragam elementos para a Anatel”, apontou a superintendente de relações com os consumidores, Elisa Leonel.

As empresas devem assinar termo de compromisso que garante fidedignidade e atualização nas ofertas. Daí os termos apresentados no aplicativo serem vinculantes como se tivessem sido colocados em publicidade. O desenho inicial do app é de 2015, quando um piloto foi feito com recursos do Fundo de Direitos Difusos do Ministério da Justiça. A versão final disponível foi completamente desenvolvida por servidores da Anatel. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/10/2020
Punição por punição enclausura a Anatel e não produz resultado

19/10/2020
Comissão de Infraestrutura aprova Carlos Baigorri para Anatel

16/10/2020
Claro deve indenizar em R$ 5 mil cliente que perdeu tempo por mau atendimento

15/10/2020
Em três meses, Anatel e PF apreendem mais equipamentos irregulares que em todo 2019

14/10/2020
Para vender Correios, Minicom transforma Anatel em Agência Nacional de Comunicações

09/10/2020
Reordenamento do uso dos postes tem custo estimado em R$ 20 bilhões pela Anatel

08/10/2020
Anatel, por Covid-19, autoriza Claro a adiar lançamento de novo satélite

07/10/2020
Anatel discute atualização de procedimentos para medir radiação de equipamentos de telecom

02/10/2020
MPF processa Anatel e Algar por qualidade de celular no Triângulo Mineiro

02/10/2020
Oi leva multa de R$ 800 mil por bloqueio após consumo da franquia

Destaques
Destaques

Conexão no campo pode render até R$ 50 bilhões em dois anos

Estudo do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) revela que, hoje, faltam quase 15 mil antenas e torres para ofertar o serviço necessário para a digitalização do agronegócio. Os números foram revelados no Painel Telebrasil 2020.

Vitor Menezes, Minicom: Vamos brigar por um leilão 5G não arrecadatório

O Ministério das Comunicações sinalizou às operadoras que trabalha para convencer os colegas de Esplanada a concentrar os valores envolvidos no leilão do 5G em compromissos de cobertura, minimizando o preço a ser pago ao Estado, afirmou o secretário de Telecomunicações, Vitor Menezes, ao participar do Painel Telebrasil 2020.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Internet 5G traz disrupção para Telecomunicações até no modelo de negócio

Por Eduardo Grizendi*

Na RNP, estabelecemos um objetivo estratégico ambicioso – o de prover uma ciberinfraestrutura, segura, de alto desempenho e disponibilidade e, ao mesmo tempo, ubíqua, onipresente, em qualquer lugar e a qualquer hora, para nossas comunidades de educação, pesquisa e inovação.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site