Clicky

Convergência Digital - Home

Home office e comércio eletrônico salvaram 2020 dos data centers no Brasil

Convergência Digital
Convergência Digital* - 23/07/2020

Os provedores de serviços em nuvem pública perceberam, com a pandemia, a importância de oferecer software e serviços para viabilizar a infraestrutura híbrida para as organizações, aponta estudo do ISG que avaliou o mercado de nuvem híbrida e privada no país nos primeiros meses de isolamento social.

“Houve uma redução em algumas demandas no setor, mas, por outro lado, o comércio eletrônico registrou aumento e o trabalho remoto demandou mais da infraestrutura. O e-commerce e o home office forçado e repentino sustentaram até agora os data centers”, diz Pedro L. Bicudo Maschio, autor da pesquisa do ISG e Analista da TGT Consult.

Apesar do impacto econômico sem precedentes da Covid-19, nenhum dos 59 provedores participantes da pesquisa parou suas operações em abril. Ao contrário. Os que tinham na carteira clientes de comércio eletrônico, tiveraram que investir em mais  processamento e largura de banda para suportar o incremento do volume de transações.

O estudo sinaliza que os  isolamento social transformou as empresas sem nuvem em obsoletas e muitas, que resguardavam os projetos em cloud, admitiram ter parte dos seus sistemas rodando em nuvem para suportar a migração do escritório para home office. O relatório ressalta que muitos provedores de serviços no Brasil apostam nas novas tecnologias como inteligência artificial e computação cognitiva para dar suporte à automação de serviços gerenciados.

Tanto que algumas das empresas pesquisadas admitiram a automatização de até 70% das solicitações de serviços e resolução de incidentes. O levantamento do ISG constata que, agora, os fornecedores estão focados em confiança zero, microssegmentação, SD-WAN e IA para identificação e resposta a ameaças.


Destaques
Destaques

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.

TIM une big data,LPA e robôs para controle do pagamento de impostos

Operadora elegeu a inteligência artificial para processar grandes e complexos volumes de dados com o SAS e a KPMG. Investimento ficou em torno de US$ 500 mil, ou R$ 2,65 milhões, mas parte dele já foi recuperado em pouco mais de seis meses.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site