Clicky

GESTÃO

Liquidar Ceitec vai custar R$ 300 milhões ao Governo

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/07/2020 ... Convergência Digital

Empregados do Ceitec reúnem-se na próxima semana com o secretário especial de desestatização, José Salim Mattar, para alertar que a liquidação da estatal do chip custa mais caro que a economia em cortar o oxigênio da empresa na antevéspera da independência financeira. 

A recomendação pela dissolução foi formalizada pelo conselho do Programa de Parceria de Investimentos e tudo indica se sustentar em que apesar de aportes de R$ 800 milhões em duas décadas, a estatal ainda depende de injeções anuais de pelo menos R$ 50 milhões para cobrir a diferença entre receitas e despesas. 

Números do próprio PPI projetam, no entanto, que essa diferença deixa de existir até 2028, mesmo no cenário mais pessimista. E essa trajetória pode ser acelerada para um balanço no azul na metade do tempo estimado, a julgar pelo plano dos empregados, que envolve cortes de custos e salários e perspectivas comerciais já em curso. 

“O faturamento tem aumentado. De 2017 a 2019, dobrou. De 2019 a 2021 vamos dobrar de novo. Portanto cada vez vai custar menos em termos de investimento para o governo. Temos um plano de gestão para em quatro anos chegar no zero a zero. Quer dizer, em quatro anos o governo não precisar investir nada”, diz o engenheiro Júlio Leão, porta voz da associação dos colaboradores do Ceitec, que reúne 80% dos 180 empregados. 

É menos do que vai custar a liquidação da estatal. “Se o Ceitec fechar, precisa de R$ 300 milhões para descomissionar os equipamentos. Porque não estamos falando de simplesmente tirar da tomada. É um parque com químicos, com gases tóxicos. Precisa fazer uma licitação internacional para selecionar uma estrangeira, licenciada para isso, vir desconectar”, afirma Leão. 

Do ponto de vista mais amplo, o Ceitec já se pagou. Ainda conforme dados do PPI, é a segunda estatal que menos recebeu aportes públicos, aqueles R$ 800 milhões, mas em volta do qual foi criado um ecossistema privado que hoje fatura mais de R$ 3 bilhões por ano. 

Os empregados do Ceitec acreditam, no entanto, que há motivos financeiros concretos para convencer o comissário de privatizações, com base na curva de faturamento e inputs até aqui não considerados pelo governo. A empresa já está no mercado de chips de logística. Tem a patente que lhe garante o fornecimento global de chips RFID para os pneus da Pirelli. Tem acordo comercial para fornecer sensores de saúde, em nova linha que pode ser expandida para o setor agrícola. 

“Inventamos um processo de fabricação inédito de sensores e estamos depositando patentes. Já temos protótipos homologados. Temos clientes comerciais alinhados e podemos começar ainda em 2021, com capacidade reduzida, e em 2022 com plena capacidade. E a partir desse caminho na área médica, abre-se um similar na agricultura, pelo desenvolvimento de sensores nessa área, que medem umidade, temperatura”, diz o porta voz da ACCeitec.

Ao lado de perspectivas comerciais concretas, o plano dos empregados envolve a redução de custos com salários e operacionais. “Na nossa proposta, a gente consegue trazer aqueles valores para mais cedo. Tem readequações de custos em RH, em custo operacional de fábrica, e já estamos falando em redução de 10% a 15% do custo operacional. Temos uma proposta agressiva no RH, com redução de 14% da folha. São dados que o PPI não tem. Em cinco anos a empresa estará se pagando. Se esperar, o governo vende parte da participação com lucro e ainda garante ganhos futuros”, completa Leão. 


Carreira
Multinacional de TIC oferece 5 mil bolsas de estudos em cursos de programação

A GFT, especializada em transformação digital e projetos ágeis, promete ainda a contratação de 70 estagiários. Inscrições acabam no dia 24 de janeiro e o treinamento gratuito vai do básico ao avançado em Java e .NET (C#), além de abordar outras tecnologias para desenvolvimento de páginas web como HTML, JavaScript e CSS.

Com uso de Blockchain, MEC lança Diploma Digital

Solução criada pela RNP faz parte de projeto para criação de um ‘datalake’ educacional, em desenvolvimento pela do Ministério da Educação. 

Itaú moderniza 1 petabytes de Banco de Dados com a Oracle

Migração envolveu quase 300 aplicações distintas e distribuídas, conta Edilson Albuquerque, gerente de infraestrutura do Itaú Unibanco. "É como trocar a turbina do avião em pleno voo", adiciona o vice-presidente da Oracle, José Eduardo Ferreira.

Dynatrace: empresas precisam vencer o desafio de ser eficiente em tempo real

Fernando Mellone, senior territory manager, afirmou que a tecnologia está disponível para permitir essa transformação e fornecer o “software perfeito” para qualquer setor ou segmento.

LGPD: Governo descobre que coleta muito mais dados do que precisa usar

“Começamos a entender que o governo não precisa de todos os dados que coleta. E isso é um risco à luz da LGPD”, afirma o secretário de Governo Digital, Luis Felipe Monteiro. 




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G