Home - Convergência Digital

Home office pesou no bolso dos trabalhadores

Da redação - 22/07/2020

Os funcionários que estão trabalhando de casa sentem que estão mais conectados e produtivos do que nunca, mas os dados mostram lados negativos relacionados a finanças, saúde emocional e física na força de trabalho global, revela a pesquisa "Tecnologia e o Mundo do Trabalho em Evolução" ("Technology and the Evolving World of Work, em inglês) investiga como os funcionários estão respondendo ao "novo normal" mundo afora, feita pela Lenovo.

"Os dados nos deram informações valiosas sobre a relação complexa dos funcionários com a tecnologia enquanto vida pessoal e trabalho estão mais interligadas com o aumento do trabalho remoto", comenta Dilip Bhatia, Vice-Presidente Global de User and Customer Experience na Lenovo. "Os entrevistados se sentem mais confiantes em seus computadores corporativos e mais produtivos, mas se preocupam com segurança de dados e querem que seus empregadores invistam mais em treinamento para tecnologia", adiciona.

O levantamento mostra que os entrevistados se sentem mais conectados aos seus dispositivos do que nunca, uma vez que o escritório pode ser em qualquer lugar onde a tecnologia está. Numericamente, 85% dos pesquisados no mundo e 89% no Brasil sentem maior confiança em seus PCs de trabalho do que sentiam quando trabalhavam no escritório. Além disso, quase dois terços (63% no mundo e 69% no Brasil) dos funcionários entrevistados sentem que são mais produtivos trabalhando de casa do que quando estavam no escritório. Cinquenta e dois por cento dos respondentes no mundo e 54% no Brasil acreditam que continuarão a trabalhar de casa mais do que trabalhavam antes da COVID-19 – mesmo quando as medidas de distanciamento social deixarem de ser necessárias.

Essa nova confiança no trabalho remoto, observa o estudo da Lenovo, aumenta a necessidade das organizações em ter soluções de TI customizáveis e modernas para serem adotadas em escala. Setenta e nove por cento dos participantes no mundo e 84% no Brasil concordam que eles têm sido a própria "pessoa da TI" enquanto trabalham de casa e a maioria dos entrevistados acredita que os empregadores devem investir mais em treinamentos de tecnologia para melhorar o home office no futuro.

Devido à mudança repentina para o sistema de home office causada pela pandemia, os funcionários dizem que eles tiveram que fazer investimentos em tecnologia com o próprio dinheiro para melhorar suas condições de trabalho. Tanto é assim que 70% dos funcionários entrevistados em todo o mundo (65% no Brasil) disseram que gastaram com tecnologia para trabalhar de casa. Quase 40% dos entrevistados (25% no Brasil) tiveram que pagar parcialmente ou integralmente pelos upgrades nos dispositivos do próprio bolso. Entrevistados no Brasil disseram ainda que gastaram em média R$ 1.027,00 (cerca de US$ 191) para atualizar ou melhorar seus equipamentos para trabalhar de casa durante a pandemia, contra média global de US$ 273 entre os 10 mercados pesquisados.

Saúde mental e física

O levantamento mostra ainda que a saúde foi afetada. Novas meios de trabalho trouxeram também novas dores. 71% dos pesquisados (74% no caso do Brasil) reclamam de novas ou agravadas condições de saúde, que incluem dores de cabeça, costas, pescoço e dificuldade para dormir, entre outras. Ter uma configuração adequada para o home office é importante para minimizar o desconforto, incluindo móveis adequados, monitores externos maiores com ajuste ergonômico e ao nível natural dos olhos. Também é importante reservar tempo para pequenas pausas, já que intervalos ocorrem de maneira diferente à do trabalho no escritório.

Além de elementos físicos, os funcionários listam outros desafios ao trabalhar de casa, como redução no contato com colegas, dificuldade em separar vida profissional e pessoal, dificuldade na concentração no expediente devido a distrações em casa. Treinamento e implementação de tecnologias de videoconferência de alta qualidade, fones de ouvido com cancelamento de ruído externo e câmeras no PC, tablet ou smartphone de trabalho podem ajudar as pessoas a se sentirem mais conectadas aos seus colegas e diminuir distrações em casa.

De modo geral, os entrevistados expressaram os mais variados sentimentos sobre trabalhar no mundo pós-COVID, com alguns funcionários que disseram estar felizes (27% global e 34% brasileiros) e empolgados (21% global e 30% brasileiros) sobre poder trabalhar de casa para sempre, alguns se sentiram neutros (22% global e brasileiros) e conflitantes (17% global e 16% brasileiros). Por esse motivo é importante oferecer flexibilidade aos funcionários e equipamentos adequados para o home office, para que eles não precisem gastar seu próprio dinheiro com melhorias tecnológicas para o trabalho.

O estudo do Lenovo Intelligent Devices Group "Tecnologia e o Mundo do Trabalho em Evolução"  explorou a perspectiva de adultos empregados em 10 mercados - Estados Unidos, Brasil, México, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, China, Índia e Japão - como um recurso para líderes de negócios e fornecedores de tecnologia em todo o mundo entenderem as necessidades dos funcionários em meio a uma mudança impactante em sua maneira de trabalhar. Entre os dias 8 e 14 de maio de 2020, foram entrevistadas 20.262 pessoas sobre sua experiência com a tecnologia no local de trabalho e o impacto do COVID-19 em suas preferências, conectividade e equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/09/2020
Oi prorroga home office até janeiro de 2021

18/09/2020
Paul Krugman: crise econômica está longe de passar no mundo

18/09/2020
Bradesco: Empresas entenderam na dor as mudanças impostas pela Covid-19

17/09/2020
Natura: sistemas na nuvem foram aliados para enfrentar a Covid-19

16/09/2020
Claro e TIM, por R$ 3 milhões/mês, fornecem internet para 540 mil no Distrito Federal

09/09/2020
Volta ao escritório pós-Covid-19 chega a 62% até dezembro

03/09/2020
Sem interesse das teles, Brasília estuda isenção de ICMS para internet de alunos

03/09/2020
Economia do governo com teletrabalho bate em R$ 691 milhões

02/09/2020
Governo retira Covid-19 da classificação de doença ocupacional

31/08/2020
Covid-19: software para laboratórios permite colher dados de 5 mil pacientes por dia

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

A Escola Nacional de Administração Pública estima que, por conta da Transformação Digital, a automação deverá substituir cerca de 100 mil postos de trabalho no Serviço Público Federal nos próximos cinco a 10 anos, sendo que a metade deles terá menos de 50 anos.

Acordo trabalhista em Goiás será pago em Bitcoins

Em conciliação realizada pelo TRT de Goiás, empresa de mineração aceitou o pagamento no valor de R$350 mil convertidos na moeda eletrônica. 

Teletrabalho: Novo PL quer acordo prévio para custos com Internet e PCs

Iniciativa também não permite que o tempo de uso dos aplicativos, como o WhatsApp, fora da jornada normal, seja um regime de prontidão. Projeto tem regras distintas da IN 65 do Governo Bolsonaro para os servidores públicos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site