Clicky

OPINIÃO

Última chance para não deixar a Imprensa morrer com a Internet

Por Luiz Queiroz*
18/07/2020 ... Convergência Digital

Tramita no Congresso Nacional o Projeto de Lei 2.630/20, que visa criar uma “Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet”, mais conhecida pela lei de combate às Fake News. A proposta é muito maior que isso. Pode trazer profundas mudanças na Internet brasileira, até então regida pelo Marco Civil da Internet de 2014.

E se os deputados e senadores entendem que chegou a hora de rediscutir práticas e procedimentos na internet brasileira, então não podem descartar de ao menos debater o papel da imprensa nesse contexto, como forma até de se combater a desinformação e as Fake News. A desinformação, por si só, já é o primeiro nó do enfrentamento, pois qual o seu conceito, o que seria “desinformação”?

Não há uma definição clara e os parlamentares estão optando por não entrar nessa discussão agora, porque isso pode levá-los a um longo período de debates acalorados até que se chegue a um pretenso consenso. O que foge ao espírito deste projeto e da urgência com que o Legislativo tem empregado pela aprovação dele.

Mas há um ponto ficou em aberto nessa discussão de mais um novo marco legal para a Internet brasileira, que não entrou em 2014 no Marco Civil da Internet e deveria estar entrando no radar político em 2020, só que não.

Vem sendo postergado com eventual promessa de mais à frente um novo projeto de lei tramitar no Congresso Nacional tratando exclusivamente do assunto: a remuneração do conteúdo jornalístico pelas grandes plataformas e provedores de aplicações, que se valem deles para auferir lucro com as grandes receitas publicitárias.

Esse tema chegou a se materializar num artigo proposto no PL2.630, quando tramitou na primeira fase no Senado, mas a ideia misteriosamente foi suprimida do texto pelo relator Ângelo Coronel. Por quê? Talvez porque no Brasil o Google e o Facebook – além de todos os demais provedores de aplicações, incluindo os grandes portais brasileiros que agregam conteúdos desses gênero, produzidos por pequenas empresas jornalísticas – têm força junto ao parlamento para impedir que tal assunto prospere até mesmo em debates. Eles têm conseguido barrar qualquer iniciativa que vise remunerar o conteúdo de jornalistas, que foram obrigados a se lançar em “voo solo” porque já não existe mais espaço para trabalhar em redações.

Até quando o Brasil irá assistir a esse jogo de pressão parlamentar destas companhias não sei. Mas não tarda para o país acordar e melhor hora como esta, em que se discute profundas mudanças na Internet brasileira, não há. O Brasil não está na vanguarda deste assunto, mas curiosamente vem fugindo dele, apesar de ser desde 2009 signatário da “Declaração de Hamburgo”, lançada após encontro do Conselho Europeu de Publishers e da Associação Mundial de Jornais. Naquela reunião, ficou definida a proposta de lutar contra essas corporações pelo direito à remuneração do conteúdo jornalístico.

Países como a França e Espanha já caminham nessa direção após deliberação de suas autoridades antitruste. A Austrália também deve anunciar medidas contra essas empresas, em favor da remuneração do conteúdo jornalístico, o que está previsto para ocorrer nas próximas semanas.

O Google usa como argumento recorrente, a possibilidade dos sites jornalísticos e até mesmo os grandes jornais terem como opção não serem indexados por sua ferramenta de busca. Seria lógico se o Google tivesse concorrentes de peso no mercado. No Brasil estima-se que o seu sistema operacional Android esteja em 95% dos smartphones e a concorrência para a sua ferramenta de busca seja inexistente no país.

Portanto o tema é grave, urgente. Espero que algum parlamentar tome conhecimento da situação enquanto ainda há tempo de debater e inserir dispositivo que ajude a corrigir esse erro. Combater a desinformação, notadamente irrigada até com dinheiro dessas plataformas, quando não de governos, também passa pelo confronto dele com um conteúdo jornalístico de qualidade. Mas que vem morrendo sem a devida sustentação financeira para o empreendimento, embora gere receitas publicitárias para quem apenas o distribui.

*Luiz Queiroz é jornalista e responsável pelo site Capital Digital


Carreira
Brasileiros admitem vazar dados em troca de benefícios pessoais

Pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa do Risco Comportamental (IPRC), em 24 empresas privadas do país, mostra que apenas 1/3 dos profissionais ouvidos têm  consciência de que o dado é um bem da organização. O restante admite não guardar sigilo das informações.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G