Wi-Fi 6 pode chegar ao Brasil ainda em 2020

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/07/2020 ... Convergência Digital

O Brasil está perto de usar o Wi-Fi 6, e com isso uma nova geração de roteadores domésticos. Até aqui a Anatel vai na linha do que propõe a FCC dos EUA e expandiu em 1,2 GHz o naco de espectro disponível para essa nova onda tecnológica. Mas já há pleitos de operadoras e fornecedores em defesa do modelo europeu, que cortou essa fatia pela metade e sinaliza destinar o resto para a telefonia móvel. Wi-Fi 6.0 será tema de um webinar promovido pelo Convergência Digital e pela Network Eventos, no dia 30 de julho.

“Recentemente a agência decidiu considerar o uso de 5,925 GHz a 7,125 GHz como sendo de radiação restrita, não licenciada. Adequado, portanto, ao uso para as redes WiFi 6, que é a aplicação massiva de harmonização de escala mais provável. Até o fim de julho estamos fechando a proposta de requisitos técnicos das condições de uso, que serão depois submetidos ao processo de certificação dos novos equipamentos”, explica o superintendente de outorgas e recursos à prestação da Anatel, Vinicius Caram. 

“Estamos no mesmo timing dos Estados Unidos e da Comunidade Europeia. Nos EUA, a promessa é que as vendas de equipamentos WiFi 6 comecem no Natal. No Brasil, nossa expectativa é tentar disponibilizar equipamentos ainda para o final do ano. Mas as condições de uso ainda precisam passar por consulta pública”, completa o superintendente. 

As versões de Wi-Fi em uso se valem da faixa de 2,4 GHz e de 5 GHz. Em maio, a Anatel inclui o mencionado naco de 5,9 a 7,1 GHz na mesma categoria – radiação restrita, espectro não licenciado. Agora vêm as condições de uso, que no caso vão restringir essencialmente a utilização em conexões indoor (VLP e LPI). “Não pode ser outdoor porque no Brasil temos parte da faixa em uso por serviços fixos, fixos por satélite e SARC, em 6,4 GHz, 6,5 GHz e 6,7 GHz”, explica Caram. 

Pela forma como adotado pela Anatel, essa destinação também permite uso pelo chamado 5G NR-U, de ‘new radio unlicensed’, mas isso depende de avanços na tecnologia de alocação dinâmica de espectro e do chamado automatad frequency coordination. Mas já existe movimento das operadoras de telefonia celular para ficar com um pedaço desse espectro. 

“A Europa optou neste primeiro momento em consignar apenas uma parte dessa faixa, que no Brasil e nos EUA vão até 7,125 GHz. Preferiram deixar 5,925 a 6,425 GHz como radiação restrita, e promover o WiFi 6 inicialmente em apenas 500 MHz. Na prática seguindo o que a indústria está propondo, uma vez que o IMT quer fazer uso desse espectro como licenciado”, adianta o superintendente de outorgas da Anatel. 

A proposta, levada à União Internacional das Telecomunicações é discutir o uso desse pedaço do espectro pelo IMT – ou seja, as tecnologias móveis – na WRC de 2023. E segundo Caram, movimento na mesma direção já chegou ao Brasil, com pedidos semelhantes ao regulador. 

“As prestadoras e a indústria estão batendo na porta da Anatel para rediscutir a destinação desses 1,2 GHz para não licenciado. Elas consideram ser razoável revisitar e seguir a linha europeia, deixando metade para radiação restrita e esperar o que vai acontecer.” O tema está à mesa e o portal Convergência Digital e a Network Eventos realizam, no dia 30 de julho, um webinar reunindo indústria, regulador e prestadores de serviços para discutir o impacto da tecnologia no mercado de banda larga no Brasil. O Webinar é gratuito e terá transmissão ao vivo no Convergência Digital e no canal do You Tube, do Convergência Digital.


Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G