Clicky

INOVAÇÃO

Governo discute regras para uso de drones na agricultura

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/07/2020 ... Convergência Digital

O Ministério da Agricultura abriu uma consulta pública, por 60 dias, para discutir regras para o uso de drones em atividades agropecuárias. Notadamente para aplicação de agrotóxicos e afins, adjuvantes, fertilizantes, inoculantes, corretivos e sementes, etc. 

Em forma de instrução normativa, ela trata dos equipamentos das classes 2 e 3 da ANAC, ou seja, drones com 25 a 150 quilos e de 25 gramas a 25 quilos, respectivamente – drones maiores de 150 quilos são tratados na regra específica de aviação agrícola. 

A proposta exige que todos os operadores de drones de pulverização, seja pessoas físicas ou jurídicas, tenham registro no Ministério, qualificados para operar os equipamentos e aplicar o produto com segurança. Empresas precisam contar com engenheiro agrônomo, piloto agrícola remoto certificado pelo MAPA e técnico agrícola com curso de executor em aviação agrícola para as missões em campo.

No caso dos agricultores, será preciso contratar um engenheiro agrônomo e piloto agrícola remoto certificado. Tanto as empresas, quanto os agricultores terão que fazer os relatórios técnicos de cada operação, que deverão ser guardados por, no mínimo, dois anos e ficarão à disposição de eventuais fiscalizações do Ministério.

Entre as normas previstas, não será permitida a aplicação aérea de agrotóxicos e afins, adjuvantes, fertilizantes, inoculantes, corretivos e sementes em áreas situadas a uma distância mínima de 50 metros de povoações, cidades, vilas, bairros, de mananciais de captação de água para abastecimento de população, cursos d’água, nascentes, moradias isoladas e agrupamentos de animais e pessoas não envolvidas com a operação. Além disso, deve ser respeitada a altura máxima de voo, de até dez metros acima da cultura alvo.


Ericsson processa Samsung por patentes em briga de até R$ 900 milhões

Impacto faz parte da projeção da fabricante sueca no lucro com royaltes que pode deixar de receber no trimestre.  Essa não é a primeira batalha entre as empresas. Em 2012, a Samsung pagou US$ 650 milhões à Ericsson.

Huawei: setor elétrico tem de priorizar cibersegurança para evitar apagões

Flávio Hott, gerente de produto para Energia da fabricante, disse ainda que smart grids em 4G, e depois no 5G, são investimentos efetivos para melhorar o desempenho operacional das redes.

Copel vai investir R$ 3,5 bi em redes inteligentes

Presidente da estatal, Daniel Slaviero, prevê também a chegada da compra direta de energia pelo consumidor até por celular, como ocorre na Europa. A partir de 02 de janeiro, começa a instalação dos medidores inteligentes em 450 mil unidades.

Dynatrace: Na saúde, o software tem de ser perfeito para garantir a jornada digital

A saúde digital aumenta a complexidade dos ambientes internos de TI, observou Marco Aurelio Silva, territory manager da Dynatrace, ao participar do 5X5 TecSummit.

Huawei: interoperabilidade é chave para a transformação digital

5G, Inteligência Artificial, nuvem, computação de alto desempenho e desenvolvimento de novos aplicativos são os motores da jornada digital no governo, afirmou o executivo da Huawei Brasil, Ricardo Carrion Mansano.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G