Clicky

INCLUSÃO DIGITAL

Escolas viram telecentros para quem não tem acesso à Internet

Convergência Digital* ... 07/07/2020 ... Convergência Digital

Os telecentros têm um papel relevante para a formação de comunidades locais no que se refere ao uso das TIC, pontua o Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), que divulgou nesta terça-feira, 07/07, os resultados da segunda edição da pesquisa TIC Centros Públicos de Acesso que mapeou as principais características dos telecentros que receberam algum apoio do governo federal para ofertar gratuitamente acesso à Internet.

O levantamento apurou que os telecentros disponibilizaram computador com acesso à Internet para o público nos três meses anteriores ao estudo, 55% ofereceram cursos relacionados ao uso do computador, 50% sobre utilização da Internet e 39% cursos de capacitação profissional. Além disso, oito em cada dez centros públicos de acesso contam com monitores para orientar os usuários. Em 2019, esses ambientes eram utilizados, em sua maioria, para pesquisa escolar (96%), digitação de currículos ou outros documentos (75%), utilização de CD, DVD e pendrive (74%) e para o acesso à Internet por conexão via Wi-Fi (63%).

"Esses espaços são essenciais para suprir a falta de acesso à Internet e à dispositivos eletrônicos, especialmente em localidades que ainda enfrentam dificuldades de uso da rede no âmbito domiciliar como nas áreas rurais, e entre os indivíduos que não possuem recursos para estarem conectados", explica Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

A pesquisa aponta ainda que cerca de metade dos telecentros em funcionamento das regiões Nordeste e Centro-Oeste oferece capacitação profissional, enquanto no Sul o percentual cai para 30%. Cursos relacionados ao uso da Internet também foram mais frequentes entre os centros públicos de acesso das regiões Nordeste (62%) e Centro-Oeste (56%), sendo que na região Norte a proporção foi de 38%.

Conexão à Internet

A qualidade e a velocidade da conexão oferecida nesses ambientes tiveram um avanço em relação a primeira edição da pesquisa, realizada em 2013. Na época, constatou-se que a conexão via cabo era oferecida a apenas 19% desses telecentros, e as principais formas de acesso à Internet eram via satélite (53%) e linha telefônica - DSL (26%). A TIC Centros Públicos de Acesso 2019 mostra que a conexão via cabo já é realidade para 70% desses estabelecimentos, seguida de conexão via fibra óptica (36%) e satélite (23%). A velocidade de conexão também apresentou melhorias. Em 2013, a faixa mais oferecida era a de até 1 Mbps (41%). Hoje, 19% desses espaços contam com velocidade de conexão acima de 5 a 10 Mbps e 27% deles, com conexão de 1 até 5 Mbps.

Os dados de 2019 mostram que a maior parte dos telecentros está localizado em instituições ligadas às áreas da educação e da cultura como escolas (31%) ou bibliotecas (22%), e 9% em associações comunitárias ou entidades assistenciais. Em menores proporções, os telecentros também estão localizados em centros culturais (6%), na própria prefeitura dos municípios (5%) e em organizações não governamentais (5%). No Norte do país, cerca de sete em cada dez telecentros foram instituídos em escolas (69%); no Sul, o local mais citado foram as bibliotecas (37%); no Nordeste 15% dos telecentros estavam em associações comunitárias ou entidades assistenciais.

"Os benefícios da implementação de telecentros para a promoção da inclusão digital podem ir além de garantir o acesso à rede, auxiliando também no fomento ao uso e à apropriação das tecnologias pela população, promovendo a ampliação das habilidades digitais de seus usuários", avalia Barbosa. Geralmente, os telecentros são administrados por uma entidade do setor público: 72% deles são administrados pela esfera municipal, sendo pequena a parcela gerida diretamente pelos governos estaduais (7%) e federal (6%). Do total de telecentros apoiados pelo governo federal, foi estimado que 32% estão no Sudeste, 29% no Nordeste, 15% no Sul, 14% no Norte e 10% no Centro-Oeste do País.


Telesat e TIM testam uso de satélite LEO para backhaul e 5G

Durante os cinco dias de testes, as equipes mediram o desempenho do tráfego de dados nas aplicações móveis 4G utilizando o satélite LEO, atingindo uma latência média de 38ms.

Guarulhos é o primeiro aeroporto do mundo com Wi-Fi em OpenRoaming

Serviço está disponível no terminal internacional, 3, do maior aeroporto da América Latina. O OpenRoaming permite roaming automático e contínuo entre as redes Wi-Fi e de celular, Wi-Fi 6 e 5G.

Desbancarizados movimentam cerca de R$ 800 bilhões por ano

"Pode parecer clichê, mas a empatia e a confiança são essenciais. O novo onboarding não é só tecnologia. É cultura e pessoas", afirma o gerente de soluções da diretoria de Tecnologia do BB, Eric Flavio Araújo.

Com R$ 1,3 milhão do BID, Anatel vai medir falta de internet a cada 600 metros

Nas contas do BID, Brasil precisa de R$ 100 bilhões para alcançar média de penetração da banda larga dos países da OCDE.

Telebras renova uso de fibras da Petrobras por R$ 59,8 milhões

Estatal também prorrogou acordos que garantem backbone com empresas de energia do grupo Eletrobras.

IBGE: Internet chega a 82% dos domicílios, mas 40 milhões de brasileiros seguem sem acesso

Segundo dados da PNAD de 2019, rendimento médio dos lares com internet (R$ 1,5 mil) era o dobro daqueles sem conexão (R$ 728). A desigualdade digital segue sendo uma marca do segmento Internet no Brasil.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G