Clicky

Home - Convergência Digital

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Convergência Digital - 03/07/2020

A alta do dólar e a falta de componentes, provocada pela redução nos embarques chineses com a pandemia de Covid-19, derrubou a venda de celulares no Brasil. Os números do primeiro trimestre indicam uma queda de 8,7%, sendo ainda mais aguda entre os modelos mais simples, os feature phones, que recuaram 22,4%. 

A depender do tipo de aparelho, houve aumento de até 266% nos preços, o que fez a venda de celulares ‘piratas’ disparar 135%, segundo apontam os números divulgados pela IDC Brasil. "Estávamos otimistas no início do ano. Fechamos janeiro com alta de 14%, mas com a proximidade da pandemia de Covid-19 as vendas começaram a cair", aponta a consultoria.

Entre janeiro e março foram vendidos oficialmente no Brasil 10,4 milhões de celulares, 8,7 % a menos do que no mesmo período do ano passado. Do total, 9,8 milhões foram smartphones, queda de 7,8%, e 544 mil foram feature phones, retração de 22,4% em relação ao primeiro trimestre de 2019. 

Como apontado no levantamento, a situação foi se agravando. Enquanto em fevereiro a queda nas vendas foi de apenas 4%, reflexo do desabastecimento do varejo, o recuou chegou a 27% em março, com o início da quarentena e fechamento do comércio. 

No mercado oficial, a receita com smartphones foi de R$ 14,5 bilhões e a de feature phones, R$ 96 milhões, respectivamente, 6,2% e 25,9% maior do que no mesmo período do ano passado. Desempenho diretamente associado ao aumento dos preços – a alta foi, em média, de 15,1%, por conta da desvalorização do real. 

Assim, o preço médio de um aparelho foi de R$1.473. Os mais vendidos, com 5,1 milhões de unidades, foram os intermediários premium, com preço entre R$ 1000 e R$ 1999, alta de 53%, e os da categoria premium, entre R$ 2000 e R$ 2999, com 1,2 milhões de unidades e 266,5% de aumento em relação a janeiro e março de 2019. Os feature phones ficaram 62,1% mais caros, custando em média R$ 177. 

No mesmo período foram vendidos no mercado cinza 1,1 milhão de smartphones, alta de 135% em relação ao primeiro trimestre de 2019 – ajudados pela queda de 10% nos preços dos ‘piratas’. Nem isso ajudou os feature phones, que apresentaram vendas de 30 mil unidades, 86% a menos do que o mesmo período de 2019, e mesmo com preço médio 31,5% mais baixo. 

No segundo trimestre de 2020, os efeitos da pandemia devem ser ainda mais sentidos no mercado de celulares, resultado do fechamento do comércio em abril e maio. A expectativa é de queda de 32%, mesmo com Dia das Mães no período. Para o mercado cinza, a previsão também é de queda por conta da alta do dólar e das ofertas do varejo oficial, após a flexibilização e abertura do comércio físico. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/04/2021
De cada 10 brasileiros, oito têm celular pessoal

12/04/2021
Empregados rejeitam proposta da LG e começam greve em Taubaté

08/04/2021
Sem celulares, LG leva produção de PCs para Manaus e abandona São Paulo

06/04/2021
Trabalhadores terceirizados da LG entram em greve e aguardam ação do Governo

05/04/2021
LG diz que fábrica de Taubaté funcionará 'até o fim total dos insumos locais'

05/04/2021
Funcionários decretam estado de greve contra fim da produção de celulares da LG

26/03/2021
Brasileiro retorna ao pré-pago e sonha com superaplicativo

22/03/2021
Celulares: dólar alto e mercado cinza impactam vendas no Brasil

28/01/2021
Sanções dos EUA derrubam Huawei de primeira para sexta fabricante de celulares

26/01/2021
Venda de celulares cresce 10%, puxada por aparelhos mais caros

Destaques
Destaques

Highline se propõe a comprar licença 5G e oferecer espectro como serviço para ISPs

A proposta da empresa, explicou Luis Minoru, diretor de estratégia e novos negócios, é o de oferecer toda a infraestrutura na modalidade de serviço. Já há testes em andamento, não revelados, para o funcionamento da modalidade que inclui a operação de telefonia móvel.

Cobertura 4G chegou a 85% da população mundial, mas metade dela seguiu sem acesso à Internet em 2020

Levantamento da União Internacional de Telecomunicações mostra que a principal razão da exclusão digital é o alto preço do serviço diante da receita do consumidor. "Houve uma queda nos preços, mas precisa cair muito mais para termos um futuro melhor", pontuou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Com rede sujeita a apagões, qual impacto do 5G na energia no Brasil?

Por Pedro Al Shara*

Segundo pesquisa da Vertiv, fornecedora de equipamentos e serviços para infraestrutura crítica, um aumento da ordem de 150% a 170% no consumo energético é projetado no setor de Telecom até 2026. Com toda a inovação que o 5G representa, mais dispositivos poderão acessar a internet móvel ao mesmo tempo, utilizando o mesmo sinal.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site