Clicky

Convergência Digital - Home

Caixa aproveita contratos não usados e avança na nuvem pública com a Microsoft

Convergência Digital
Da redação - 24/06/2020

Sem o uso da computação em nuvem, o programa Auxílio Emergencial não teria saído do papel na velocidade necessária, afirmou o VP de Tecnologia da Caixa, Claudio Salituro, no CIAB Febraban 2020, nesta quarta-feira, 24/06. O executivo lembrou que a Caixa começou a sua jornada digital depois dos demais concorrentes e a existência de contratos já assinados, mas não usados pela gestão anterior a de Pedro Guimarães, com a contratação de nuvem pública, foi crucial para viabilizar um programa do tamanho do Auxílio Emergencial em menos de 10 dias. 

O contrato com a Microsoft foi falado pelo presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante o painel dos CEOs no CIAB Febraban. Segundo ele, o auxílio emergencial se transformou em história de sucesso da empresa norte-americana. O nome do segundo fornecedor não foi revelado pelas partes, mas fontes do mercado afirmam que foi a AWS.

"Não haveria processamento suficiente para suportar 200 milhões de downloads dos aplicativos criados para atendimento ao cidadão se não fosse a nuvem pública, capaz de se adequar ao projeto de forma veloz", observou Salituro. A Caixa também reforçou o legado. Tanto que em evento da Caixa, o executivo assumiu que a instituição reforçou o uso dos mainframes para suportar o alto volume de dados, sem adiantar o montante investido.

Salituro adicionou ainda que a digitalização permitiu à Caixa descobrir um fornecedor na Dinamarca para superar o gargalo principal do programa: as filas no atendimento. "Chegamos a essa empresa pela rede. Foi tudo 100% digital. A negociação, a contratação. Foi uma corrida o tempo todo",disse.

Claudio Salituro, que está à frente da TI da Caixa há seis meses, ressaltou que além da mudança cultural dos funcionários, teve também que lidar o mundo legado com o digital e fazer toda a integração de forma segura e muito rápida. "A pandemia nos trouxe para o mundo digital e do qual não temos mais como sair. Nem queremos. Temos pelo menos 54 milhões de contas digitais para administrar e incentiva o consumo de serviços financeiros", concluiu.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site