Home - Convergência Digital

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

Ana Paula Lobo - 23/06/2020

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais - internet e mobile banking - foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, um mês após o início da quarentena e das medidas de isolamento social para combate ao Covid-19 em grande parte do país.

O resultado representou um aumento de 10 pontos percentuais em relação a janeiro e foi impulsionado pelo uso intenso dos smartphones. Os celulares, sozinhos, representaram 67% das transações analisadas em abril. "O mobile banking registrou um crescimento de 41% em transações financeiras, o que é um marco", diz Sergio Biagini, da Deloitte, responsável pelo estudo.

No recorte feito especialmente para retratar as transações nos quatro primeiros meses do ano e divulgadas nesta terça-feira 23/06, no CIAB Febraban 2020, foram consideradas as seguintes operações: saldos, transferências, contratação de crédito, consulta de investimentos, depósitos, pagamentos de contas, saques e recarga de celular.

De acordo com a pesquisa, entre janeiro e abril, o volume de transações feitas por pessoas físicas nos canais digitais cresceu 19%. Somente no mobile banking, a alta foi de 22%, sendo que as movimentações financeiras no canal móvel cresceram 41%. A consulta de investimentos teve alta de 105%; contratação de crédito (+61%); pagamentos (+33%) e transferências (+24%). O levantamento também revelou que, no mesmo período, as operações bancárias caíram 53% nas agências. Nos ATMs, a queda foi de 19%.

O recorte também revela que nos primeiros quatro meses do ano, as interações dos clientes com os seus bancos por meio de chatbots registraram um crescimento de 78% e a quantidade de atendimentos nos contact centers cresceu quase 7 milhões no período - passando de 123,2 milhões para 130 milhões.

A pesquisa também aponta que 72% dos novos investimentos em tecnologia  - em 2019 foram feitos R$ 16 bilhões- foram dedicados para a Inteligência Artificial, sendo que 50% dos recursos foram para atendimento ao cliente e 35% para a área de segurança e biometria. O Blockchain ficou com 35% e a maior novidade foi o surgimento da Internet das Coisas, com 20% dos aportes.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

09/07/2020
Contadores processam Caixa por falhas no sistema do FGTS prorrogado

09/07/2020
Videoentrevistas gratuitas foram usadas em 501 processos seletivos em função da Covid-19

06/07/2020
IA Carol, da TOTVS, liderou força-tarefa por soluções no combate à Covid-19

01/07/2020
Covid-19: ativado o primeiro repositório de dados abertos do Brasil

30/06/2020
Tecnologia foi um dos setores que mais demandou contratação de temporários

29/06/2020
Apenas 15% das PMEs conseguiram crédito durante pandemia de Covid-19

29/06/2020
Autorregulação marca o retorno ao trabalho das empresas de TI em São Paulo

29/06/2020
Demanda por renegociação de contratos de telecom aumenta 30% na pandemia

29/06/2020
Governo monta grupo de TI com Serpro e Dataprev para ações pós Covid-19

26/06/2020
Grupo Fleury: pandemia mostrou que saúde tem de estar 100% conectada

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site