Clicky

Convergência Digital - Home

Mesmo em recuperação judicial, Seaborn Networks elege data center no Brasil

Convergência Digital
Convergência Digital* - 18/06/2020

A Seaborn Networks (Seaborn), empresa de sistemas de cabos submarinos de fibra óptica (Seaborn), que em dezembro do ano passado, abriu pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos por conta da forte concorrência no segmento a partir da construção de outros cabos submarinos como o Monet, do Google, e Telxius, da Telefônica, selecionou a ODATA como seu novo ponto de presença (POP).

O DC SP01 da ODATA atuará como ponto de presença (POP) de rede local da Seaborn em São Paulo. A ODATA hospedará todo o conjunto de serviços da Seaborn, posicionando-se como um ponto de interconexão para o cabo submarino Seabras-1 entre Nova York (EUA) e São Paulo (Brasil).

Isso permite que a Seaborn seja uma operadora on-net na ODATA e ofereça um conjunto completo de serviços de Transmissão, Ethernet e Serviços IP compatíveis com MEF, Wavelength, altamente escalonados. Esses serviços altamente dimensionados e confiáveis fornecem conectividade de alta qualidade direta entre o Brasil e os Estados Unidos, com menor latência do que qualquer outro sistema atual.

Ao integrar a infraestrutura de data center da ODATA ao Seabras-1, a Seaborn fornece aos clientes um ponto de acesso alternativo à sua rede de alta disponibilidade, proporcionando os benefícios de rotas diretas com alta disponibilidade e de baixa latência da América do Norte para a América do Sul.

"Com a adição deste novo POP na ODATA continuamos nosso plano de expansão na América Latina. Este é um marco importante para nós, uma vez que estamos trabalhando em conjunto com a ODATA em prover conectividade internacional para seus clientes", afirmou Michel Marcelino, SVP, Head of Latin America da Seaborn Networks.

"Nosso Data Center passa a ser um ponto de interconexão estratégico aos demais POPs da Seaborn instalados em diferentes localidades no mundo", explicou Ricardo Alário, CEO da ODATA. "Estamos prontos para suportar nossos clientes e futuras demandas que precisam de capacidade de transporte internacional e baixa latência", conclui.

A ODATA possui quatro data centers na América Latina: Barueri, Santana do Parnaíba, Hortolândia, no interior de São Paulo e Bogotá, na Colômbia e é uma empresa do grupo Patria Investimentos, um dos maiores gestores de investimentos alternativos centrado em ativos na América Latina, pioneiro na indústria de Private Equity no Brasil. O valor do contrato firmado entre as partes não foi revelado.



Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Palo Alto: É um erro enorme repetir o passado e não tornar a nuvem aberta de verdade

"A nuvem tem de ser aberta, multicloud e não ter complexidade para os sistemas se falarem. Fizemos isso lá trás e foi um prejuízo. Não podemos errar porque nuvem é crucial no 5G", adverte Marcos Oliveira, diretor geral da Palo Alto Networks no Brasil. A empresa aposta suas fichas no 5G e num novo desenho para o mercado de segurança de redes.

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site