GOVERNO » Compras Governamentais

Contratos com o governo vão virar créditos financeiros antecipados

Luís Osvaldo Grossmann e Ana Paula Lobo ... 17/06/2020 ... Convergência Digital

A secretaria de Gestão do Ministério da Economia trabalha em duas medidas que vão permitir a fornecedores do governo acelerar os pagamentos por licitações e, especialmente, usar os contratos com o Poder Público como instrumento de antecipação de recebíveis. 

“Esse projeto tem viés muito voltado para micro e pequena empresa. A gente sabe da dificuldade de caixa e vê aí um grande potencial”, disse o secretário de Gestão Cristiano Heckert durante o debate do CDemPauta sobre compras públicas, realizado nesta quarta, 17/6. “Tudo dando certo, em mais três meses estaremos lançando”, disse. 

Como antecipado ao Convergência Digital, as medidas se valem da permissão para antecipação de pagamentos prevista na Medida Provisória 961. “A MP 961 trouxe para o mundo jurídico a possibilidade de pagamento antecipado. Por exemplo, se uma empresa com menor pujança econômica colocar na negociação a condição do pagamento antecipado, ou o mercado indicar um economia significativa de recursos. Se for para receber daqui a 30 dias é tanto. Mas se for à vista, pode ser menos. Aí tá possibilitado o pagamento antecipado. Ou ainda, pagar metade antes, metade depois. É uma lógica próxima do mercado privado, do B2B”, explicou o secretário adjunto de Gestão, Renato Fenili. 

Impacto maior deve ter a segunda medida, de uso de contratos com o governo como garantia de crédito. “Extremamente disruptiva no cenário de compras públicas é a cessão fiduciária de direitos creditícios de contrato, ou, como se diz, a antecipação de recebíveis. Basicamente, uma empresa vai poder pegar um contrato que assinou com a administração publica, e descontar esse contrato antecipadamente num banco, ou numa fintech, antecipando o crédito não da fatura atestada, mas do próprio contrato. E pode juntar quatro, cinco contratos. Juntou oito contratos, somou R$ 500 mil, e ela pode antecipar até 70% desse crédito dentro de um banco que vai ser credenciado pela Central de Compras. A ideia é que tenha competição ampla e ferrenha entre as instituições financeiras para oferecer a melhor condição de crédito para as empresas.”

Como explicou o secretário Cristiano Heckert, além da regra em si, haverá uma ferramenta para viabilizar essa relação fornecedor-governo-instituição financeira. “Estamos trabalhando nas frentes normativa e tecnológica para viabilizar isso. Estamos construindo uma plataforma tecnológica com a Febraban e com a associação das fintechs. Vai ser nessa plataforma que o fornecedor vai colocar o contrato que quer de antecipar. Aí a administração publica tem que validar que aquele contrato existe. E existe um processo de disputa em que diferentes instituições financeiras darão as suas taxas de desconto para que o fornecedor possa escolher.” Assista a fala sobre o novo modelo de antecipação de pagamento. A versão integral do CDemPauta sobre Compras governamentais, assista aqui.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Serviços digitalizados evitaram 65 milhões de visitas a órgãos públicos

A conta é da Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia, que considera atos inteiramente online anteriormente realizados somente com presença física do requerente. 

Suspeita de fraude faz Caixa bloquear 1,3 milhão de CPFs no Auxílio Emergencial

Total de contas bloqueadas responde por cerca de 5% dos pedidos aprovados. Para reativar o benefício, o dono da conta bloqueada terá de ir pessoalmente a uma agência e provar a sua identidade.

ABES: Software cobra transparência do ministério da Economia

Para o presidente da Associação Brasileira de Empresas de Software, Rodolfo Fücher, o veto à prorrogação da desoneração da folha chega em um momento onde a inadimplência aumenta e da falta de crédito.País caiu para 10º no ranking mundial de software.

Bolsonaro surpreende e veta prorrogação da desoneração da folha

Ao sancionar a Lei 14.020/20, presidente descartou manter o benefício até o fim de 2021 para 17 setores, inclusive TI e cal center. “Dispositivos acabam por acarretar renúncia de receita”, anotou na mensagem de veto.

Governo segue com privatização de Serpro, Dataprev e Telebras para 2021

O secretário de desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, disse que não há mudança de planos do governo Bolsonaro, mesmo com o papel desempenhado pelas estatais de TI na pandemia, e está mantido o plano de vender 12 estatais no ano que vem.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G