Decreto regulamenta nova lei de telecom, mas renovação de frequência é dúvida

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/06/2020 ... Convergência Digital

Levou uma gestação. Nove meses depois da sancionar a Lei 13.879/19, Jair Bolsonaro assinou nesta quarta, 17/6, o Decreto que regulamenta o novo marco legal das telecomunicações. Mas o ponto de fundamental interesse das operadoras, a garantia de que terão renovadas as radiofrequências já outorgadas, ainda dá margem à dúvidas. 

Diz o texto, firmado durante a posse do novo ministro das Comunicações, Fabio Faria:

“No exame dos pedidos de prorrogação de outorgas regidos pelo disposto nos artigos 99, 167 e 172 da Lei 9.472, de 16 de julho de 1997, inclusive aquelas vigentes na data de publicação da Lei 13.879, de 3 de outubro de 2019, ainda que já tenham sido objeto de prorrogação, a Anatel levará em consideração: 

I – a expressa e prévia manifestação de interesse por parte do detentor da outorga; 

II – o cumprimento de obrigações já assumidas; 

III – aspectos concorrenciais; 

IV - o uso eficiente de recursos escassos; 

V – o atendimento ao interesse público.

Parágrafo único. Visando promover e preservar a justa e ampla competição e impedir a concentração econômica do mercado, a Anatel poderá estabelecer restrições, limites ou condições no deferimento de prorrogações.”

Quem acompanha o tema de perto, explica que a nova redação é melhor que as anteriores, mas ainda não dá conforto seguro para quem vai assinar a renovação de espectro já prorrogado – afinal, fora do que estava previsto quando a frequência foi licitada. 

De fato, as tratativas entre governo e Anatel, com forte presença dos departamentos jurídicos, e uma especial intervenção da Advocacia-Geral da União, acabaram por “melhorar” o texto final sob a perspectiva de viabilizar a renovação mesmo nesses casos. 

O MCTIC ia adotar uma linha de permitir a renovação caso a Anatel entendesse que uma nova licitação fosse inviável ou pudesse interromper o uso do espectro. No fim, prevaleceu a inclusão de conceitos como “aspectos concorrenciais” e “o atendimento ao interesse público”. Abriu-se, assim, alguma subjetividade a ser preenchida com extensas justificativas da agência reguladora, em análises que deverão ser feitas caso a caso. Mas como sempre defendeu a Anatel, a renovação das frequências  mais que uma garantia, é uma faculdade.


Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G